‘Minha Casa, Minha Vida’

Maior empreendimento habitacional de Barra Mansa começa a ser entregue aos contemplados

 

Aconteceu na segunda, 14, a cerimônia oficial de entrega de 680 imóveis do ‘Minha Casa, Minha Vida’ localizados nos bairros Santa Isabel e Paraíso de Cima, que foram distribuídos às famílias que se cadastraram no programa. Na ocasião, foram entregues as primeiras três chaves das unidades, sendo que cada residência conta com sala, cozinha, lavanderia, banheiro e dois quartos.

Participaram da cerimônia a prefeita interina de Barra Mansa, Fátima Lima; diversos integrantes da equipe de Rodrigo Drable, que está afastado por decisão Judicial; vereadores; deputados federais Antônio Furtado e Luiz Antônio Corrêa; e o secretário nacional de Habitação, Alfredo dos Santos; além dos prefeitos de Rio Claro e Pinheiral, José Osmar e Ednardo Barbosa, respectivamente.
Fátima Lima não escondeu a emoção por comandar a cerimônia. “Tudo se torna possível quando há uma união entre força de vontade e projeto, mas também as parcerias. Se não estivéssemos todos de mãos dadas, lutando e trabalhando, esse momento não seria possível. Graças a Deus, nesses quatro anos, tivemos muito apoio e incentivos para trabalhar por Barra Mansa e esse é o resultado de um trabalho que deu certo. Uma coisa vamos garantir, nosso trabalho será ainda maior e melhor”, afirmou a vice-prefeita, que foi reeleita ao lado de Rodrigo Drable.

Representando a Presidência da República, o secretário nacional de Habitação, Alfredo Eduardo dos Santos, falou sobre a mudança no programa. “Que conquista maravilhosa. Meu pedido é que os contemplados cuidem e tratem seus imóveis com zelo. Recentemente aprovamos o projeto ‘Casa Verde e Amarela’. Seu objetivo é alcançar pessoas que vivem a realidade do aluguel, e certamente Barra Mansa será contemplada com essa iniciativa. O nosso presidente Jair Bolsonaro quer essa realidade para o Brasil e é nisso que iremos trabalhar”, ressaltou.

Uma das três primeiras a receber a chave do seu apartamento, Simone Sampaio, 47, desempregada e moradora do assentamento conhecido como ‘sem-teto’, não conteve a emoção. “Nesses momentos, a gente nem tem palavras que consigam traduzir o sentimento. É uma emoção e alegria que não cabem em mim. Estou muito grata em fazer parte desse momento e de finalmente ter uma moradia digna e minha”, comemorou.

Deixe uma resposta