“Tô no jogo”

Mateus Gusmão

Exercendo seu quinto mandato como vereador e pelo segundo ano consecutivo como presidente da Câmara de Volta Redonda, Nilton Alves de Faria, o popular Neném (DEM), quer voar mais alto com destino a Brasília, onde pretende fixar residência a partir de 2023, com direito a morar em um dos apartamentos funcionais destinados aos deputados federais. Em entrevista exclusiva ao aQui, o parlamentar – um dos políticos mais próximos ao prefeito Neto – disse que sua pré-candidatura à Câmara Federal é para valer. Que não é um balão de ensaio, como muitos pensam.
Segundo Neném, há pelo menos dois mandatos ele vem pensando em ser candidato a deputado federal para compensar a baixa representatividade do Sul Fluminense em Brasília. “Eu sou pré-candidato. Estou pensando nisso já há alguns anos. Há pelo menos dois mandatos. Nos outros anos eu apoiei o ex-deputado Deley de Oliveira, mas agora estou disposto a encarar o desafio de ser o representante de Volta Redonda em Brasília”, ponderou Neném. “Acredito que há espaço para minha candidatura e para a do Deley. Somente em Volta Redonda são mais de 220 mil eleitores”, destacou o presidente da Câmara, procurando desfazer as críticas que já ouviu sobre a possibilidade de dividir – com Deley – os votos do grupo Neto.
Como é de conhecimento de todos, a estratégia de Neto, até então, consistia em viabilizar a candidatura apenas de Deley. Neném, entretanto, diz que isso não é motivo para rixas no grupo político. “Eu já expus ao prefeito minha vontade de ser candidato e ele disse que vamos conversar sobre isso. O Neto é o melhor prefeito do Brasil, somos próximos e isso (pré-candidatura) não vai abalar”, disse o vereador, ressaltando que pela proximidade com o grupo, ele já escolheu até quem irá apoiar para deputado estadual. “Vou ajudar o Munir”, acrescentou, referindo-se ao secretário de Ação Comunitária e irmão de Neto, e que deverá ser lançado como pré-candidato à Alerj.
Assim como Neto, Neném foi eleito pelo Dem. Mas deverá deixar o partido nos próximos meses seguindo os passos do ex-presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia. Neném, entretanto, desconversou sobre qual será o seu destino. “Eu já estou recebendo sondagens e convites de alguns partidos. Mas não é hora de decidir. Vou escolher um partido onde a nominata (chapa de candidatos) esteja boa e que eu tenha chances de vencer o pleito”, completou Neném.
Neném vai além. Avalia como positivo o seu segundo mandato consecutivo como presidente da Câmara (2020 e 2021), o que lhe garante visibilidade para buscar se eleger. “No ano passado (2020), tivemos muitos problemas, a pandemia, o final do governo do ex-prefeito (Samuca), foi uma presidência de muita dificuldade”, completou. “Esse ano estamos conseguindo ajudar mais a cidade nesse trabalho de reconstrução. A Câmara inteira tem sido muito parceira do prefeito Neto e juntos estamos fazendo esse trabalho de reconstrução”, avaliou.
Neném aproveitou para se derreter em elogios ao amigo, o prefeito Neto, que foi quem o lançou na política de Volta Redonda (a pedido de D. Munira, mãe de Neto, grifo nosso). “O Neto tem feito um bom governo de reconstrução, já pagou dez folhas de pagamento em oito meses. E tem na gente, da Câmara (vereadores), grandes parceiros nesse trabalho”, disse. “Eu tenho um bom relacionamento com o prefeito e com todos os vereadores, isso ajuda na condução dos trabalhos na Câmara também”, destacou.
Como aliado, Neném, no início deste ano, colocou em votação as contas de Neto referentes aos anos de 2015 e 2016, ambas com parecer contrário do Tribunal de Contas do Estado. As duas, graças à articulação do presidente da Casa, foram aprovadas. “A ideia era limpar a gaveta de todas as contas que a gente tinha para votar. Agora em outubro esperamos colocar as contas de 2017 e 2018 do ex-prefeito Samuca”, concluiu. Vem chumbo grosso por aí.

A volta do que não foi

Ele voltou. O jovem Hálison Vitorino (PP) voltou a ocupar a sua cadeira na Câmara de Volta Redonda. É que o desembargador Antônio Iloízio Barros Bastos, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, derrubou a decisão que determinava a suspensão do mandato do parlamentar. O presidente da Câmara, Neném (DEM), deu posse novamente a Vitorino em ato solene na tarde de quinta, 16, acompanhado por Larissa e pela pequena Lara, respectivamente mulher e filha do vereador.
Para quem não se lembra, no último dia 27 de agosto, Hálison Vitorino foi afastado do cargo por decisão do juiz Roberto Henrique dos Reis, da 4ª Vara Cível de Volta Redonda, que concedeu liminar favorável ao seu suplente, Guilherme Sipe (PP). O magistrado entendeu que Hálison teria infringido a Lei Orgânica do Município ao se licenciar para ocupar a direção administrativa do Hospital São João Batista. Desde então, Guilherme Sipe vinha ocupando a cadeira de Vitorino na Casa.
O desembargador Antônio Iloízio Barros Bastos ao derrubar a liminar lembrou que a Câmara de Vereadores, por unanimidade, teria deliberado que a licença de Hálison havia sido legal. “Defiro, portanto, o pedido para suspender a decisão agravada e, com isso, prestigiar o que foi decidido na deliberação dos membros da Câmara Municipal de Volta Redonda, garantindo assim o exercício do mandato do interessado (Hálison Vitorino)”, decretou o magistrado.
Por ser uma decisão ainda em liminar, o caso seguirá tramitando no Tribunal de Justiça do Rio. O desembargador Antônio Iloízio Barros deu 15 dias para que os envolvidos no caso – Guilherme Sipe, Hálison Vitorino e Câmara de Vereadores – voltem a apresentar novas alegações dentro do processo para, aí sim, decidir definitivamente sobre o afastamento ou não do parlamentar.

 

A volta do que não foi

Ele voltou. O jovem Hálison Vitorino (PP) voltou a ocupar a sua cadeira na Câmara de Volta Redonda. É que o desembargador Antônio Iloízio Barros Bastos, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio, derrubou a decisão que determinava a suspensão do mandato do parlamentar. O presidente da Câmara, Neném (DEM), deu posse novamente a Vitorino em ato solene na tarde de quinta, 16, acompanhado por Larissa e pela pequena Lara, respectivamente mulher e filha do vereador.
Para quem não se lembra, no último dia 27 de agosto, Hálison Vitorino foi afastado do cargo por decisão do juiz Roberto Henrique dos Reis, da 4ª Vara Cível de Volta Redonda, que concedeu liminar favorável ao seu suplente, Guilherme Sipe (PP). O magistrado entendeu que Hálison teria infringido a Lei Orgânica do Município ao se licenciar para ocupar a direção administrativa do Hospital São João Batista. Desde então, Guilherme Sipe vinha ocupando a cadeira de Vitorino na Casa.
O desembargador Antônio Iloízio Barros Bastos ao derrubar a liminar lembrou que a Câmara de Vereadores, por unanimidade, teria deliberado que a licença de Hálison havia sido legal. “Defiro, portanto, o pedido para suspender a decisão agravada e, com isso, prestigiar o que foi decidido na deliberação dos membros da Câmara Municipal de Volta Redonda, garantindo assim o exercício do mandato do interessado (Hálison Vitorino)”, decretou o magistrado.
Por ser uma decisão ainda em liminar, o caso seguirá tramitando no Tribunal de Justiça do Rio. O desembargador Antônio Iloízio Barros deu 15 dias para que os envolvidos no caso – Guilherme Sipe, Hálison Vitorino e Câmara de Vereadores – voltem a apresentar novas alegações dentro do processo para, aí sim, decidir definitivamente sobre o afastamento ou não do parlamentar.

Deixe um comentário