Bomba-relógio

Vinícius de Oliveira

Neném diz que Paulinho do Raio-X deve depor até o dia 12 de maio

O caso do vereador Paulinho do Raio-X virou uma verdadeira bomba-relógio dentro da Câmara de Volta Redonda e, quando estourar, pode mandar pelos ares o sonho de reeleição de alguns políticos. Desde que o aQui revelou com exclusividade que Paulinho teria citado dois vereadores da oposição (Neném e Carlinhos Santana) em um de seus depoimentos, um sinal de alerta disparou no plenário do lado oposto ao prefeito. Agora, após vazamento de outro vídeo no qual Samuca pergunta sobre a participação de Granato nos processos de impeachment que não prosperaram, a oposição, amedrontada, dá mostra que vai se unir para salvar Paulinho do Raio-X da degola.


Não à toa, praticamente nenhum vereador da oposição esteve presente na sessão de quarta, 30, que votaria a denúncia apresentada por Rodrigo Furtado contra Paulinho. De acordo com o presidente da Câmara, a ideia não é impedir a cassação do parlamentar, mas, sim, garantir a ele um julgamento político justo. “Quem deu entrada [na denúncia] foi a situação, antes mesmo de concluir a CPI. Nem Sidnei [Dinho], que é relator, e nem Fernando Martins apoiaram. Ele [Rodrigo Furtado] entrou sozinho”, disse Neném, colocando em dúvida os motivos pelos quais Furtado protocolou a denúncia. “Agora vamos esperar que até dia 12 (de maio) o Paulinho possa depor. Todos os depoimentos estão sendo muito questionados”, ponderou.


Os vereadores da situação também não querem arriscar, já que eles têm apenas um voto a mais para garantir a cassação do mandato de Raio-X por quebra de decoro parlamentar. E como dois estão doentes (Conrado e Mineirinho), o consenso entre a maioria foi ficar em casa. Além disso, o juiz aposentado Francisco Chagas, suplente de Rodrigo (que não vota e tem que se afastar por ser autor da denúncia, grifo nisso), não pôde comparecer à sessão de quarta, 30, por ser do grupo de risco da Covid-19. Sem contar que seu voto é um mistério.


Desta forma, a discussão foi adiada para a próxima semana. E é exatamente essa demora que tem tirado o sono de Furtado, novamente aliado a Samuca. “Tudo isso aconteceu nessa legislatura, então o correto é resolvermos essa questão ainda nessa legislatura”, explicou.


Questionado sobre o motivo pelo qual Dinho e Fernando Martins não o acompanharam no relatório da CPI, Furtado explicou que os dois preferiram evitar um desgaste. “O autor da denúncia precisa se afastar e não poderá participar da votação, pois sua opinião obviamente já estaria contaminada. Sendo assim, além de chamar o meu suplente, teríamos que convocar também os dos outros que assinassem”, argumentou.


Só que não é bem assim. Recentemente, Dinho contou ao aQui que não assinou a denúncia encabeçada por Rodrigo por ter um posicionamento imparcial e independente. “Eu não vou na cabeça de ninguém. Sigo apenas a minha cabeça e o que acho certo. Então não peço para assinar nada de ninguém”, disparou o relator da CPI que investiga Paulinho.


Em entrevista exclusiva ao aQui na manhã de quinta, 30, Furtado informou que os vídeos vazados à imprensa até o momento são apenas a ponta do iceberg. “Tem muita coisa séria para vir à tona ainda. Eu não posso dizer o que é porque envolve muita gente”, comentou, referindo-se a outros vereadores. “Se a gente anuncia, pode atrapalhar as investigações. Mas você pode ter certeza, não estaria protocolando denúncia contra Paulinho se não fosse sério e se não tivesse provas suficientes”, argumentou.


Rodrigo lamentou o fato de vereadores da oposição estarem duvidando da lisura de seu trabalho. “Eles não viram os vídeos que nós da CPI vimos. Eles não tiveram acesso aos depoimentos que nós tivemos. Por isso vou pedir aos órgãos competentes, que exigiram que mantivéssemos tudo em sigilo, a autorização para dar publicidade aos depoimentos, assim não restarão mais dúvidas”, avisou, aproveitando para reafirmar: “Ainda tem muita coisa para vir à tona”.

Deixe uma resposta