É arriscado

Pollyanna Xavier

Apesar dos resultados positivos da vacinação contra a Covid-19, abandonar o controle da transmissão autorizando eventos que geram aglomerações pode custar caro aos prefeitos. É que o avanço da variante Delta ainda preocupa os especialistas, que veem na nova cepa um risco de a doença voltar em alta escala. O Rio, por exemplo, é o estado com o maior registro da variante no Brasil, com 907 casos até 31 de agosto. O número indica um salto de 86% dos casos sequenciados, segundo o mapeamento da Rede CoronaÔmica de vigilância genômica da SES-RJ. Em linhas gerais, o fim da pandemia ainda não está próximo.
Os dados estão no boletim epidemiológico que o Estado divulga semanalmente aos municípios e que serve de termômetro para guiar as ações dos prefeitos. O problema é que, com o avanço da vacinação e um número cada vez maior de pessoas imunizadas, eles têm relaxado as medidas de proteção, confiando que, com a vacina, a pessoa não voltará a se infectar. O entendimento das autoridades sanitárias, porém, é justamente o contrário: o vacinado pode se infectar, sim, e o risco de um agravamento do quadro é menor, mas a possibilidade de evolução para óbito jamais deve ser descartada.
A prova disso aconteceu essa semana com a morte do cardiologista Hiroshi Matsuda, 69 anos. O médico morreu na noite de quinta, 2, no Hospital da Unimed, onde estava internado com Covid. Ele se infectou mesmo depois de ter tomado as duas doses da vacina. A mulher de Hiroshi, Marta Matsuda, saiu da UTI, mas ainda está internada e também tinha tomado as duas doses da vacina contra a Covid. “A vacinação não significa abandonar as medidas de proteção. O vírus é mortal, agressivo e, dependendo do organismo, pode quebrar a barreira de proteção da vacina e causar danos maiores, inclusive a morte”, alertam especialistas.
Eventos e festas
Casos como o do cardiologista de Volta Redonda não são comuns – representam 2% da população imunizada –, mas não devem ser ignorados. A liberação de festas e eventos públicos nos municípios pode trazer prejuízos tanto para a população quanto para os governos. Em Volta Redonda, o prefeito Neto comemora o avanço da vacinação e a queda das internações. Baseado nisto, já anunciou que vai apoiar a realização de uma exposição de cavalos na Ilha São João, inicialmente prevista para setembro, com shows e diversas atrações.
Em Barra Mansa, a situação é semelhante. Essa semana, as entidades empresariais e a prefeitura divulgaram a volta do ‘Domingo de Compras’ – um evento que reúne centenas de barra-mansenses na Avenida Joaquim Leite para que todos possam fazer compras no comércio local. A programação prevê a abertura das lojas às 8 horas (vai até às 18 horas), barracas de alimentos, ambulantes regularizados (com alvará), brinquedos infláveis e ainda um torneio de basquete 3 x 3. O último ‘Domingo de Compras’ foi realizado às vésperas do Natal de 2019 e desde então o evento foi suspenso por causa da pandemia. “O modelo de organização não vai gerar aglomeração (…) não serão feitos eventos que aglomeram”, garantiu o prefeito Rodrigo Drable.
Segundo ele, o objetivo da volta do ‘Domingo de Compras’ é “movimentar o comércio”, que foi um dos segmentos mais prejudicados pela pandemia. “A economia tem que girar para a manutenção dos empregos. Conviveremos com esse mal (Covid) por muito tempo, e se os cuidados consigo próprio não forem feitos, o risco subsistirá. É uma equação que, para fechar, depende do bom senso de cada um, aliado ao compromisso individual dos cuidados e higiene”, pontuou o prefeito.
Em entrevista ao aQui, Drable destacou o avanço da vacinação e sugeriu que as pessoas que não se sentirem seguras não compareçam à avenida. “As pessoas que são vulneráveis, ou se sentem assim, não devem ir”, alertou. “Mas não dá para parar a vida (…) eu não autorizei o funcionamento de boates ou aqueles que geram aglomerações em ambientes confinados, mas evento na avenida, local aberto, com exigência de máscaras, eu não vejo problema”, pontuou, lembrando que, mesmo com todo o esforço em orientar a população sobre os riscos da Covid, a população continua indo às ruas e lotando as calçadas de Barra Mansa. “No domingo, teremos as ruas para as pessoas caminharem com distanciamento”, ressaltou.
A volta do ‘Domingo de Compras’ de Barra Mansa foi anunciada na terça, 31, pela prefeitura, Aciap e CDL do município. O evento, na verdade, servirá para fechar a Semana da Pátria – uma campanha de estímulo ao consumo que acontecerá a partir da próxima segunda, 6, e se estenderá até domingo, 12. “Estamos vivendo um momento em que a vacinação continua avançando (…) é hora de começar a realizar eventos que fortaleçam a economia local e agreguem ao consumidor e sua família oportunidades de boas compras, com descontos atrativos, entretenimento esportivo e lazer”, justificou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Paccielo.
Os dirigentes da Aciap e da CDL, claro, acompanharam Paccielo. “O Domingo de Compras, com preços diferenciados, lazer e entretenimento será uma excelente oportunidade de reunir a família”, crê o presidente da Aciap, Matheus Gattás, ignorando a pandemia. “Esse Domingo de Compras será especial, pois envolve, além do comércio, a realização de um sensacional evento esportivo. Marca um novo recomeço”, acompanhou Leonardo dos Santos, presidente da CDL.

Basquete
O tal jogo de basquete – uma das atrações da Semana da Pátria – será disputado na modalidade 3×3 em uma quadra aberta, que será improvisada na Avenida Joaquim Leite, durante o ‘Domingo de Compras’. Será a partir das 8 horas e dividido em quatro categorias: masculino sub-18, sub-23 e adulto, além do feminino geral. Cada partida terá duração média de 10 minutos, vencendo o time que atingir 21 pontos primeiro ou estiver vencendo ao final do tempo. Para participar, os interessados devem montar seu time (três titulares e um reserva) e fazer a inscrição de todos os jogadores através do link linktr.ee/smjelbm. É necessário preencher com nome completo, data de nascimento, e-mail e telefone. A inscrição é gratuita e não há exigência de vacinação. Um perigo!

Deixe uma resposta