Normal ou anormal?

Levantamento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) revela que o Brasil registrou mais de 27.390 ações sobre assédio sexual nas Varas do Trabalho entre janeiro de 2015 e junho de 2021. Só no primeiro semestre deste ano, foram abertos 1.477 processos, um aumento de mais de 21% em comparação ao mesmo período do ano passado.
Os setores do comércio, serviços e indústria lideram a lista de ações e, juntos, somam mais de 14.687 casos. Embora seja considerado crime desde 2001, esse tipo de violência ainda é relativizado e encarado com certa normalidade no ambiente de trabalho. O entrevistador forense e advogado especialista em compliance André Costa afirma que essa realidade exige a implantação de políticas de prevenção e combate. “As organizações precisam ter uma estrutura exclusiva para cuidar do compliance corporativo. Para as pequenas e de médio porte que não têm condições de contratar alguém exclusivamente para esse fim, é fundamental ter uma interrelação entre as áreas jurídica, de RH e de operações para que consigam tomar decisões com o mínimo de bom senso”, afirma.
Recentemente, uma vendedora, de 31 anos, foi demitida de uma loja de telefonia após denunciar seu gerente e um colega de trabalho no canal interno da empresa por tentativa de estupro. “Apesar do resultado equivocado e desastroso da denúncia, ela agiu certo. Além de fazer um boletim de ocorrência, a vítima precisa fazer uma denúncia formal, guardar o protocolo, reunir provas, passar a informação de uma maneira estruturada e pelo canal correto da empresa, porque se for demitida pode recorrer à Justiça do Trabalho para exigir que seus direitos sejam respeitados”, orienta.
Segundo Costa, a ação pode ocorrer na esfera trabalhista e criminal. “A pessoa pode entrar com um processo chamado rescisão indireta, pelo qual consegue receber todos os direitos como se tivesse sido demitida, e ainda seguir com a denúncia na esfera criminal por assédio ou importunação sexual. Quando o agressor for condenado, ela ainda pode entrar com processo civil pedindo indenização monetária pelo transtorno que ele provocou”, afirma. De acordo com o advogado, as empresas também podem ser acionadas por danos morais, porque são coresponsáveis pelos danos que a vítima sofreu.
No primeiro semestre de 2021 foram registrados 1.477 processos
Prevenção e combate
O especialista, que atua há mais de 10 anos investigando casos de assédio sexual e moral no ambiente corporativo, afirma que as empresas são responsáveis pelo que acontece e precisam ter um departamento exclusivo para garantir a proteção dos funcionários e, por consequência, da sua imagem. “Grandes corporações precisam de uma equipe exclusiva para analisar as denúncias de forma isenta e correta. O que aconteceu com o caso divulgado recentemente pela imprensa é totalmente ilegal e, além de trazer prejuizos incalculáveis para a vítima, vai arranhar a imagem da empresa”, afirma.
Segundo ele, o exemplo de conduta deve vir primeiro da alta cúpula administrativa. “Se a alta administração não der o exemplo e se a empresa não tiver uma postura exemplar, que é uma demissão por justa causa do agressor, e expuser que não concorda com isso, a cultura e o clima organizacional acabam contaminados. O maior prejudicado é a companhia, que tem o desgaste e prejuízo da imagem, porque não tem um compliance forte, que funciona adequadamente”, alerta.
Costa diz que as empresas devem adotar políticas como a do Programa de Integridade criada em 2016 pela Controladoria Geral da União (CGU) para garantir uma cultura sustentável. A estrutura desenvolvida pela instituição é pautada por quatro pilares: comprometimento e apoio da alta administração; unidade responsável e instâncias de integridade; gerenciamento dos riscos à integridade; e estratégias de monitoramento contínuo. “Se a empresa não tiver essas etapas, provavelmente a gente ainda vai ver muitos casos de assédio acontecer porque o combate não conta com o apoio da alta administração”, ressalta.
As empresas, diz o especialista em compliance, podem adotar várias medidas para prevenir o crime. Além de ações educativas, é preciso fazer uma análise de risco do ambiente de trabalho e adotar ações de forma a minimizar a ocorrência deste tipo de crime. “Um gerente tem esse tipo de comportamento e as pessoas acham que é normal. O caso da vendedora deixa claro que não há uma análise de risco adequada, a sala onde o crime ocorreu não tem um sistema de vigilância, talvez não tenha regras e instrumentos claros, os funcionários não sabem que podem ser demitidos e não têm conhecimento de que isso é gravíssimo”, completa.

Nota da redação: A reportagem do aQui bem que tentou descobrir os números de abusos sexuais em Volta Redonda e Barra Mansa, só que eles não estão disponíveis por cidades no Tribunal Superior do Trabalho (TST). Deveriam, mas não estão.
Número de processos registrados entre janeiro de 2015 e junho de 2021

Serviços Urbanos 184
Administração Pública 221
Empresas de Processamento de Dados 275
Agropecuária, Extração Vegetal e Pesca 348
Seguridade Social 405
Educação, Cultura e Lazer 650
Serviços Domésticos 729
Sistema Financeiro 790
Comunicações 857
Transporte 1.027
Turismo, Hospitalidade e Alimentação 2.088
Indústria 3.871
Serviços Diversos 4.853
Outros: 5.129
(Fonte: TST)

Deixe uma resposta