Um dia como outro

Feriadão começou como se não tivesse sido decretado

Ontem, sexta, 26, se alguém, sem acesso às redes sociais e sem ter lido os jornais ou escutado os programas de rádio de Betinho Albertassi ou Dário de Paula, entre outros, passasse pela Vila ou pela Amaral Peixoto, por volta das 11h30min, certamente diria que era mais um dia comum de 2021. Todas as grandes lojas estavam abertas, as pequenas também. Só iria estranhar que, naquele momento, os shoppings ainda estavam fechados, como mostra a fotografia feita, com um bom grupo de pessoas, muitos de máscaras, esperando para ir às compras.
Assim – tudo normal – foi o primeiro dia do ‘Feriadão da Páscoa’, decretado pelo governador do Estado, para o período de 26 de março a 4 de abril, devidamente acatado pelos prefeitos de Volta Redonda, Neto; Barra Mansa, Rodrigo Drable; e Ednardo Barbosa, Pinheiral. Com pouquíssimas alterações, como horários diferentes para abertura das lojas, de bares e restaurantes, os quatro conseguiram desagradar à maioria da população. “Faltou coerência”, pontuou uma pedagoga entrevistada pelo aQui. “Feriado? Tá tudo aberto!”, pontuou, pedindo para não ser identificada.
“Na verdade, parece que só fecharam as es-colas e as praças, penalizando os pais, que não poderão mandar os filhos para a escola ou levá-los à praça para brincar”, comparou. “Ir ao shopping pode, né?”, ironizou, mostrando estar certa, apesar da brincadeira. No decreto de n° 16.617, a prefeitura de Volta Redonda, por exemplo, proibiu a aglomeração de pessoas em espaços públicos (pracinhas, grifo nosso) e privados, além de proibir todas as atividades esportivas, culturais e coletivas em praças, campos de futebol, áreas de lazer e clubes recreativos, excetuando-se as de alto rendimento, sem público, respeitando os devidos protocolos.
Dando pistas que já esperava ‘pelo dia comum’ já na sexta, 26 – todas as lojas da Amaral Peixoto estavam abertas, as da Vila também –, a prefeitura, no decreto de restrições, anunciou que o VR Parking – sistema de estacionamento rotativo de Volta Redonda – iria funcionar regularmente. Tem mais. Ao mesmo tempo em que mandou suspender, de forma presencial, as aulas das escolas da rede de ensino pública e privada, de cursos preparatórios e cursos livres, liberou o funcionamento das igrejas. Na manhã de ontem, sexta, já dava para ouvir cantorias na Igreja Assembleia de Deus, interditada e multada há bem pouco tempo.
Apesar do dia normal, o decreto da prefeitura de Volta Redonda, para quem não teve ciência, deixou o alerta: a Guarda Municipal, com auxílio da Polícia Militar e dos agentes dos órgãos de fiscalização do município, iria agir para conter os abusos durante o feriadão da Páscoa. E quem fosse multado por infringir as normas de combate à Covid-19 teria que pagar 30 Ufivres aos cofres municipais. O que equivale atualmente a R$ 5.929,80 (cinco mil novecentos e vinte e nove reais e oitenta centavos).

Deixe um comentário