Perigo nas ruas

Roberto Marinho

Que o trânsito em Volta Redonda não é para amador, todo mundo sabe. Basta circular pelas ruas e avenidas, tanto que o Anuário Estatístico do Detran-RJ mostra um aumento considerável no número de vítimas fatais em acidentes envolvendo todos os tipos de veículos. Em 2019, por exemplo, 16 volta-redondenses perderam a vida por conta de acidentes. No ano passado, o número de mortes chegou a 26, o que corresponde a um crescimento de 62,5%. Isso, embora o número de feridos tenha diminuído quando se compara os dois anos: em 2019, 336 escaparam da morte, mas saíram feridos. Em 2020, o número de feridos foi bem menor: 206. Ou seja, os acidentes estão mais violentos. “Foi um acidente feio”, como dizem os motoristas. No total, no ano passado, apesar da Covid-19 ter reduzido a circulação dos motoristas, Volta Redonda registrou 177 acidentes com vítimas, de acordo com o órgão estadual.
A maioria dos acidentes com vítimas – fatais ou não – envolvem os homens de 18 a 49 anos, de acordo com os dados do anuário. O levantamento também mostra que os dias mais perigosos para dirigir em Volta Redonda no ano passado foram as quartas-feiras e os sábados, com 29 acidentes em cada dia, e, pior, as sextas-feiras com 30 ocorrências. Há ainda os acidentes que ocorreram mais em um determinado horário: as colisões, por exemplo, se concentraram na parte da madrugada (28,57%) e da noite (19,67%). Já os atropelamentos ocorrem quase sempre pela manhã (15%) e madrugada (14,29%).
Mas, apesar dos números nada bonitos, Volta Redonda não é a cidade fluminense com o trânsito mais violento. Mesmo tendo a 9a maior frota do estado do Rio – com 152.647 veículos emplacados em 2020 –, é apenas a 63a cidade com mais vítimas fatais no trânsito, com uma taxa de 0,09 mortos a cada 1 mil habitantes. No sul fluminense, ocupa a 7a posição. O primeiro lugar da região é de Piraí, que tem uma média de 0,24 mortes no trânsito por 1 mil habitantes. Os 24 acidentes registrados lá em 2020 causaram 33 vítimas, sete delas fatais. Em relação ao número total de acidentes – com ou sem vítimas –, Volta Redonda fica na 58a posição no estado do Rio, e em 6o lugar na região.

Infrações
Já que Volta Redonda tem a maioria de suas vias asfaltadas, com sinalização no mínimo aceitável, e desde a abertura da Rodovia do Contorno, recebe cada vez menos trânsito pesado, fica evidente que o número de acidentes pode estar provocado pelo comportamento dos motoristas. E o número de infrações de trânsito registradas na cidade do aço em 2020, segundo o Detran-RJ, mostra um pouco disso: foram 31.303 ocorrências. A infração mais recorrente é o motorista não usar cinto de segurança, o que gerou 7.438 multas (23,8%), seguido por dirigir com o farol apagado nas rodovias, com 4.477 ocorrências (14,3%), e dirigir usando o celular, com 1.628 infrações (5,2%).
De acordo com as estatísticas do anuário, a maior parte das multas (58%) foi aplicada pela prefeitura de Volta Redonda, através da Guarda Municipal, seguido pela Polícia Rodoviária Federal (33%), DER-RJ (8%) e Detran-RJ (1%). É preciso ressaltar que alguns tipos de infrações, como dirigir usando o celular, ocorrem mais nas vias municipais, enquanto outros, como trafegar sem ligar os faróis, acontecem mais nas rodovias federais ou estaduais, nos trechos que passam por Volta Redonda. O aQui procurou a GM de Volta Redonda para saber quais as infrações mais cometidas nas ruas da cidade, mas a corporação não disponibilizou as informações.
O secretário de Trânsito e Mobilidade Urbana, Paulo Barenco, entretanto, se dispôs a conversar com o aQui e avaliou que a conduta dos motoristas acaba gerando a maior parte das ocorrências. “Infelizmente vemos que a maior parte das multas aplicadas vem de infrações que poderiam ser evitadas com (campanha) conscientização. Com a volta às aulas e a reestruturação de nossas equipes, vamos poder repensar a parte de Educação no Trânsito”, disse Barenco, acrescentando que a pasta está “reforçando a sinalização horizontal e vertical, arrumando todos os semáforos e demais ações possíveis para este momento”.

Acompanhe os acidentes pela internet
O Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (ISP/RJ) acaba de lançar uma ferramenta aberta ao público que permite o acompanhamento dos acidentes de trânsito, com informações tiradas a partir dos boletins de ocorrência registrados nas delegacias de Polícia Civil dos últimos dois anos. O ISP Trânsito permite filtrar as ocorrências que tiveram vítimas (feridos e mortos) ou geraram crimes, como dirigir sem habilitação.
Os registros da 93a Delegacia de Polícia (Volta Redonda) confirmam os óbitos de 2019 (16) e 2020 (26), registrados como homicídio culposo no trânsito. As ocorrências mostram ainda que aumentou o número de pessoas autuadas por direção perigosa, com cinco registros em 2019 e oito em 2020, um crescimento de 80%. Também explodiu o número de pessoas flagradas sem habilitação, com sete flagrantes em 2019 e 23 no ano seguinte, um aumento de 228%. O que pode ser explicado pela dificuldade em acessar os serviços do Detran-RJ, principalmente por causa da pandemia.
Mas as informações também mostram a diminuição de vários tipos de acidentes, como os atropelamentos – queda de 38 para 18 vítimas (45,4%) entre 2019 e 2020 – e dirigir sob efeito de álcool ou drogas, que teve 59 flagrantes em 2019 e 38 em 2020, diminuição de 35,5%. Que a sobriedade traga a responsabilidade necessária para diminuir o número de vítimas no trânsito de Volta Redonda.

 

Comando de Saúde

Como parte das ações da Semana Nacional de Trânsito (SNT), a Polícia Rodoviária Federal e o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador do Médio Paraíba I (Cerest) promoveram na quarta, 22, a 6ª edição do evento “Comando de Saúde” na região Sul Fluminense. A ação aconteceu na BR-393, na altura do bairro Califórnia, em Barra do Piraí. Na atividade, os caminhoneiros receberam atendimento gratuito nas áreas de saúde (médica, odontológica e enfermagem) e orientações para a segurança no trânsito. Os serviços oferecidos foram aferição de pressão, teste de glicemia, equilíbrio, avaliação odontológica, exame de acuidade visual e auditiva e vacinação (Antitetânica, hepatite B, Dupla Viral e Influenza).
A conscientização contou com o apoio do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA), e o coordenador de Promoção Social do Sest/Senat, Renan Bosoroy, explicou a relevância do trabalho para os caminhoneiros. “Esta parceria com a PRF, o UniFOA e a prefeitura de Barra do Piraí serve para orientar o motorista profissional com relação à sua saúde e prevenção a acidentes. Como estamos na Semana Nacional do Trânsito, aproveitamos a integração das instituições para reforçar os cuidados com a saúde, o trânsito e ao dirigir”, disse.

Deixe um comentário