2020 – Cancelado!!

Reviva aQui os fatos que marcaram Volta Redonda e Barra Mansa

Pollyanna Xavier

Às vésperas do ano acabar, a sensação não é de dever cumprido. Cumprimos o quê? Isolamento social? Não! 2020 foi o ano mais emblemático da última década. A pandemia do novo Coronavírus virou o planeta de cabeça para baixo, e o Brasil registrou mais de 191 mil mortos. Numa comparação hipotética, é como se 69,6% da população de Volta Redonda tivesse sido dizimada. Já na comparação com Barra Mansa, a cidade ficaria deserta e não sobraria ninguém para tomar a vacina (Barra Mansa tem 184.412 habitantes, segundo dados do IBGE). Quando se pensava que não caberia mais nada em 2020, uma nova cepa do novo coronavírus foi descoberta e a ciência ainda não sabe se ela é mais letal do que a Covid-19.
2020 foi o ano da internet, do isolamento social, da quarentena, do distanciamento, da Ivermectina, do Zoom, das lives, das aulas remotas, do álcool em gel, das máscaras, do auxílio emergencial, dos respiradores, dos hospitais de campanha, dos desvios de recursos da Saúde e de tantas outras expressões que nem imaginávamos caber no nosso cotidiano A pandemia impactou tanto as nossas vidas, emocional e financeiramente, que se pudéssemos gritar, pediríamos: “Parem o mundo, a gente quer descer!”
Mas o ano não foi só da Covid-19. Foi da política também! Se bem que temos de admitir que a pandemia impactou, e muito, a política em 2020. Para quem não se lembra, o Senado mexeu no calendário eleitoral deste ano e recomendou que os candidatos seguissem fielmente as regras sanitárias para evitar o contágio. A maioria negligenciou e o que mais se viu foi candidato abraçando e apertando a mão de eleitores nas ruas. Neto foi um deles, sorte que não pegou o vírus. Rodrigo Drable não teve a mesma sorte ao andar se abraçando a eleitores que não usavam a máscara ou a usavam no queixo, no pescoço, no bolso, menos no rosto. No resumão, valeu tudo pelo voto e casos novos da Covid dispararam.
Nesta retrospectiva, o aQui decidiu inovar. Ao contrário dos anos anteriores, em que separávamos as principais notícias por editoria, neste, achamos que cairia bem revisitar os acontecimentos que nos deixaram perplexos e amedrontados, através de uma cronologia que contassem os fatos dia a dia, mês a mês. E foi assim que nós fizemos. Dividimos os acontecimentos classificando-os como Covid e não-Covid, e o resultado é o que você vai ler a partir de agora!
A Cronologia do Coronavírus em Volta Redonda e Barra Mansa

Fevereiro
Dia 29 – O governo do Estado anunciou que o Hospital Regional iria concentrar os atendimento a pacientes com Covid-19 na região.

Março
Dia 2 – Foi confirmado o primeiro caso de coronavírus em Barra Mansa (o oitavo do estado). A paciente era uma jovem, de 27 anos, funcionária pública, que esteve na Itália (região da Lombardia), Alemanha e Portugal em férias com o marido. A moça se recuperou.

Dia 11 – Prefeitos e secretários de Saúde da região se reuniram com o (ainda) governador Wilson Witzel para definir medidas de segurança para o enfrentamento da Covid-19 em todo o estado. Foi a partir deste encontro que saiu o primeiro decreto estadual, que norteou os municípios sobre o que fazer a partir dali. Todos os prefeitos, sem exceção, suspenderam as aulas presenciais; fecharam o comércio, parques, área de lazer, cinemas e igrejas; obrigaram o uso de máscaras faciais e limitaram a circulação de pessoas em locais com possibilidade de aglomeração (bancos, supermercados, farmácias, etc.). Hospitais cancelaram cirurgias eletivas, terminais rodoviários foram fechados, ônibus coletivos foram impedidos de circular; empresas passaram a dispensar funcionários que pertenciam ao grupo de risco e a população, por um curto período de tempo, permaneceu em casa. Prefeituras passaram a lavar calçadas, ruas e abrigos de pontos de ônibus com saneantes. A pandemia atingiu a região.

Dia 16 – As escolas públicas e particulares de Volta Redonda e Barra Mansa suspenderam as aulas devido ao risco de contágio da Covid-19.

Dia 20 – Volta Redonda registrou 86 casos suspeitos da Covid e o Estado lançou uma campanha para combater, além da Covid-19, as fake-news. Muitas mensagens falsas circulavam nos grupos de whatsapp confundindo a população e levando orientações contrárias àquelas divulgadas pelas autoridades sanitárias. Até álcool gel caseiro ensinavam a fazer. Neste mesmo dia, o prefeito Samuca Silva mandou fechar o comércio de Volta Redonda e instalou barreiras sanitárias nas entradas da cidade. Em Barra Mansa, Rodrigo Drable também fez o mesmo. Somente cidadãos com veículos emplacados no município podiam entrar e sair sem ser parados. Os demais, tinham que comprovar a necessidade de entrar na cidade.

Dia 21 – Volta Redonda registra a primeira morte por Covid: um homem de 66 anos que estava internado no Hospital São João Batista. Dois dias depois, a irmã dele, de 67 anos, também morreu de Covid no mesmo hospital.

Dia 24 – Samuca anunciou a criação de um Hospital de Campanha no gramado do Estádio Raulino de Oliveira. A estrutura teve 114 leitos e ficou em pé por apenas seis meses, até ser desmontada pela prefeitura em setembro. O saldo de quantos salvou é desconhecido; o número de mortos também.

Dia 26 – A CSN dispensou estagiários, aprendizes menores de 18 anos e colaboradores acima de 60 anos portadores de doenças crônicas. O total de trabalhadores que se enquadrava nesta medida chegou a dois mil. A empresa também fez uma doação de quase R$ 1 milhão à prefeitura de Volta Redonda para ajudar na montagem do Hospital de Campanha.

Dia 30 – O ainda governador Wilson Witzel anunciou a construção de nove hospitais de campanha em todo o estado do Rio. A empresa contratada para cuidar da implantação e gestão das unidades provisórias foi o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) – uma Organização Social que estava proi-bida de disputar (licitação) na cidade do Rio por dois anos, em razão de irregularidades financeiras e adminis-trativas em UPAs da capital. O contra-to foi de R$ 835,8 milhões. O valor, convenhamos, era mais que suficiente para construir nove hospitais permanentes em vários pontos do estado. O contrato emergencial foi realizado sem licitação por conta da declaração de calamidade pública. E deu no que deu. Wilson foi afastado, e vários integrantes de sua equipe de Saúde foram presos.
Abril
Dia 1 – O prefeito Rodrigo Drable decretou estado de calamidade pública em Barra Mansa, devido à situação de emergência provocada pela Covid-19.

Dia 10 – Volta Redonda promoveu o Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza. Pela primeira vez, a vacinação aconteceuem sistema drive thru. A fila de carros dava voltas nas ruas próximas às unidades de saúde. Muitos aposentados acharam que tomando essa vacina estariam imunes contra a Covid. Não estavam!
Neste mesmo dia, o ex-presidente do Barra Mansa F.C, empresário Mário Pinguilim, morreu de Covid, aos 62 anos.

Dia 13 – O Hospital Regional aguardava a remoção de nove corpos de pacientes da baixada e do grande Rio que morreram de Covid entre os dias 10 e 12 na unidade. Os corpos estavam ensacados e dispos-tos em leitos comuns aguardando transporte funerário, pois o morgue estava lotado. A informação foi divulgada pelo aQui com exclusividade.

Dia 15 – O Hospital Regional recebeu um contêiner frigorífico para armazenar corpos de possíveis vítimas da Covid-19.

Dia 16 – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro. Após sua saída, vários prefeitos fluminenses receberam uma circular do comando da 1ª Região Militar solicitando informações sobre a capacidade instalada dos cemitérios municipais. O ofício causou pânico na população e preocupação entre os prefeitos.

Dia 22 – O Conselho Nacional de Justiça denunciou o aumento no número de casos de violência doméstica durante o isolamento social. Diante dessa informação, a OAB-RJ oficiou ao TJ-RJ um pedido para que as Medidas Protetivas de Urgência já existentes fossem prorrogadas automaticamente com prazo indeterminado.
Dia 27 – A prefeitura de Volta Redonda perdeu o controle de boa parte dos 161 leitos da Covid-19 espalhados pelos hospitais e unidades de saúde do município. Uma decisão da Justiça assegurou a gestão administrativa dos leitos ao Governo do Estado. Na prática, significou que os pacientes do Rio ou de qualquer cidade fluminense que precisassem de leitos, poderiam ser transferidos para um dos hospitais públicos de Volta Redonda. Em maio, o HSJB chegou a receber pacientes da baixada e Grande Rio. Isto aconteceu até que os hospitais de campanha da capital fossem ‘inaugurados’.

Maio
Dia 7 – Samuca Silva ameaçou impedir a circulação de ônibus intermunicipal dentro de Volta Redonda. A medida fazia parte das ações de enfrentamento ao Coronavírus. Neste mesmo dia, a Central de Regulação do Estado do Rio divulgou ter 1.115 pacientes à espera de um leito para tratar a Covid. Deste total, 323 eram para leitos de UTI.

Dia 11 – O comércio de Volta Redonda reabriu suas portas depois de quase dois meses fechado por determinação do prefeito Samuca e muita pressão dos comerciantes. Neste mesmo dia, Samuca decretou luto oficial pelas mortes da Covid-19, que perdura até hoje, sem data para terminar. Por conta disso, as três bandeiras (Município, Estado e Brasil) que ficam em frente ao Palácio 17 de Julho, permanecem hasteadas a meio mastro.

Dia 16 – Uma criança de três meses morreu de Covid no Hinja. Foi a vítima mais nova que Volta Redonda registrou durante a pandemia.

Dia 19 – Os shoppings de Volta Redonda abriram as portas, mas fecharam em menos de 48 horas. Neste dia, a cidade registrava mais de mil casos suspeitos da Covid, quase 780 positivos e 25 mortos.

Dia 22 – Por decisão da juíza Anna Carolinne Licasalio da Costa, da 1ª Vara Cível de Barra Mansa, o comércio da cidade teve que fechar. A reabertura ocorreu no dia 29 de maio.

Dia 29 – O Portal da Transparência Cartorária incluiu Volta Redonda na lista de cidades brasileiras com mais de 150 mil habitantes, e com maior número de mortes por Covid-19. Os dados, porém, não batiam com os divulgados pelo prefeito Samuca, e este passou a criticar o aQui por divulgar a estatística cartorária, que é oficial.

Junho

Dia 7 – Fieis assistiram, pela primeira vez, um culto em sistema drive in na Ilha São João. Durante a cerimônia, os ouvintes permaneceram dentro dos carros estacionados em frente a um altar improvisado. Neste mesmo dia, o meio cultural de Volta Redonda perdeu Paschoal Possidente, presidente do Gacemss. Paschoal morreu vítima da Covid-19 aos 70 anos.

Dia 19 – A Organização Social Associação de Proteção à Maternidade e Infância de Matuípe – que administrava o Hospital Regional – anunciou que não admitiria mais pacientes de Covid na unidade. O motivo era financeiro: a OS não recebia pagamento do estado havia três meses. A dívida chegava a R$ 10 milhões. Outra empresa que também não recebeu pagamento pelos serviços prestados, foi a White Martins, que fornecia oxigênio para o Hospital.
Dia 29 – O prefeito Samuca Silva assinou um convênio com a UFRJ (que foi escondido do aQui, grifo nosso) para uso do nitazoxanida (Anitta) em pacientes infectados com Coronavírus. A universidade foi representada pelo médico Edmilson Migowsky, pesquisador do antifúngico no tratamento da Covid-19. Mais tarde a UFRJ emitiu nota dizendo que não tinha nada a ver com a pesquisa. Descobre-se que o convênio foi assinado, na verdade, pela Coppe (empresa de engenharia da UFRJ). O documento também foi escondido do aQui

Julho
Dia 15 – O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, emprestou a Volta Redonda seis aparelhos respiradores para uso em pacientes internados com a Covid-19. Crivella fez uma compra de 804 novos respiradores assim que assumiu a prefeitura do Rio e estes equipamentos foram entregues em plena pandemia. Com excesso, ele substituiu os novos pelos velhos e saiu emprestando os respiradores antigos para várias cidades fluminense. Se funcionaram ou não, é outra história.

Dia 19 – O governo do Estado determinou a retomada das aulas presenciais em todas as escolas estaduais. A decisão foi tomada de maneira unilateral – sem a participação do Conselho de Educação, muitos menos do Sindicato dos Professores.

Dia 21 – O juiz André Aiex permitiu a reabertura das academias na cidade do aço, mas Samuca preferiu aguardar que o governo estadual fizesse o mesmo em todo o estado e as academias só voltaram a reabrir em Volta Redonda no dia 5 de agosto.

Dia 23 – O artista plástico Eduardo Ermita Filho, mais conhecido como ‘Dadinho do Presépio’, morreu de Covid-19. Ele estava internado no Hospital Regional e não resistiu às complicações causadas pela doença.

Dia 29 – Morreu Vicensia Rosa Gomes, considerada a vítima mais idosa do novo coronavírus em Volta Redonda. Ela tinha 110 anos e estava internada no Hospital Regional.
Agosto
Dia 12 – A prefeitura de Volta Redonda desativou as barreiras sanitárias instaladas nas entradas da cidade. Os guardas municipais que atuavam nas barreiras foram levados para reforçar o controle de tráfego na Vila, Amaral Peixoto, Aterrado, Retiro e Santo Agostinho.

Setembro
Dia 25 – Volta Redonda confir-mou a existência de 6.611 casos do novo Coronavírus, com 212 mortes. Em Barra Mansa os números eram 2.893 casos confirmados e 157 mortos.

Outubro

Depois do início da campanha eleitoral, em 27 de setembro, pouco ou quase nada se falou do novo Coronavírus. E centenas de candidatos a prefeito e vereador saíram às ruas abraçando eleitores como se a Covid-29 não existisse.

Novembro
Dia 19 – A prefeitura de Volta Redonda atualizou os dados sobre o coronavírus na cidade. Tinham sido registrados 7. 815 casos confirmados, 25.545 notificados como suspeitos e 255 óbitos. Houve um aumento de 0,84% dos casos suspeitos depois das eleições do dia 15 de novembro. A ocupação de leitos de UTI estava em 2,94%.

Dezembro
Dia 8 – A prefeita em exercício de Barra Mansa, professora Fátima Lima, assinou um decreto que mantém as escolas do município fechadas até o final de dezembro, com retorno das aulas para 1º de fevereiro de 2021. Junto ao decreto, a secretaria de Educação elaborou um protocolo de segurança para nortear e indicar os procedimentos necessários para evitar o contágio com o Coronavírus.

Dia 11 – A Prefeitura de Volta Redonda atualizou os dados sobre o Coronavírus na cidade. Foram registrados 9.458 casos confirmados, 30.136 suspeitos e 269 óbitos. A ocupação de leitos de UTI estava em 14,7%.

Dia 14 – Por decreto, Samuca Silva restringiu o funcionamento de bares e restaurantes e a venda de bebidas alcoólicas depois das 20 horas. No mesmo decreto, proibiu a circulação de pessoas nas ruas entre a meia-noite e as 5 horas, e o funcionamento do comércio em geral das 8h às 22 horas.
Dia 15 – Morreu o empresário Sérgio Loureiro, 83 anos, vítima de Covid. Sergio Loureiro foi o fundador da Transporte Excelsior, uma das mais tradicionais transportadoras da região. Neste mesmo dia, Samuca divulgou que teria assinado com o Instituto Butantan um Memorando de Entendimento para a aquisição de cerca de 70 mil vacinas da Coronavac. A ideia é garantir as vacinas caso elas sejam autorizadas pela Anvisa e se o prefeito eleito, Antônio Francisco Neto concordar com a negociação.

Dia 16 – O prefeito Rodrigo Drable anunciou que também assinou um Memorando de Entendimento com o Butantan para a aquisição de 80 mil doses da vacina Coronavac. O sistema é o mesmo de Volta Redonda.

Dia 27 – Um levantamento do aQui no obituário online da prefeitura de Volta Redonda descobriu que 51 pessoas morreram de Covid no Hospital Regional. Todas eram moradoras da cidade do aço. Só do dia 23 (antevéspera do Natal) até o dia 27, foram 17 mortes na unidade.

 

Fatos que foram notícia além da Covid

Janeiro
Dia 11 – Cinco das nove linhas operadas pela Sul Fluminense passaram a ser atendidas pelas viações Elite, Pinheiral e Cidade do Aço. A crise no transporte público de passageiros em Volta Redonda começou em 2019 e se arrastou para 2020. Na época, Samuca prometeu fazer uma licitação para resolver o problema. Como o aQui previu, a licitação não saiu do papel.

Dia 13 – Morreu o médico cirurgião, professor do curso de medicina e diretor de Relações Institucionais da FOA, José Tarcísio Cavaliere, 79.

Dia 15 – Prefeitos da região foram informados oficialmente que a ANTT mudaria a praça de pedágio da Via Dutra de Itatiaia para Floriano, em Barra Mansa. A ideia foi debatida em reunião com técnicos da ANTT, e logo após conhecer os detalhes da proposta da agência, o prefeito Rodrigo Drable, maior prejudicado político na mudança, foi para as redes sociais para reclamar da proposta. A chiadeira deu certo e o presidente Jair Bolsonaro ligou para Rodrigo para garantir que não haverá mudança na localização da praça de pedágio.
Dia 22 – A CSN anunciou que o Instituto do Câncer do Ceará (ICC) assumiria o Hospital das Clínicas (antigo Vita). A transição, porém, ocorreria apenas em junho.

Dia 27 – O governo do Estado anunciou o projeto ‘Conjunto Penal Vertical’, que prevê a construção de um complexo de cinco prédios para presos de baixa periculosidade com capacidade para até 5 mil detentos. Um desses prédios seria erguido em Volta Redonda. Em março, o projeto foi engavetado.

Fevereiro
Dia 5 – Samuca e Maycon Abrantes romperam e o ainda vice-prefeito pediu exoneração da presidência da Cohab-VR. Neste mesmo dia Márcia Cury foi demitida pela direção da OS que assumiu o Hospital São João Batista.

Março
Dia 7 – O vereador Paulinho do Raio-X foi preso em flagrante em uma sala do Pontual Shopping, na Vila, sob suspeita de tentar extorquir o prefeito Samuca Silva. Teria pedido R$ 325 mil para não dar andamento a novos processos de impeachment de Samuca na Câmara de Vereadores. O MP e a Polícia Civil, baseados em diálogos de Samuca com Paulinho do Raio-X, divulgaram que dois outros parlamentares também estariam envolvidos no possível caso de extorsão. Na ocasião, o aQui descobriu, com exclusividade, que seriam Neném, presidente da Câmara, e Carlinhos Santana, ex-aliado de Samuca. Ambos negaram tudo. Uma CPI foi instaurada na Câmara para apurar o caso e Paulinho do Raio X foi afastado. A cassação, porém, ocorreu somente no dia 21 de agosto.

Dia 25 – O prefeito Rodrigo Drable passou a noite no abrigo municipal Centro de Lazer Feliz da Vida, na Santa Rosa, ao lado dos moradores de rua. Para que não o acusassem de fazer ‘politicagem’, Rodrigo impediu que sua equipe o fotografasse ou o filmasse dormindo no abrigo. “Não é hora de fazer política”, justificou. O abrigo foi montado provisoriamente como parte do enfrentamento do novo Coronavírus.

Abril
Dia 10 – Morreu Emiliana Marcondes de Siqueira Casagrande, ou apenas Emiliana Casagrande. Ela foi secretária de Educação durante os governos de Neto. Emiliana tinha 73 anos e estava internada no Hospital da Unimed.

Dia 28 – Samuca publicou um decreto liberando para as Associações de Moradores a instalação e o uso – terceirizado ou não – de câmeras de segurança para vigiar ruas e praças por toda a cidade. O decreto virou alvo da Comissão Permanente de Segurança Pública da Câmara, cujo presidente, vereador Sidney Dinho passou a questionar Samuca sobre a necessidade dos equipamentos. A preocupação é de que as câmeras interfiram na vida das pessoas, tirando delas a privacidade. Parece que terminou em pizza.

Maio
Dia 11 – O aQui recebeu vários áudios com mensagens de WhatsApp sobre brigas envolvendo o pastor da Assembleia de Deus, Rinaldo Silva Dias, e membros da igreja. Rinaldo foi acusado de usar a Igreja para fins políticos. Ele teria obrigado os crentes a votarem no vereador Fernando Martins, candidato a reeleição. O caso foi parar na Justiça. E o parlamentar perdeu as eleições.

Dia 12 – Os vereadores de Barra Mansa aprovaram as contas de 2018 do prefeito Rodrigo Drable, mesmo com o parecer técnico (palpite) do TCE que recomendava a rejeição. Foram 14 votos a 5, e Drable ficou livre da inelegibilidade.
Dia 17 – O Makro, rede de supermercados, fechou a filial de Volta Redonda. O grupo foi vendido para o Carrefour e a loja passou a ser ocupada pelo Atacadão.

Dia 26 – Morreu Paulo Guerra, o ‘seu Paulo’, ex-operário da CSN, ex-sindicalista e que ultimamente trabalhava ajudando os feirantes no abastecimento de suas barracas. Ele passou mal na Praça Juarez Antunes e acabou caindo no lago onde está erguido o Memorial dos Três Metalúrgicos.

Dia 29 – O prefeito Samuca exonerou 300 funcionários que ocupavam cargos comissionados na prefeitura de Volta Redonda.
Neste mesmo dia, a CSN paralisou as atividades do AF-3 na UPV. O equipamento voltou a operar normalmente no dia 19 de novembro.

Junho
Dia 1 – O Instituto do Câncer do Ceará assumiu oficialmente o Hospital das Clínicas e a unidade passou a se chamar Hospital Santa Cecília.

Dia 4 – O prefeito Samuca Silva anunciou que não seria candidato a reeleição. Meses depois voltou atrás, entrou na disputa, mas ficou em terceiro lugar, atrás de Neto e Baltazar.

Dia 10 – O Tribunal de Contas do Estado rejeitou as contas de Samuca referente ao exercício de 2018, apontando 24 impropriedades nos cálculos. Vale lembrar que o órgão só palpite, cabendo aos Vereadores decidirem pela aprovação ou não das contas, como prevê a lei.

Dia 12 – A Fundação CSN anunciou o fechamento definitivo do Recreio do Trabalhador. Segundo a Fundação, o tradicional espaço perdeu 85% dos seus associados nos últimos cinco anos.
Dia 23 – O Senado aprovou em votação remota o adiamento das eleições municipais em todo o Brasil para os dias 15 e 29 de novembro, 1º e 2º turno respectivamente. A mudança foi fruto da Covied-19.

Julho
Dia 4 – Morre em Niterói (RJ), a eterna Miss Brasil, Martha Rocha. Martha viveu em Volta Redonda por quase 10 anos e era presença marcante em várias festas e eventos da sociedade. Ela morreu aos 87 anos, vítima de insuficiência respiratória seguida de um infarto.

Dia 7 – Outra perda sentida em Volta Redonda foi a do médico ginecologista e obstetra Carlos Alfredo Elias Auad. Ele tinha 70 anos e estava internado no Hospital da Unimed.

Dia 14 – O prefeito de Barra Mansa Rodrigo Drable foi envolvido em uma operação da Gaeco (MP e Polícia Civil) que investigava um suposto esquema de propina para aprovar as contas do seu governo. A denúncia partiu do vereador Gilmar Lelis, de oposição, que divulgou um vídeo acusando o prefeito, o presidente da Câmara, Paulo Chuchu, e o também vereador Zélio Resende (Zélio Show), de terem lhe oferecido dinheiro para que votasse a favor da aprovação das contas do prefeito.
Neste mesmo dia, em Volta Redonda, o prefeito Samuca Silva sancionou a lei que estabelecia o Plano Municipal da Infância e da Adolescência (PMIA) em Volta Redonda. O plano garante políticas públicas para crianças de 0 a 10 anos e adolescentes de 11 a 17.

Dia 10 – O secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, foi preso no Rio por envolvimento em irregularidades na contratação de empresas e serviços para o enfrentamento do novo Coronavírus.
Dia 22 – Rogério Loureiro, secretário de Desenvolvimento Econômico de Volta Redonda, chegou a chorar ao pedir a Samuca que não desistisse de ser candidato a reeleição. Deve estar se lamentando até hoje.

Dia 23 – Um grupo de 12 médicos plantonistas do Hospital São João Batista pediu demissão coletivamente pelo WhastApp. Eles anunciaram que não estavam mais dispostos a fazer plantão na unidade a partir de 1º de agosto. Entre os motivos, alegavam atraso de salários e falta de medicamentos. Tudo por culpa da OS AFNE (Associação Filantrópica Nova Esperança). A saída, porém, não se concretizou porque no dia 28 de julho eles se reuniram com o prefeito Samuca, e a direção da OS e receberam a promessa de que os salários seriam normalizados. Não foram.
Dia 28 – O empresário Bruno Marini, pré-candidato à prefeitura de Barra Mansa, divulgou um vídeo se dizendo vítima de fake news e tentou provar que era um candidato ficha limpa. Na ocasião ninguém entendeu, até que em outubro veio à tona a informação, divulgada com exclusividade pelo aQui, de que Bruno teria sido condenado pela Justiça de São Paulo, em 2019, em segunda instância, por sonegação de impostos. A decisão não cabia mais recursos, porque havia transitado em julgado.

Dia 29 – Um grande estrondo seguido de um incêndio de grande proporção foi registrado na CSN. Em nota, a empresa informou a ocorrência de um incêndio na área de recicláveis As chamas foram controladas por Bombeiros Civis da CSN e apesar do susto, não houve registro de feridos.
Neste mesmo dia em Barra Mansa, a Câmara aprovou a abertura de um processo de impeachment contra o prefeito Rodrigo Drable. O pedido partiu de Marcell Castro, ex-aliado, hoje na oposição ao governo, e foi aprovado por 14 votos, com duas abstenções.
Não deu em nada.
Dia 31 – Uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, reconduziu ao cargo o prefeito Rodrigo Drable. Ele havia sido afastado da função no dia 14 de julho por ordem do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, após ser acusado pelo vereador Gilmar Lelis de ter tentado comprar votos para a aprovação de suas contas na Câmara de Barra Mansa.

Agosto
Dia 2 – Morreu Gabriel Altino Campos, um dos advogados mais conceituados de Barra Mansa. Ele tinha 88 anos e faleceu de insuficiência renal.

Dia 14 – Samuca Silva inaugurou o Centro de Inteligência e Segurança Pública (Cisp) de Volta Redonda, nos mesmos moldes do Ciosp. O Cisp funciona na antiga sede da Smel, na Ilha São João.

Dia 21 – O vereador de Volta Redonda, Paulinho do Raio-X, foi cassado por 19 votos. Paulinho foi preso em flagrante em março, tentando extorquir o prefeito Samuca Silva. Em seu lugar assumiu Marcelo Moreira, ex-presidente da CDL Jovem e ex-presidente do Lar dos Velhinhos.

Dia 25 – Samuca foi absolvido de uma queixa-crime apresentada no 3º Grupo de Câmaras Criminais, pelo presidente da Câmara, vereador Neném. O parlamentar alegava que Samuca teria atacado sua honra ao envolvê-lo no caso de extorsão praticado pelo também vereador Paulinho do Raio-X.

Dia 26 – A Justiça de Volta Redonda determinou a volta da diretoria do Gacemss, destituída desde o falecimento do seu presidente, Paschoal Possidente vítima da Covid-19 em junho. Uma assembleia do Conselho Deliberativo do Gacemss, convocada irregularmente, decidiu pela eleição irregular de uma nova diretoria. A sentença do juiz suspendeu os efeitos da reunião e o magistrado classificou como ‘usurpação’ a retirada dos cargos da diretoria.

Dia 28 – O ex-prefeito de Volta Redonda, o médico Gotardo Lopes Neto foi preso em casa por supostamente estar envolvido em corrupção no governo estadual. O nome de Gotardo foi citado pelo MPF por ter contratado a primeira-dama, Helena Witzel, para atuar como advogada em um processo de execução fiscal contra o Hinja, hospital da família do ex-prefeito, no decorrer da ação, quando outro advogado já estava constituído.
Neste mesmo dia, o governador Wilson Witzel foi afastado do cargo por determinação do STJ. O afastamento foi por 180 dias. Em seu lugar assumiu o vice Claudio Castro.

Dia 30 – Morreu Carcará, servidor da Secretaria de Administração da prefeitura de Barra Mansa. Rogério Aparecido da Silva, seu verdadeiro nome, morreu aos 59 anos.

Dia 31 – Samuca rompeu o contrato com as OS que administravam os hospitais São João Batista e Retiro. Médicos e funcionários seriam contratados pela secretaria de Saúde, temporariamente, por seis meses.

Setembro
Dia 3 – Quatro internos fugiram do Cense Irmã Asunción De la Gándara Ustara (Degase), em Volta Redonda. Um deles havia pedido para ser atendido na enfermaria e, ao retornar, ele e outros três conseguiram abrir um buraco na parede para escapar depois de pular o muro da Cadeia Pública.
Dia 4 – Começaram as convenções partidárias para lançamento das candidaturas em Volta Redonda e Barra Mansa. Em Volta Redonda, 13 nomes foram lançados como candidato a prefeito: Samuca (PSC), Neto (DEM), Baltazar (PSD), Granato (Podemos), Dayse Penna (Pros), Cida Diogo (PT), Alexandre Habibe (PCdoB), Benevenuto (Avante), Evandro Glória (Cidadania), Alex Martins (PDT), Juliana (Psol) e Mônica Teixeira (PSTU). Em Barra Mansa, 11 nomes: Alcio Pereira (PTC), Bruno Marini (PSD), Capitão Daniel de Abreu (Patriota), Jackson Emerick (SDD), Paulo César Alves (Podemos), Rodrigo Drable (DEM), Peterson (Psol), Professora Clarice (PT), Thiago Valéria (Cidadania) e Tuca (PDT).
Neste mesmo dia em Volta Redonda, Samuca mandou reabrir as portas do Zoológico Municipal, fechadas desde março para reforma. A reabertura aconteceu sem festa e sem público. As visitações ao zoo passaram a ser admitidas somente por agendamento e isto deve-se perdurar até o final da pandemia.

Dia 5 – O Juiz da 5ª Vara Cível de Volta Redonda determinou que a prefeitura e a OS Associação Filantrópica Nova Esperança (AFNE) regularizassem o funcionamento do Hospital São João Batista. O rol de reclamações na unidade foi extenso, desde a falta de insumos até o atraso no pagamento dos salários dos funcionários e médicos.

Dia 19 – O vereador de Pinheiral, Magno Vicente Ferreira, o Dr. Magno, morreu após colidir sua motocicleta com uma carreta na BR-393. Magno, que era candidato a prefeito de Pinheiral, morreu na hora. Na Câmara, sua cadeira passa a ser ocupada pela suplente Andréia Lemos, a Teka, ex-secretária de Urbanismo e Habitação.

Dia 27 – Teve início a campanha eleitoral 2020 para eleger prefeitos e vereadores.

Outubro
Dia 1º – A LIV Saúde assumiu o plano de saúde dos trabalhadores da CSN, em substituição ao Saúde Bradesco. A mudança fez com que o Sindicato dos Engenheiros e o dos Metalúrgicos acionassem a CSN na Justiça.

Dia 14 – A Band promoveu o primeiro debate com os candidatos a prefeito de Volta Redonda. Foi insosso.

Dia 15 – Caiu um helicóptero em Passa Três, distrito de Rio Claro, com duas pessoas a bordo – piloto e um passageiro. A aeronave – modelo Robinson R44, prefixo PR-ESK – tinha registro na Anac, mas estava irregular. Não houve sobrevivente.

Dia 23 – O juiz Marcelo Dias da Silva, da 131ª Zona Eleitoral de Volta Redonda, indeferiu a candidatura de Neto à prefeitura de Volta Redonda. A ação contra Neto foi movida por cinco autores diferentes, dentre eles a coligação partidária de Samuca Silva e ainda o Ministério Público. Neto recorreu ao TER e depois ao TSE.

Novembro
Dia 5 – A Associação Comercial de Volta Redonda promoveu debate entre os 12 candidatos à prefeitura do município. Novamente insosso.

Dia 6 – Moradores do Morro da Caviana no Santo Agostinho se assustaram com intenso tiroteio entre facções rivais que tentavam dominar os pontos de venda de drogas no bairro. Segundo a PM, a disputa envolveu integrantes do Comando Vermelho contra o Terceiro Comando Puro (TCP) dos bairros Vila Brasília e Verde Vale. Não houve registro de mortos.

Dia 11 – Morreu o ex-vereador e ex-deputado federal, José Luiz de Sá, 70. Ele estava internado no hospital da Unimed em tratamento contra um câncer.
Dia 14 – Na véspera da eleição, Samuca Silva inaugurou o Jardim Botânico Municipal Antonieta Barreira Cravo, cuja construção ainda está sendo finalizada na Ilha São João. O projeto foi custeado com recursos de multas ambientais, e por enquanto conta apenas com um laguinho (sem peixes), pista de caminhada (não demarcada), áreas para andar de patins e skate, vários parquinhos infantis, com brinquedos para crianças portadoras de deficiência e 14 churrasqueiras, com instalação de água, lixeira e espaço para redes.

Dia 15 – Foram realizadas as eleições municipais em todo o Brasil. Em Volta Redonda o prefeito eleito foi Antônio Francisco Neto (85.763 votos – 57,20%) e em Barra Mansa, Rodrigo Drable (43.323 votos – 51,41%). No caso de Neto, a candidatura ficou sob judice até que o plenário do TSE decida sobre sua situação. Dentre os vereadores de Volta Redonda eleitos para a próxima legislatura estão os comunicadores Renan Cury e Betinho Albertassi.
Confira o resultado das eleições para prefeito nas cidades da região:
Resende – Diogo Balieiro (54.880 votos – 82,57%)
Porto Real – Alexandre Serfiotis (5.548 votos – 38,83%)
Barra do Piraí – Mário Esteves (21.424 votos – 47,15%).
Quatis – Aluísio D’Elias (3.747 votos – 45,25%).
Rio Claro – José Osmar (6.569 votos – 58,06%)
Valença – Fernandinho Graça (16.862 votos – 46,08%)
Vassouras – Severino Dias (12.815 votos – 60,42%)
Pinheiral – Eduardo Barbosa (8.288 votos – 64,67%)
Paraty – Vidal (11.052 votos – 47,83%)
Angra dos Reis – Fernando Jordão (45.172 votos – 52,66%)
Rio das Flores – Vicente Guedes (4.806 votos – 75,35%)
Itatiaia – Dudu (8.149 votos – 44,37%). O TSE indeferiu a candidatura de Dudu e novas eleições serão convocadas em 2021, conforme agenda da Justiça Eleitoral.
Miguel Pereira – André Português (13.251 votos – 83,22%)
Piraí – Tutuca (9.919 votos – 59,07%)

Dia 19 – O juiz da 5ª Vara Cível de Volta Redonda, Alexandre Pontual, retirou a OS Associação Filantrópica Nova Esperança (AFNE) da administração do Hospital São João Batista.

Dia 22 – O Hospital São João Batista passou a ser administrado por três interventores: pelo médico Flávio Augusto de Souza Reis; por Ramiro Brandão Pudô da Silva e pelo advogado Felipe Cruz Paiva. A intervenção vale por 180 dias.
.
Dia 23 – A prefeitura de Barra Mansa realizou a prova do concurso público para o preenchimento de 1.081 vagas em diversos cargos. Mais de 18 mil inscritos fizeram as provas.

Dia 24 – A Câmara de Barra Mansa votou contra a abertura de impeachment do prefeito Rodrigo Drable. Foram nove votos a cinco (14 dos 19 vereadores participaram da sessão).

Dia 26 – A Lei do Aço foi regulamentada pelo governo do Estado do Rio. O dispositivo é a formalização de um conjunto de incentivos fiscais que serão concedidos às empresas do setor metalmecânico de todo o estado, dando a elas igualdade de condições fiscais (mesmas alíquotas) com outros estados, como Minas e São Paulo

Dezembro

Dia 1 – Sem avisar, a prefeitura de Volta Redonda transferiu a estrutura do Hospital do Idoso, que desde dezembro de 2017 ocupava o imóvel da antiga Clínica São Camilo, na Vila, para o antigo Hospital Santa Margarida, no bairro Niterói. A estrutura foi parar no quarto andar do prédio que abriga ainda a sede administrativa da secretaria de Saúde e ambulatórios para consultas com especialistas.
Dia 2 – O pronto-socorro do Hospital do Retiro teve o atendimento suspenso, depois que profissionais da unidade pararam de trabalhar por falta de pagamento. Os médicos chegaram a emitir uma carta aberta dizendo que foram informados, no início de novembro, sobre o encerramento do contrato com a OS que administrava o hospital.

Dia 4 – A assessoria de imprensa da prefeitura de Barra Mansa informou aos jornais que a “paralisação” do pronto-socorro do Hospital do Retiro teria afetado o atendimento na rede de emergência da cidade. E que a situação teria se agravado após a OS Mahatma Gandhi ter deixado a administração do Hospital do Retiro.

Dia 9 – O prefeito Samuca Silva anunciou que será candidato a deputado federal nas eleições de 2022.
Dia 14 – A prefeitura de Barra Mansa promoveu a entrega de 680 imóveis do ‘Minha Casa, Minha Vida’ localizados nos bairros Santa Isabel e Paraíso de Cima. As casas foram distribuídas às famílias que se cadastraram no programa.

Dia 16 – Ocorreu a cerimônia virtual de diplomação do prefeito Rodrigo Drable e da vice-prefeita Fátima Lima. Os 19 vereadores eleitos em Barra Mansa também foram diplomados.

Dia 18 – O ministro do TSE Alexandre Moraes, em decisão monocrática, deferiu a candidatura do prefeito eleito de Volta Redonda, Antônio Francisco Neto, e autorizou a sua diplomação. A decisão foi divulgada depois que o TSE já estava em recesso.

Dia 22 – O juiz eleitoral Marcelo Dias da Silva realizou a diplomação do prefeito Neto e do seu vice, Sebastião Faria.
Neste mesmo dia, Neto começou a divulgar os nomes que vão compor o seu governo. Confira a lista dos prováveis escolhidos para o primeiro escalão:
Sérgio Sodré – Desenvolvimento Econômico; Paulo César de Souza, o PC – Saae-VR; Therezinha dos Santos – Educação; Jerônimo Telles – Infraestrutura; Sebastião Leite – Departamento de Energia e Iluminação Pública; Anderson de Souza – Cultura; Munir Francisco – Ação Comunitária; Rafael Paiva – Comunicação; Edvaldo Silva – EPD-VR; Paulo Barenco – Transportes e Mobilidade Urbana; Rose Vilela – Esportes; Victor Hugo de Oliveira – Fundação Beatriz Gama; Maurício Monteiro, o Porreca – Subprefeitura do Retiro; Arleuse Salotto – Procuradoria (PGM); Glória Amorim – Políticas Públicas para a Mulher; Miguel Arcanjo – Meio Ambiente; Maria da Conceição de Souza Rocha, a Conceição – Saúde;

Nota da redação – Reviver os acontecimentos mais marcantes do ano só reforça o nosso respeito e os nossos sentimentos às quase 500 famílias de Volta Redonda e Barra Mansa enlutadas pela morte de seus entes. Realmente sentimos muito e desejamos um 2021 imunizado!

Deixe um comentário