Show da Furiosa

Vinicius de Oliveira

A notícia veiculada pelo aQui de que a tradicional e até então extinta Fanfarra da Escola Técnica Pandiá Calógeras voltou a vibrar seus premiados instrumentos aos sábados, nas mãos de um grupo de ex-alunos, repercutiu pela cidade do aço. Só na página do jornal no Facebook foram cerca de 35 mil visualizações até ontem, sexta, 25, com dezenas de compartilhamentos e comentários de internautas que estudaram ou não na ETPC, e que, literalmente, curtiram a ideia de rever a Furiosa em ação, mesmo que apenas em ensaios, por enquanto.
“Foi muito bacana o ensaio, vamos ensaiar bastante e tocar como antes…”, prometeu José Maria Santos no Facebook do jornal. Quem também fez questão de comentar o renascimento da ‘Furiosa’, como a fanfarra era conhecida, foi Edival Henriques. “Escola Técnica Pandiá Calógeras, meu tempo quanta recordação boa desde a época de 60 como é bom recordar”, publicou.
Até ex-professores se emocionaram com a ressurreição da fanfarra da Furiosa. Foi o caso de Dário Fernandes, que relembrou seus tempos de docente ao comentar a publicação do jornal. “Sou o Professor Dário. Que saudade! Quando será o próximo ensaio? Quero estar presente. Inacreditável, sensacional, parabéns a Todos, Deus Abençoe Vocês”, elogiou.
A repercussão foi tanta que, ao que tudo indica, a fama já subiu à cabeça dos administradores. Um deles, identificado como Durval, nem quis dar entrevista. Para se justificar, disse que “os jornais estão deturpando” o que falam. Na verdade, conforme o aQui apurou, o que tem chateado o grupo que lidera atualmente a fanfarra são aqueles que estariam surfando na boa repercussão que a iniciativa teve. “Estão querendo levar o crédito em cima da fanfarra”, confidenciou o próprio Durval, sem dizer a quem se referia. “Agora só vai sair na mídia o que os administradores permitirem, depois de reunião feita entre eles”, asseverou, provavelmente chateado com a entrevista que Emil Savelli deu ao aQui, falando sobre o orgulho de ouvir novamente as músicas que seu pai compôs para a fanfarra e mencionando a CSN, que até o momento estaria ignorando os ex-alunos da Furiosa.
O que ele não sabe é que, segundo uma fonte, a CSN está avaliando como poderá ajudar o grupo a desenvolver o projeto da fanfarra. “Eles (organizadores da fanfarra) estão se reunindo com o pessoal da ETPC”, adiantou.
Já a prefeitura de Volta Redonda, conforme reunião realizada ontem, sexta, 24, entre o secretário de Cultura, Anderson de Souza, e os representantes da Fanfarra (como mostra a foto), foi além. “Vamos ajudar no resgate da história da Fanfarra da ETPC e promover ações, como exposições de fotos, troféus e apresentações”, disse Anderson.
Ele foi além. “Eles ainda estão se organizando enquanto associação, com estatuto, etc. Abrimos o diálogo e me coloquei à disposição para juntos resgatarmos a história da fanfarra”, completou Anderson, em nome do governo Neto.

Deixe um comentário