‘Não sou contraditório’

Os vereadores de Volta Redonda, em sua maioria, estão intrigados com a mudança de opinião – radical, por sinal – de Rodrigo Furtado, presidente da ‘CPI de Paulinho do Raio-X’. A princípio, assim que a Comissão foi instalada, o vereador, que é advogado, tentou dar uma de imparcial e jurava que não seria o de algoz do colega, que foi preso em flagrante suspeito de tentar extorquir o prefeito Samuca Silva. 

Mas tudo mudou na última quarta, 22, quando Furtado protocolou uma denúncia contra Paulinho do Raio-X, confirmando o que o aQui havia adiantado, com exclusividade. Nela, o presidente da CPI pede a cassação do parlamentar de oposição ao governo Samuca. Ou seja, deixou de ser imparcial.  “São duas questões diferentes”, defendeu-se Rodrigo. “A denúncia que protocolei não foi pela CPI, até porque essa ainda está em trâmite. A CPI também não terá poder de cassar ninguém. Ela não tem esse condão. Apenas vai emitir um relatório que poderá orientar os vereadores e Justiça para cassar ou não Paulinho”, explicou, como se fosse possível ser imparcial sendo parcial.

De acordo com Furtado, sua intenção é investigar um caso totalmente atípico que “manchou a história” da Câmara. “Eu nunca quis cassar ou não cassar ninguém. Minha intenção com a CPI foi a de entender o que aconteceu e apurar o quanto antes esse fato que manchou a história da Casa”, argumentou.

Questionado se não prorrogaria a CPI a fim de dar ao investigado uma segunda chance – já que Paulinho do Raio-X não compareceu para depor sob o pretexto de estar impossibilitado psicologicamente, apresentando, inclusive, um atestado médico -, Furtado anunciou que isso será feito. “Eu conversei com Dinho e Fernando Martins (integrantes da CPI) e vamos pedir a prorrogação. Mas o que me preocupa é o fato de que estamos no final dessa legislatura. O que aconteceu com Paulinho foi nessa legislatura, então temos que resolver antes que passe esse tempo ou ficará para o ano que vem, quando muitos dos vereadores de hoje poderão não estar mais na Casa”, argumentou, esquecendo-se que ainda faltam cerca de sete meses para o fim do mandato dos atuais parlamentares.

Os argumentos de Furtado não convencem. Um vereador, por exemplo, confidenciou ao aQui que a postura do presidente da CPI é contraditória. “Por que não pediu, desde o princípio, a cassação do Paulinho? Por que mudou de ideia agora e está tão determinado? Será que ele estava ganhando tempo para garantir que o prefeito estaria blindado?”, questionou, pedindo que seu nome não fosse revelado.

Furtado nega. “O fato é que a CPI ouviu muita gente até agora. E temos indícios fortes de que Paulinho realmente cometeu os crimes dos quais é acusado. Por isso protocolei a denúncia e agora será apreciada (dia 28) pelos vereadores, independente da CPI que também emitirá um relatório a respeito. Muitos podem não concordar comigo, mas vamos analisar os fatos”, concluiu.

Carta aberta
Veja a íntegra da correspondência enviada por Paulinho do Raio-X ao vereador Neném, presidente da Câmara de Volta Redonda, onde o parlamentar nega ter envolvido dois outros vereadores – o próprio Neném e Carlinhos Santana, na suposta tentativa de extorsão contra Samuca Silva:
“Dirijo-me à população, pois estive impossibilitado para o comparecimento na data 16/04/2020, pois, nesses últimos dias, estive buscando tratamento do meu quadro de saúde para tão logo esclarecer o que me será perguntado.


De antemão quero deixar claro que gostaria de ser ouvido na Câmara, meu local de trabalho, mas como não é possível, por ordem judicial, me coloco a disposição para outro local. Gostaria que toda a ação fosse feita de forma transparente à população para que todos aqueles que viram minha vida exposta tenham o direito de ver e ouvir o meu depoimento, ao qual ninguém teve acesso.


Antecipo que em nenhum momento envolvo nome de qualquer parlamentar no assunto daquele fatídico encontro.
Forte abraço a todos e em breve tudo se esclarecerá”, escreveu Paulinho do Raio-X.

Deixe uma resposta