Mais ansiosas

A multiplicidade de papéis impostos às mulheres é um dos principais fatores do adoecimento psicológico feminino. Com tanta pressão externa e interna para cumprir demandas diversas, as brasileiras acabam “sufocadas”, sobretudo, pela culpa. A dupla jornada – em especial, entre as mulheres casadas e empreendedoras – afeta muito a vida e a saúde feminina. À lista de preocupações somam-se os problemas sociais como assédio moral e remuneração desproporcional. A sobrecarga ficou ainda mais clara entre as mães na pandemia, sendo evidenciada pela falta de divisão dos trabalhos domésticos e da gestão dos estudos e do cotidiano dos filhos. Essa dose extra de tarefas potencializa o risco de elas desenvolverem problemas psicológicos como ansiedade, transtornos alimentares, depressão e transtornos associados ao ciclo reprodutivo. Essas são algumas das conclusões da pesquisa Ser mulher: a saúde da mente delas, conduzida pela NOZ Pesquisa e Inteligência em parceria com o Instituto Bem do Estar; o apoio é da organização PHI (Philantropia Inteligente).
A pesquisa faz parte da campanha Ser Mulher – a saúde da mente delas, cuja proposta é abrir espaços de conversas e reflexões sobre a mulher e as questões que envolvem a saúde da mente feminina. “Para fomentar e qualificar esse diálogo, criamos um conteúdo diverso produzido por especialistas multidisciplinares; entrevistas com mulheres plurais, em diferentes plataformas. E, em parceria com a NOZ Pesquisa e Inteligência, conduzimos uma pesquisa visando gerar dados que deem suporte para uma reflexão qualificada, além de impulsionar o debate, a escuta ativa e a troca de experiências”, afirmam as coordenadoras do levantamento, acrescentando que o estudo possui o intuito de entender melhor o cenário da saúde da mente das mulheres que vivem no Brasil, os anseios e as dificuldades delas, além de proporcionar às participantes a oportunidade de olhar para os próprios sentimentos e as próprias sensações.
A pesquisa mostra que – antes e durante a pandemia – os sentimentos como “excessivamente preocupada”, “ansiosa” e “excessivamente cansada” aumentaram assustadoramente entre as mulheres. No capítulo Desafios femininos potencializados pela pandemia, a análise mostra que 81% das entrevistadas afirmaram ser mais ou muito mais difícil e desafiador conciliar a maternidade e a vida profissional neste contexto da crise sanitária (86% entre as casadas). Na análise dos sentimentos, 84% estão excessivamente preocupadas (muito mais) e 65%, sem ânimo para atividades (muito mais). A culpa excessiva é constante para 45%.
DESTAQUES DA PESQUISA
Violência doméstica (física ou psicológica) | Questionadas se o tema afeta o cotidiano, 44% das mulheres responderam que são afetadas ou muito afetadas; 64% das divorciadas afirmaram que tiveram a vida afetada; 49% das mulheres com filhos afirmaram que a violência afetou suas vidas – o percentual é de 38% para as que não possuem filhos –; e 52% das mulheres que não estão atuando profissionalmente afirmaram que a violência doméstica já afetou suas vidas.
Reconhecimento profissional | Quando convidadas a avaliar o impacto de serem ou não reconhecidas pelo que fazem profissionalmente, 72% das mulheres responderam que se sentem afetadas ou muito; apenas 17% responderam que a valorização (ou falta dela) as afeta pouco; 12% reportaram que não são afetadas.
Dupla jornada (profissional e doméstica) | Para 65%, o impacto da dupla jornada na saúde da mente as afeta ou afeta muito; 14% não são afetadas e 21% responderam que são um pouco afetadas. Entre as respondentes, 72% das mulheres casadas afirmaram que afeta suas vidas; o número é de 55% para as solteiras. O percentual é de 73% entre as mulheres com filhos (que a dupla jornada afetou suas vidas); e 54% é o índice entre as que não possuem filhos. Um dado interessante é que 70% das empreendedoras afirmaram que a dupla jornada afeta suas vidas.
Discriminação de gênero | Entre as entrevistadas, 55% responderam que se sentem afetadas ou muito afetadas; para 18%, a temática afeta pouco; e, para 27%, não afeta.
Assédio moral | Para 64%, o assédio moral afeta muito ou afeta a saúde da mente; 17% reportaram que não afeta; e 19%, que afeta pouco.
Remuneração | Para 66%, a remuneração afeta muito ou afeta a saúde da mente; 19% responderam que afeta pouco; e 15% reportaram que não são afetadas pelo tema.
Apoio à maternidade no trabalho | 51% das entrevistadas afirmaram que se sentem afetadas ou muito afetadas: 37% não se sentem afetadas; e 13% reportaram que o tema as afeta pouco. A percepção sobre o apoio à maternidade piora entre as mulheres que possuem filhos: 61% das mães afirmaram que a maternidade afeta ou já afetou suas vidas; o percentual é de 37% para as que não possuem filhos. “Esse dado demonstra que, mesmo entre as mulheres, os desafios impostos pela maternidade parecem invisíveis e o apoio no ambiente profissional só é percebido como necessário pelas próprias mães”, afirma Juliana Vanin.
DESAFIOS FEMININOS
Conciliar maternidade e vida profissional | Entre as mulheres com filhos, enteados ou crianças sob a sua responsabilidade (menos de 18 anos), conciliar maternidade e vida profissional foi o desafio que se tornou ainda mais difícil com a Covid. Entre as entrevistadas, 81% afirmaram ser mais ou muito mais difícil e desafiador nesse período da pandemia; 86% das mulheres casadas afirmaram ser mais difícil – ou muito mais difícil – conciliar maternidade e vida profissional. O percentual é de 72% entre as não casadas (solteiras, divorciadas ou viúvas), todas com filhos. “Esse resultado demonstra as consequências da sobrecarga de responsabilidades e a falta de divisão dos trabalhos domésticos, algo que fica mais evidente no dia a dia das mulheres casadas”, analisa Juliana Vanin.
Rotina on-line dos filhos | Para 67% das entrevistadas, a rotina on-line dos filhos é muito difícil e desafiadora; para 22%, pouco difícil ou desafiadora; e, para 11%, nada difícil ou desafiadora.
Conciliar o dia a dia | Entre as entrevistadas, 66% afirmaram ser muito mais difícil e desafiador conciliar as demandas do cotidiano com a rotina das atividades domésticas. “Novamente observamos a diferença entre casadas e não casadas: 70% das mulheres casadas contra 59% das não casadas consideram ser mais difícil ou muito mais difícil conciliar o dia a dia com a rotina das atividades domésticas. Importante salientar que o percentual é alto nos dois grupos, porém, mostram o aumento da sobrecarga de trabalho entre as casadas”, avalia Isabel Marçal, acrescentando que, além disso, o percentual que considera ser mais difícil ou muito mais difícil conciliar o cotidiano com a rotina das atividades domésticas é de 78% entre as mulheres com filhos contra 59% entre as que não possuem filhos.
Convívio diário | 58% das entrevistadas afirmaram ser mais ou muito mais difícil e desafiador o convívio intenso dentro de casa; para 25%, o convívio ficou menos difícil e desafiador. “Desconsiderando as entrevistadas que moram sozinhas, percebemos que o convívio é um desafio ainda mais relevante para o período”, Isabel Marçal.
Vida financeira | 71% afirmaram ser mais ou muito mais difícil e desafiador do que antes da pandemia; somente 6% reportaram ser menos difícil e desafiador. Entre as mulheres que prestam serviços de forma fixa e contínua (CLT, PJ e funcionárias públicas), o percentual cai para 60%; entre as que estão desempregadas (em busca de uma nova vaga), o percentual é de 88% de mulheres que consideram que a vida financeira está mais ou muito mais difícil e desafiadora. Para 78% das mulheres com filhos, a vida financeira está mais ou muito mais difícil e desafiadora; o percentual cai para 62% entre as que não possuem filhos.
Sentimentos: Como tem se sentido em comparação ao período anterior à Covid?
Entre as entrevistadas, 84% afirmaram que estão excessivamente mais preocupadas; 80%, mais ansiosas; 73%, excessivamente mais cansadas; 69%, mais irritadas; 68%, com mais dificuldade de concentração; 65%, sem ânimo para realizar as atividades (mais do que antes); 51% se sentindo mais sozinhas; e 45%, mais culpadas.?
Oitenta por cento das entrevistadas estão se sentindo mais ansiosas do que antes da pandemia. Entre as entrevistadas, 81% também afirmaram que já passaram por crise de ansiedade, porém, quase metade não procurou ajuda. Entre as que procuraram ajuda, as principais formas relatadas espontaneamente foram:
terapia/tratamento psicológico | 69%
acompanhamento psiquiátrico | 34%
médicos de outras especialidades ou especialidade não informada | 8%
medicação | 4%
Falta de ânimo: 65% estão se sentindo mais sem ânimo do que antes da pandemia.
Depressão: 54% também afirmam que já tiveram depressão, porém, quase metade não procurou ajuda. Entre as que procuraram ajuda, as principais formas relatadas espontaneamente foram:
terapia/tratamento psicológico| 47%
acompanhamento psiquiátrico| 33%
médicos de outras especialidades ou não informada a especialidade| 4%
medicação | 7%
Culpa: 45% das entrevistadas estão se sentindo mais culpadas do que antes da pandemia; 21% das entrevistadas nunca se sentiram culpadas nesse período.
Terapia: apenas 17% das mulheres com filhos estão fazendo terapia, o percentual é de 34% entre as que não possuem filhos; as mulheres que não estão exercendo atividade remunerada, apenas 9% estão realizando terapia; quase metade (48%) das mulheres acima de 51 anos afirmaram que nunca fizeram terapia; além disso, quatro em cada 10 dizem não ter vontade.
INSTITUTO BEM DO ESTAR – Fundado em 2018 por Isabel Marçal e Milena Fanucchi, o Instituto Bem do Estar é um negócio social sem fins lucrativos voltado à promoção da saúde da mente. Mais informações em www.bemdoestar.org

Deixe uma resposta