quarta-feira, julho 17, 2024
CasaSindicalNova polêmica

Nova polêmica

Trabalhadores da Racing não receberam 2a parcela de acordo judicial

Por Pollyanna Xavier

Parece piada, mas não é. Edimar Miguel, presidente em exercício do Sindicato dos Metalúrgicos, não teria depositado a 2a parcela de um acordo extrajudicial realizado pelo G5 com a MAN, em favor dos trabalhadores da Racing – uma terceirizada da montadora que deixou a empresa no mês passado depois de quase dar um calote trabalhista em seus funcionários. O acordo foi assinado em abril e favoreceu mais de 300 trabalhadores com o pagamento de verbas rescisórias, incluindo FGTS. Os valores foram divididos em sete parcelas, e a de junho, que deveria ter sido depositada na conta dos operários no dia 3, ainda não teria sido repassada aos trabalhadores.
Segundo apurado, os valores seriam da ordem de R$ 3 milhões. Na última semana, choveram reclamações e cobranças no WhatsApp dos diretores que integram o G5, todas exigindo uma posição do grupo de oposição a Edimar sobre o pagamento. “Gostaria de saber a previsão para o depósito da segunda parcela do nosso acordo”, perguntou um operário. “Não recebi a parcela da rescisão do acordo com Volks e a Racing”, reclamou outro. “Queremos uma posição sobre o pagamento do acordo, algumas pessoas
receberam, outras não. O que aconteceu?”, questionou outro.
Pelo que o aQui apurou, cerca de 25% dos 436 contratos teriam recebido a segunda parcela das verbas rescisórias; o restante, não. De acordo com Leandro Vaz, diretor jurídico do Sindicato, o dinheiro teria sido depositado na conta de um advogado pessoal de Edimar, conhecido pelo nome de Dr. Júlio. Aos poucos, ele estaria liberando o pagamento, “mas sem critério e sem organização”, detalha Leandro, explicando que em março participou da elaboração do acordo do G5 com a Racing e foi uma vitória para os trabalhadores, já que permitiu o recebimento dos direitos trabalhistas e das verbas rescisórias.
Na época do acordo, o G5, liderado pelo então presidente do Sindicato, Odair Mariano, contratou um escritório de advocacia para gerir as negociações e facilitar o recebimento dos valores pelos trabalhadores. Porém, em abril, quando Edimar retomou a direção do Sindicato, ele rescindiu o contrato com o escritório de advocacia, criticou o acordo e tentou derrubá- lo, alegando que os trabalhadores estavam perdendo 15% dos valores, para pagamento de título de honorários advocatícios. Disse que o G5 teria agido de má-fé contratando os serviços de advogados fora do Sindicato, já que a entidade tem um departamento jurídico forte.
O problema é que, depois de dispensar os serviços dos advogados contratados pelo G5, Edimar não teria repassado o acordo para o jurídico do Sindicato gerir. O próprio Leandro Vaz, que é o diretor jurídico, garante que não teve acesso aos pagamentos. “A primeira parcela foi paga antes do prazo. Agora, a segunda parcela, depois que Edimar assumiu, está em atraso. Com o não repasse ao trabalhador, o Sindicato pode ser autuado e pagar uma multa de R$ 900 mil por esse atraso”, explicou Leandro.
Procurados, Edimar e Dr. Júlio, até o fechamento desta edição, ontem, sexta, 14, não responderam ao jornal. O espaço continuará aberto para eles se manifestarem e explicarem o caso.

ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp