Sem árvores não há vida

O mês de dezembro começa com uma notícia triste em relação ao meio ambiente: o desmatamento na Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre, aumentou 203% em relação ao ano passado. A reserva – uma das mais simbólicas do Brasil – já perdeu 74,5 quilômetros quadrados de floresta em um ano, o equivalente a duas Florestas da Tijuca, a maior floresta urbana do mundo.

O desmatamento e o abalo em um dos ecossistemas mais robustos do mundo, a Floresta Amazônica, pode ter consequências irreversíveis. Muitos se perguntam, por exemplo, se há aquecimento global se o mês de novembro foi um dos mais frios dos últimos tempos… A questão é que o clima está desregulado, e, como todos os cientistas sérios atestam, a consequência disso são os extremos climáticos: frio em meses que eram quentes, seca em meses chuvosos, e vice-versa.

Onde a Amazônia e as árvores entram nisso? Elas ajudam a regular o clima, e amenizar os efeitos das mudanças climáticas. A Amazônia, mais especificamente, é responsável por umidificar boa parte do território brasileiro – e outros locais da América do Sul – com seus “rios voadores” oriundos da transpiração das árvores. Elas também atraem boa parte da cadeia vital, como insetos, pássaros, pequenos mamíferos, dando início a praticamente todos os ecossistemas conhecidos. Ou seja, as árvores são a base da vida.

Da nossa parte, quanto mais árvores plantarmos, seja no nosso quintal, na nossa cidade, em qualquer área verde disponível e que isso possa ser feito, estaremos dando uma imensa contribuição para um futuro melhor para o nosso nosso planeta.

Não espere, plante uma árvore hoje mesmo!

Edson Quinto é vereador e presidente da Câmara de Volta Redonda

Deixe uma resposta