Grampos

‘Reconstruindo VR’ – Equipes da secretaria de Infraestrutura trabalharam muito no último final de semana em diversos bairros promovendo mutirões de limpeza e manutenção. Usaram até retroescavadeiras e roçadeiras. Só não foram ao Jardim Normândia, onde uma criança sumiu no matagal da praça principal do bairro. É brincadeira, hein, gente? Mas que o mato pode esconder uma pessoa, isso pode. Veja a foto acima enviada por um leitor.

Templos – Na segunda, 22, ainda pensando em combate à Covid-19, representantes da Associação de Pastores de Volta Redonda estiveram no Palácio 17 de Julho. A eles, foi pedido o cumprimento do decreto nos templos, e que eles se tornem multiplicadores das medidas de prevenção entre os fiéis. Será que algum pastor da Igreja Assembleia de Deus, recentemente punida por descumprir as medidas de isolamento social, esteve presente?

Multa (I) – Uma má notícia para quem não está nem aí para as medidas de isolamento social: a Câmara de Volta Redonda aprovou na noite de terça, 23, projeto de Lei que altera o valor das multas previstas para quem não está nem aí para a Covid-19. De acordo com o secretário de Fazenda, Erick Higino, o valor da multa por interdição de estabelecimento, assim como o prazo dessa interdição, eram brandos demais. “O objetivo não é inviabilizar o funcionamento do comércio. Os estabelecimentos cumpridores da lei não podem ser penalizados em detrimento dos infratores, por isso o enrijecimento da multa e penalidades”, explicou Higino.

Multa (II) – A multa, que era de R$ 592,98, passou para R$ 5.929,80. “Em caso de interdição, os estabelecimentos deverão ficar fechados por 15 dias, e em caso de reincidência, por 30 dias, podendo ainda ter o alvará de licença cassado”, explicou Elisângela Almeida, diretora de Fiscalização de Atividades Econômicas da secretaria de Fazenda.

Lockdown – O prefeito Neto aproveitou para explicar que a multa não visa o aumento de receitas de arrecadação. “Queremos salvar vidas e vamos fechar quem estiver errado. Será uma espécie de lockdown seletivo. A conscientização de todos é fundamental, e o cumprimento das medidas restritivas nos ajuda a combater e reduzir a propagação do vírus”, afirmou o prefeito.

Permuta – Na terça, 23, a cidade do aço voltou a se destacar na grande imprensa, com direito a postagens – contra e a favor – nas redes sociais, sem contar dezenas de memes que foram criados a partir do momento em que o prefeito Neto, para surpresa geral, fez uma permuta com a Federação Paulista de Futebol: cedeu o Estádio Raulino de Oliveira para jogos do Corinthians (na terça, contra o Mirassol) e do Palmeiras (na quarta, contra o São Bento). A FPF, por sua vez, prometeu doar os equipamentos necessários para a montagem dos leitos contra a Covid-19 que estão sendo montados no anexo da FOA no Hospital do Retiro. Seriam 10 respiradores e 10 monitores. Até prova em contrário, uma boa barganha, típica de Neto.

Segurança – Em nota, a prefeitura de Volta Redonda garantiu que todo o estádio foi sanitizado antes dos jogos e depois das partidas. Além disso, os jogos do campeonato paulista teriam que seguir o protocolo “Jogo Seguro” da Federação Carioca de Futebol, que prevê a testagem de todos os atletas e comissão técnica, aferição de temperatura e disponibilização de álcool em gel em todos os ambientes.

Cancelados – Na nota, a prefeitura informou que mandou cancelar todas as partidas da Copa do Brasil que já estavam marcadas para a cidade de aço, com exceção dos jogos do Voltaço. Até aí, nada de especial. O motivo apresentado é que não caiu bem. “O motivo do cancelamento das partidas é a necessidade de reduzir a circulação de pessoas na cidade de Volta Redonda durante o período de pandemia”, alegou o Palácio 17 de Julho. Como assim? Não houve riscos com a realização dos dois jogos do ‘paulistão’ no Raulino? É melhor contar outra…

Brincadeira – A polêmica sobre a realização dos jogos motivou um leitor a encaminhar um e-mail para a redação que faz sentido. “Os prefeitos pedem ajuda dos moradores, mas aceitam a instalação de um parque de diversões ao lado de um shopping”, comparou, informando que a atração está sendo montada ao lado do Shopping Park Sul. “Em tempo de pandemia, fazemos restrição de horário de funcionamento de bares, casa de festas etc., mas o parque de diversões pode, né?”, indagou. “Restrição é legal desde que seja feita para todos os segmentos. Vamos nos policiando e tomando os cuidados”, sugeriu. O alerta serve para jogos de futebol, é claro.

Santa ignorância (I) – Os jogos do ‘paulistão’ na cidade do aço atiçaram a imaginação dos que não conhecem o Estádio Raulino de Oliveira. Muitos blogueiros, inclusive, sentaram o pau até no prefeito Neto, que estaria permitindo as ‘peladas’ e um “estádio que abriga uma Policlínica cheia de gente com Covid-19”, denunciaram. Miguel Nicolelis, por exemplo, escreveu assim no Twitter: “O jogo do campeonato paulista vai ser realizado num estádio que abriga uma Policlínica onde não existe separação nenhuma do espaço esportivo e clínico! Em lugar nenhum do mundo algo assim foi permitido! Contato direto entre jogadores/jornalistas e paciente”. Sabe nada, coitado.
Santa ignorância (II) – Outro internauta, identificado como Ricardo Fulgonim, completou postando fotos do Raulino de Oliveira e escreveu: “Fotos tiradas NESSE MOMENTO. NÃO HÁ QUALQUER SEPARA-ÇÃO ENTRE OS LOCAIS DE CIRCULAÇÃO DE JORNALISTAS ESPORTIVOS/JOGADORES E OS PACIENTES DA Policlínica da Cidadania. Esses jogos estão reunindo no mesmo local pessoas do Brasil todo com idosos e enfermos de Volta Redonda”, disse. Sabe nada, coitado.

Santa ignorância (III) – Os dois e mais alguns entendidos nem quiseram, depois, se desculpar pela gafe quando foram informados por um volta-redondense, identificado como Silvio Tavella que a policlínica não tem nada a ver com a Covid-19. “Não é bem assim meu amigo, a policlínica da cidadania fica debaixo da arquibancada (do estádio), e não tem nada a ver com a Covid. São especialidades que atendem muito bem a população, como por ex., oftalmologista. Até outubro tinha hospital de campanha lá no gramado, mas foi desativado”, esclareceu. Esse sabe das coisas.

Reação – Segundo informações do Uol, quatro das 13 cidades que têm times na elite do futebol paulista estariam com ocupação de 100% dos leitos de UTI para a Covid-19. Foi o bastante para que os paulistas começassem a criticar a Federação de Futebol (FPF) por ter doado dez respiradores e monitores para a criação de novos leitos de UTI em Volta Redonda. A polêmica ainda vai render. Segundo o UOL, a prefeitura de Volta Redonda usou o termo “contrapartida” em comunicado.

Da série ‘perguntar não ofende’ – A permuta dos jogos por equipamentos foi um bom negócio para o Palácio 17 de Julho? Só o tempo dirá…

Nomeado – O ex-vereador Fernando Martins ganhou uma boquinha no governo Neto. Foi nomeado para ser Coordenador do Banco VR de Fomento e Gestor do Fundo Municipal de Desenvolvimento, Geração de Emprego, Renda e Habitação. Ah, com data retroativa a 1 de janeiro.

Covid-19 – Na quinta, 25, Volta Redonda registrou 18 mortes pela Covid-19. Deve ter sido, infelizmente, o recorde até agora.

Vacina (I) – Há quem garanta que o prefeito Neto ficou possesso quando soube que a vacinação dos idosos de 70 anos teria que ser adiada por falta, vejam só, de vacina. Tem que punir quem calculou errado o número de doses que teria à disposição para chamar os bons velhinhos à toa. E olha que não foi a primeira vez.


Vacina (II) – A prefeitura de Volta Redonda precisa mudar o seu sistema de vacinação dos idosos contra a Covid-19, e com urgência. É o que defende o vereador Renan Cury. Motivo: todos os dias os idosos estão tendo que enfrentar filas – algumas, quilométricas – nos locais de vacinação, como mostra a foto enviada por ele ao aQui. “A fila está provocando aglomerações dos idosos e muitos estão indo aos postos sem a máscara”, disse, sugerindo que a vacinação passe a ser pelo sistema de drive-thru. Ele está certo, só não vê quem não quer ou quem não mora na cidade.

Padarias – Já o vereador Betinho Albertassi quer que o prefeito Neto mude parte do texto do decreto n.º 16.617, que estabeleceu horário de abertura das padarias para as 8 horas. Em contato com Neto, o prefeito prometeu que ontem, sexta, 26, o horário seria restabelecido. “Padarias são essenciais e, portanto, como assegurou Neto, poderão funcionar normalmente”, comemorou o vereador.

Lotéricas – O horário das lotéricas também seria modificado ontem e, em vez de só poder abrir a partir das 10 horas, voltariam ao horário tradicional das 8 horas.

Ônibus (I) – Em entrevista ao programa Dário de Paula na quinta, 25, o prefeito Neto voltou a se mostrar preocupado com uma possível superlotação dos ônibus nas linhas municipais. Disse até que o novo horário do comércio – das 10 às 19 horas – teria sido adotado para evitar o problema. “Eu acho que com isso a gente evita o tumulto nos ônibus no horário de pico”, disse.

Ônibus (II) – Deveria aproveitar e mandar a fiscalização checar a superlotação dos ônibus elétricos da própria prefeitura. Há sinais de que estariam circulando com gente em pé. Pior. Com as janelas fechadas e o ar condicionado ligado.
Hospital Regional (I) – Ao falar sobre a situação dos leitos de UTI para a Covid-19, o prefeito de Volta Redonda reclamou do fato do Hospital Regional não ser uma unidade regional. “A falta de leitos é constante. Não só em Volta Redonda, mas no estado todo, no país todo. A crise é mundial. Estávamos conseguindo levar até muito (paciente) para o Hospital Regional, que é referência Covid no estado”, disse, para logo acrescentar: “Não sei quem decidiu que a prioridade no Hospital Regional não é a população da região”, desabafou. “Isso é uma covardia com Volta Redonda, Barra Mansa, Pinheiral…”, protestou.

Hospital Regional (II) – Neto, que como prefeito comandou a construção da unidade, localizada no Roma, foi além. “Volta Redonda investiu, acreditou, como todos os municípios da região. Nós entendemos que é um Hospital Regional, um Hospital para Covid, e hoje tem 180 leitos. Vamos entrar em contato com o governo do Estado, com o governador, para que dê preferência também à população da nossa região. Estamos sentindo na pele”, avaliou. “Quando você vir as pessoas com Covid entrando nos nossos hospitais e a gente não tiver mais vagas, o desespero é muito grande”, disse.

Hospital Regional (III) – E é bom que Neto fale logo com o governador em exercício, Cláudio Castro, pois segundo informações repassadas por uma fonte, que pede que seu nome não seja revelado, o Hospital Regional está tratando até pacientes de Carangola, cidade do interior de Minas Gerais.

Hospital Regional (IV) – Mais uma da unidade: a falta de leitos para atender pacientes da região e do Estado é tanta que as camas dos médicos plantonistas estariam sendo usadas como leito para pacientes com Covid.

Hospital Regional (V) – Segundo dados obtidos pelo aQui, na noite de quarta, 24, o Hospital Regional tinha apenas 45 pacientes de Volta Redonda e 25 de Barra Mansa. Além desses, estavam internadas 14 pessoas de Mangaratiba, 7 de Nova Iguaçu, 6 de Teresópolis, 6 da cidade do Rio de Janeiro, 6 de Duque de Caxias, entre outras, e um de Carangola.

Médicos – Na entrevista a Dário, Neto admitiu que está sendo muito difícil contratar médicos para os hospitais de Volta Redonda, mesmo oferecendo R$ 3 mil por plantão. “Estamos procurando, mas o que está acontecendo no país, na região, é uma coisa muito difícil de entender. Em janeiro, pagávamos um plantão em torno de R$1.700, hoje estamos pagando R$ 3 mil e mesmo assim estamos com dificuldades de médicos”, contou.
São João Batista (I) – Indagado por Dário de Paula se a prefeitura já teria reassumido a administração do Hospital São João Batista, que estava sob intervenção judicial, Neto deu a entender que a mudança ocorrerá na próxima terça, 31. “Está devolvendo. Eu acredito que no final do mês eles (interventores) vão nos deixar e nós vamos assumir”, disse, confirmando que a administração estará a cargo de Carlos Macedo (interino), com a ajuda de Deley, ex-deputado federal, hoje assessor especial do Palácio 17 de Julho.

São João Batista (II) – Segundo Neto, o engenheiro Sebastião Faria, vice-prefeito e que tinha sido nomeado para comandar a unidade, está fazendo tratamento médico em São Paulo. “O Faria está viajando, mas daqui a 10, 15 dias estará de volta e aí retoma o lugar dele”, disse.

RPA – A grande novidade anunciada por Neto no programa de rádio foi que ele contratou uma empresa, cujo nome não disse, para criar uma “fundação para saúde”. Ou seja, quem ainda recebe por RPA e os que forem contratados serão funcionários desta fundação. “Eu assinei um compromisso com o Ministério Público do Trabalho de que até o meio do ano eu vou acabar com todo tipo de (pagamento) RPA. Vou conseguir! Eu te garanto”, prometeu.

Carga horária – Neto disse ainda que vai mudar a carga horária de quem for contratado pela Fundação da Saúde, o que admite, não será nada fácil. “Hoje, o funcionário público trabalha 6 horas e meia, a grande maioria. Nós vamos passar para 8 horas”, anunciou, garantindo que vai mandar uma mensagem para a Câmara para oficializar a mudança. “Eu não posso mais e não tenho condições de aumentar minha folha de pagamento. Quando você diminui a carga horária, você tem que contratar mais gente e, para contratar mais gente, você precisa de dinheiro, e eu não tenho dinheiro”, justificou.

Salários (I) – Com relação ao pagamento dos salários do mês de março, Neto disse que pretende liquidar a fatura antes de terminar o mês com algumas categorias. “A minha prioridade são os aposentados, os inativos e os pensionistas”, relacionou.

Salários (II) – Para que os ‘protegidos de Neto’ possam receber seus proventos até quarta, 31, o prefeito revelou que o dinheiro seria transferido para as contas dos aposentados, pensionistas e inativos ainda ontem, sexta, 26. Motivo: o dinheiro, depois de depositado no banco, leva dois dias úteis para cair na conta. “Vai cair no dia 30 ou dia 31, no máximo!”, disse, dando a entender que alguns servidores também poderão receber seus salários de março. “Mais gente vai receber, provavelmente da Saúde”, disse. “Vamos tentar pagar todo mundo”, prometeu.

13º – “Não tenho dinheiro pra pagar. Não adianta eu enganar, ficar mentindo. Não tenho dinheiro pra pagar o 13º agora, mas vou pagar”, prometeu Neto ao ser indagado por Dário a respeito do pagamento ainda devido a muitos funcionários, especialmente cargos comissionados do governo Samuca.

Mais apertos – Neto contou também que espera pelo pior no segundo semestre de 2021. “Eu vou ter muita dificuldade no segundo semestre, porque aí já não tem mais a receita do IPTU, a receita do IPVA…”,comparou. A alternativa será, segundo ele, vender a folha de pagamento, como sempre fez. “Vamos vender as nossas contas, né? Vamos procurar um banco interessado”, disse. “Hoje nós somos muito bem atendidos, mas vamos fazer uma licitação. Esperamos arrecadar um bom dinheiro”, crê.

Creches – A respeito do fechamento das escolas e creches, defendido pela sua secretária de Saúde, Neto tentou ajudá-la na entrevista concedida a Dário de Paula. “Ontem (quarta, 24) nós tivemos uma conversa com o Cláudio, do ICT, que nos apelou para que deixasse a creche funcionar. Eu disse a ele que o decreto do governador não permite. Não fui eu que quis isso”, destacou.

Oxigênio – Provocado por Dário a falar da crise do oxigênio no Hospital do Retiro (ver páginas 14 e 15), o prefeito de Volta Redonda foi curto e grosso na sua resposta. “Sem comentários”, disparou. “Hoje nós temos oxigênio”, acrescentou.
Superfaturamento – Mais uma casca de laranja deixada por Dário a Neto: para que falasse sobre os casos envolvendo Samuca, o principal sobre o Hospital de Campanha. “Eu garanto a vocês que o Hospital foi superfaturado. Por seis meses de aluguel, pagaram R$ 1 milhão 632 mil… Se você tivesse comprado, ao invés de alugado, gastaria menos de R$ 500 mil. Isso aí é superfaturamento”, desabafou. “O Tribunal de Contas, Ministério Público Federal e Estadual estão investigando, e não foi só isso que foi superfaturado, não”, acrescentou. “Eles compraram alguns livros de matemática. Um absurdo. O que deixaram de entregar, jogaram em uma caixa, fecharam e veio tudo faltando. O que é pior, pagaram imediatamente essa compra”, revelou.

Desperdício – Tutuca, deputado licenciado e ainda secretário estadual de Turismo, teve o filme queimado ao liberar uma campanha publicitária – ‘Você pode voltar a viajar pelo Rio de Janeiro’ – de incentivo ao turismo fluminense às vésperas do “feriadão da Páscoa”. Que mico!

Feriadão em Pinheiral – Depois de participar do encontro com os prefeitos Rodrigo Drable, de Barra Mansa e Neto, de Volta Redonda, o prefeito Ednardo Barbosa adotou uma série de medidas para conter o avanço da Covid-19 em Pinheiral. As repartições públicas não funcionarão, como já era previsto, com exceção dos serviços essenciais como das secretarias de Saúde e Serviços Públicos e Centros de Referência da Assistência Social (Cras), da secretaria de Assistência Social.
As áreas de lazer, futebol e atividades esportivas não orientadas como praças e quadras de esportes serão fechadas na cidade. Mas, diferentemente das cidades vizinhas, em Pinheiral, além das igrejas e templos, as casas de festas, salões e afins vão poder funcionar, assim como as academias de ginásticas e atividades orientadas. As medidas previstas também não afetam o funcionamento dos serviços essenciais como mercados, farmácias, peixarias, depósitos de gás, assemelhados e serviços de segurança pública, que continuarão funcionando com as regras e horários estabelecidos no último decreto. Aulas presenciais e remotas das escolas municipais e privadas foram suspensas.

Comércio – Diferente de Volta Redonda e Barra Mansa, que manterão o comércio funcionando das 10 às 19 horas, em Pinheiral, o funcionamento será de segunda a sábado, das 9 às 18 horas. Os bares terão seu horário reduzido, podendo funcionar sem música ao vivo, só até às 21 horas, com tolerância até às 22 horas. Os restaurantes terão dois horários: das 11 às 14 horas e das 18 às 21 horas. Ser-viços de delivery poderão funcionar até às 22 horas.

Fiscalização – Durante o ‘feriadão da Páscoa’, até 4 de abril, a força-tarefa da prefeitura de Barra Mansa vai trabalhar dia e noite para fiscalizar o comércio, bares e restaurantes, igrejas, academias e áreas públicas e de lazer. O secretário de Ordem Pública, William Pereira, resumiu a ação. “Vamos atuar para evitar aglomerações”.

Fiscalização (II) – De acordo com a coordenadora da Gerência de Fiscalização de Posturas, Dayanne Bonifácio, as ações serão mais rigorosas. “O nosso objetivo vai ser interditar e multar os estabelecimentos que não estiverem de acordo (com as medidas adotadas). Faremos tudo o que for preciso para que a curva de infecção da Covid-19 em nossa cidade diminua”, crê. Ah, denúncias podem ser feitas pelo em (24) 3028-9369 e 3028-9339.

Vacinas – A prefeitura de Volta Redonda espera receber mais doses de vacina contra a Covid ainda na segunda, 27. Se acontecer, vai reiniciar a vacinação dos idosos de 70 anos, que foi paralisada na tarde de quinta, 25, e continuar aplicando a segunda dose em quem tem direito. Dependendo da quantidade, poderá estender a vacinação para idosos de 69 anos para baixo.

Aproveitando o feriado de ontem, sexta, 26, um morador da Rua 106 no Laranjal, em Volta Redonda, decidiu cortar uma árvore das mais antigas do bairro. Vizinhos, inconformados com o corte, tentaram de todas as maneiras fazer contato com a secretaria de Meio Ambiente local, para denunciar o fato e impedir que a árvore, centenária, segundo eles, fosse derrubada. Não conseguiram. “Era linda. Vejam como ficava florida”, denunciou uma moradora em contato com o aQui. “Já derrubaram uma no ano passado, agora estão derrubando outra. É um crime. É uma cássia antiga, berçário de animais. Nos ajudem a coibir este crime ambiental. Precisamos de árvores e não de destruí-las”, desabafou, desconfiando que a ação não tenha sido autorizada pelas autoridades do município.

Deixe uma resposta