Grampos Barra Mansa

Eleições – De um total de 133.606 eleitores, nada mais nada menos que 33.010 (24,71%) deixaram de votar no domingo, 15. Votos suficientes para mudar a história da cidade. Ou não, é claro. O total de votos válidos foi de 84.273 (83,77%), sendo que 6.266 (6,23%) foram em branco e 10.057 (10%) foram anulados.

 

Mulheres – Os eleitores de Barra Mansa pelo menos fizeram bonito ao eleger quatro mulheres para o Poder Legislativo. Volta Redonda, só para comparar, não elegeu nenhuma.

Foram eleitas: Rayane Braga (PSL), com 1.686 votos; Cristina Magno (PP), com 1.109 votos; Luciana Alves (DC), com 1.062 votos; e, professora Fernanda Carreiro (PT), com 839 votos.

 

PT – Por falar em petistas, apesar de tudo, o PT de Barra Mansa, assim como o de Volta Redonda, pode considerar um feito ter eleito um vereador. Mas fica a pergunta: será que Inês Pandeló, ex-prefeita, se fosse candidata, seria eleita?

 

PSL – Contrastando com a votação em outras cidades, onde fez feio, o PSL de Barra Mansa foi a legenda mais votada na cidade, obtendo 9.777 votos, com direito a eleger três vereadores. Em Volta Redonda, por exemplo, o PSL do deputado federal Antônio Furtado não elegeu ninguém e a votação do partido foi pífia. Os eleitos foram: Rayane Braga, a mulher com mais votos em Barra Mansa, com 1.686 votos; Paulo da Gráfica, com 1.367 votos; e Casé, com 1.153.

 

Otimismo – Segundo o presidente do diretório do PSL, Diego Raffide, o resultado foi fruto de um trabalho árduo. “Nossos 29 candidatos fizeram bonito e juntos conseguiram eleger a Rayane que faz um excelente trabalho no bairro Nova Esperança e adjacências, o Paulo da Gráfica, do Santa Lúcia, e o Casé, da Vila Ursulino. Tenho certeza que esses vereadores contribuirão muito com o prefeito Rodrigo Drable, que vem fazendo um excelente trabalho e comprovou nas urnas que deveria continuar”, justificou Raffide.

Veja o resultado das legendas em Barra Mansa:

 

  1. PSL –

9.777 (10,79%)

 

  1. DEM –

9.093 (10,03%)

 

  1. DC –

8.515 (9,39%)

 

  1. PSC –

7.780 (8,58%)

 

  1. PV –

7.594 (8,38%)

 

  1. PP –

7.301 (8,06%)

 

  1. PSDB –

6.345 (7,00%)

 

  1. PSD –

5.254 (5,80%)

 

  1. PRTB – 4.137 (4,56%)

 

  1. REPUBLICANOS –

3.527 (3,89%)

 

  1. CIDADANIA –

3.374 (3,72%)

 

  1. PT –

3.349 (3,70%)

 

  1. PL –

3.078 (3,40%)

 

  1. PATRIOTA –

2.829 (3,12%)

 

  1. SOLIDARIEDADE –

2.731 (3,01%)

 

  1. PSB –

2.312 (2,55%)

 

  1. PODEMOS –

1.303 (1,44%)

  1. PDT –

1.087 (1,20%)

 

  1. PTC –

837 (0,92%)

 

Fracassou – Na manhã de domingo, 15, o vereador Thiago Valério esperava por um milagre e pedia aos eleitores que votassem com consciência para escolher o novo prefeito de Barra Mansa. “Pedimos o voto útil, que não desperdicem votando em branco ou nulo. Sabemos que tem muita gente desmotivada, mas somos diferentes do que aí está hoje. Foi uma eleição muito dura, com fake news e pedimos que analisem os nossos perfis”, afirmou Thiago. Os eleitores escolheram… e não foi ele.

 

Eleito – Para quem gosta de detalhes: Rodrigo foi eleito com 43.323 votos (51,41%) e Thiago ficou em segundo, com 15.247 votos (18,09%). A diferença entre eles foi de 28.076 votos.

 

Futuro – Como ainda é vereador, Thiago terá mais dois meses de salário garantido. Depois, terá que procurar trabalho.

 

Eleitos – Ao todo, a coligação “A reconstrução não pode parar”, comandada por Rodrigo Drable, elegeu 14 dos 19 vereadores da Câmara de Barra Mansa, com um total de 20.295 votos. Vejam a nova base do governo para 2021: Furlani (PSDB), Marquinho Pitombeira (DEM), Rayane Braga (PSL), Deco (PSC), Paulo Chuchu (DEM), Jefferson Mamede (PSC), Pissula (PV), Paulo da Gráfica (PSL), Daniel Maciel (PP), Paulo Sandro (DC), Casé (PSL), Cristina Magno (PP), Luciana Alves (DC) e Dr. Eduardo Pimentel (PV).

 

Fora – O vereador Gilmar Lelis – ex-aliado de Rodrigo Drable, hoje na oposição ao prefeito e que foi responsável pelo maior ‘auê’ da política local – não se reelegeu. Rodrigo deve estar rindo até hoje. Lelis (Cidadania) até que foi bem votado, com 974 votos. Mas que perdeu a cadeira, isso ninguém pode negar. Vai sair em dupla com Thiago Valério à procura de emprego.

 

Fracassos – Outros que vão ficar sem cadeira para sentar em 2021 são Roberto Beleza (PSC), que obteve 1.294 votos; e, Luiz Antônio Cardoso (DEM), atual presidente do Legislativo, que obteve 1.004 votos. Um dos dois ou ambos podem ocupar uma secretaria no futuro governo Drable. Quem viver verá.

 

Corre, corre – Elias da Corbama, coitado, apesar de ter tido 759 votos pelo DEM, não terá uma cadeira no Legislativo em 2021. Terá que correr atrás do prejuízo… Ou melhor, atrás de Rodrigo Drabl,e para ganhar, quem sabe, a secretaria de Esportes no futuro governo.

 

Sem show – Zélio Show, ainda vereador, será outro que vai depender de Rodrigo Drable se quiser ficar fazendo shows em Barra Mansa. O rapaz, que colocou o prefeito em uma fria sem tamanho, não se reelegeu, pois obteve apenas 673 votos pelo Republicanos.

 

Micou – O polêmico Júlio Esteves, candidato pelo PRTB, fracassou em tentar voltar à Câmara de Barra Mansa, com mandato, para continuar atazanando a vida do prefeito Rodrigo Drable, seu ex-amigo. Com apenas 256 votos, Julinho só poderá assistir às sessões do Legislativo local. Sem dar pitacos.

 

Sumiu – No início da apuração em Barra Mansa, houve quem apostasse na eleição do Mágico Gustavo, do PSDB. Como o rapaz só obteve 100 votos, os restantes devem ter sumido como em um passe mágica. Brincadeirinha, hein, gente.

 

Verde – Lia Preto, do PV, deve estar vermelho de raiva, com os 105 votos que obteve nas urnas. Depois de dois mandatos como vereador, Lia vai amargar uma suplência. Terá que torcer para que Pissula, verde como ele, eleito com 1.391 votos, seja chamado para assumir alguma secretaria no futuro governo.

 

– O polêmico Tô que Tô deve estar ‘p…” O rapaz, que passou os últimos meses atirando pedras em Rodrigo Drable, não se elegeu para a Câmara. Mas, pensando bem, até que foi bem, pois conseguiu arrancar 694 votos das urnas. Conseguiu quase três vezes mais que Julinho Esteves, cara culto, muito conhecido.

 

Zerados – Zé Carlos (PSD), Jordana Oliveira (PSD), Malu Medeiros (PTC), Celia Vieira (Podemos) e Roberta (PL) conseguiram a proeza de saír virgens das urnas. Não tiveram nenhum voto, nenhum mesmo. Ou seja, nem eles votaram neles.

 

Quase – Wellington Pires criou tanta polêmica em Barra Mansa em seu primeiro mandato que os eleitores resolveram deixá-lo de, digamos assim, castigo, e não o reelegeram como candidato do PL. Apesar dos 846 votos, Wellington ficou com o pires na mão.

 

Cinema – Fátima Lima, prefeita em exercício, liberou o funcionamento dos cinemas em Barra Mansa.

 

Salários – A Lei 4867, já em vigor, estabelece os salários do próximo prefeito de Barra Mansa, da vice-prefeita e dos secretários que vão compor o novo governo: serão de R$ 15.480 para o prefeito e R$ 7.740, para a vice-prefeita e secretários.

Deixe uma resposta