Bate bola – Sergio Luiz

A foto é do primeiro time da história do Volta Redonda F.C., e que derrotou o Botafogo, de virada, por 3 a 2, no seu primeiro jogo oficial pelo Campeonato Carioca de 1976.

Em pé da esquerda para a direita: Waldir Appel, Aluísio, Paulão, Fred, Fernando, Zé Maria e Chico (Massagista). Agachados: Jorge Cuíca, Mauro, Acelino, Ademir Socadinho e Paulo César (espanta neném).

 

Enverga, mas não quebra

O bordão foi pinçado pelo saudoso jornalista, Oscar Cardoso, braço direito do prefeito Neto. A frase resume bem a história dos 45 anos do Voltaço, o tricolor de aço. Tudo começou no dia 9 de fevereiro de 1976 e ao longo dos anos acumulou alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, acessos e rebaixamentos. Em diversas vezes, muitos chegaram a pensar que o clube iria falir. Entretanto, a paixão criada em torno do Voltaço, fazia com que torcedores não deixassem que ele morresse.
Nesta edição, gostaria de citar alguns nomes desses abnegados torcedores, como os que frequentavam a famosa Boca Maldita, que se reuniam em frente à Padaria Mollica. Ali, eles decidiam o que fazer para manter o clube em atividade. Desde conseguir recursos, contratar e demitir treinadores. Tinham força até para escolher e tirar presidentes.
Lembro do Mutirão do Voltaço, em 1986, criado em um dos momentos mais difíceis da sua história. O clube havia sido rebaixado, estava prestes a acabar. Reunimos ex-presidentes, ex-diretores, torcedores e jogadores, que lotaram a Câmara de Vereadores e salvaram o clube com ações sugeridas na reunião.
Havia um respeito mútuo entre a torcida e a imprensa e o Voltaço chegou a ser o clube do interior com a maior cobertura de suas atividades. Eram três rádios, mais de cinco jornais, duas TVs, entre outros.
Poderia citar alguns dos bons momentos da história do clube, como a vitória de virada sobre o Botafogo por 3 a 2, na estreia do carioca em 1976. Ou o de ter se tornado campeão do returno do estadual de juniores em 1983, o que levou o time a representar o Rio de Janeiro no brasileiro de seleções em 1984, onde conquistou o vice-campeonato. Lembro do Bingão do Voltaço, que sustentou o clube por um bom tempo. Tem ainda o título de campeão da série B do estadual de 2004, ganhando, em 2005, a Taça Guanabara, sagrando-se vice-campeão estadual. Foi uma invasão da febre amarela. Marcaram a história do Voltaço o título de campeão invicto da série D em 2016, conseguindo o acesso para a série C.
Não vou relembrar os piores momentos. Temos que comemorar os 45 anos de existência e parabenizar a todos que doaram parte de suas vidas ao Voltaço, como presidentes, dirigentes, torcedores e jogadores. Parabéns, Voltaço!

.

Chegada
Estão de volta para reforçar o Voltaço, o lateral Luiz Paulo, ex-CRB-AL; o goleiro An-drey Ventura, 27 anos, que disputou a série C em 2017; o volante Guilherme Eulálio, que estava emprestado ao Aimorés-MG.

Saindo
O goleiro Douglas Borges, que estava emprestado ao CRB-AL, acertou com o Novo Horizontino (SP) e não retorna mais ao Voltaço. O volante Marcelo, que está no Operário-PR, ainda não se decidiu.

Amistosos
No primeiro amistoso com times profissionais, o Voltaço foi derrotado pelo Resende, por 1 a 0. Hoje, sábado, 13, o técnico Neto Colucci terá mais um amistoso pela frente, contra o Taubaté, na cidade paulista.

História
O volante Jonilson vestia a camisa do Voltaço e unia a técnica com muita raça. Fora de campo, Jarrão, como é chamado, era muito querido pelo seu jeito simples de ser.  Às vésperas de um jogo contra o Vasco, Jonilson se aproximou de uma rodinha à beira do gramado e foi interpelado pelo presidente Rogério Loureiro: “E aí Jonilson, tem que dar a vida neste jogo, hein?”. Logo veio a resposta: “Presidente, pode contar comigo. Vou morrer em campo por uma vitória. Aliás, já morri sete vezes. Sou igual a um gato preto, tenho sete vidas”, disparou. Ulha! Deu para entender?

Transmissão
Depois da briga entre SBT e Rede Globo para transmitir o Carioca deste ano, a novela ganhou um novo capítulo e um novo protagonista. A Record  teve sua proposta aprovada por unanimidade pelos clubes no arbitral de quinta-feira, 11, e vai transmitir os jogos do estadual 2021. Os clubes aprovaram também o adiamento do início do torneio para os dias 6 e 7 de março.

Sub
Será realizado de 24 a 27 de fevereiro, o Rio das Ostras Soccer Cup, categorias sub 11, 12, 13, 15 e 17. O Voltaço participará do torneio, segundo fontes oficiais, representado pelo CEFAT, núcleos oficiais de escolinhas do clube, o que não deixa de ser Volta Redonda. Porém, recebemos reclamações de pais de jogadores, já que cada um terá que pagar uma taxa de R$ 800,00 para ajudar nas despesas. Ora, tem garoto, que não tem condições nem de comprar uma chuteira, onde vai arranjar este valor? É preciso que a diretoria do clube entre no circuito e reveja essa posição junto aos terceirizados, para não frustrar os garotos que querem disputar a competição. Afinal é o nome do Voltaço, que aparece nos cartazes em Rio das Ostras. Acabar com um sonho no início de carreira é covardia!

Visita
O presidente da Federação Carioca, Rubens Lopes, e o vice de eventos, Marcelo Viana, deverão visitar o prefeito Neto e, de quebra, vão visitar as obras de reforma do Raulino de Oliveira. A propósito, o estádio terá que passar por uma vistoria da entidade para ser liberado para os jogos.

Bola fora
Para o Botafogo, rebaixado para a série B, e para o Vasco, que está indo pelo mesmo caminho, apesar de ainda ter chances de se salvar. Ridículos!

Bola dentro
Para empresários, comerciantes e alguns conselheiros e torcedores, que que estão fazendo uma vaquinha para ajudar nas obras de recuperação do Raulino de Oliveira. Segundo informações de Flávio Fubá, supervisor de manutenção, e do administrador do estádio, Milton Alves de Faria, a pintura dos vestiários, das salas de aquecimento e a colocação de refletores foram completadas. Assim podemos afirmar que o Voltaço deverá estrear no próximo dia 6/7 de março, contra o Madureira, no Estádio Raulino de Oliveira.

Deixe uma resposta