‘Mea culpa’

Samuca fala sobre resultado das eleições e consequências da derrota, mas acredita que Volta Redonda terá uma nova eleição

Por dentro, lá no fundo do seu âmago, Samuca Silva (PSC) ainda deve estar se remoendo por ter perdido as eleições para o ex-prefeito Neto (DEM). Pior. Ter ficado atrás de outro ex-prefeito, Paulo Baltazar (PSD), que deixou o cargo de diretor do Hospital do Retiro, que o ainda prefeito lhe arrumou, com um bom salário. Mas, como sempre, agindo como se tudo estivesse bem, Samuca acordou na manhã de segunda, 16, para cumprir o ritual de sempre: ir para o Palácio 17 de Julho, chamar sua equipe (a maioria, de ressaca) e traçar as ações para os próximos – e últimos – 40 dias de governo.

Em entrevista exclusiva ao aQui, Samuca foi sincero, lamentou o alto número de abstenções e não deixou por menos: confessou ter errado em ser candidato. Confirma que a estratégia de anunciar que não ia tentar se reeleger e, depois, que ia para o sacrifício, só serviu para tumultuar o processo eleitoral atraindo vários candidatos, como Baltazar, que esperavam ter o apoio da máquina para derrotar um inimigo comum: o ex-prefeito Neto.

Na entrevista, Samuca contou que acredita na Justiça Eleitoral e espera que a cidade do aço tenha uma nova eleição para prefeito. Se isso não ocorrer, o ainda prefeito deixa a entender que, em termos de administração, vai ser um Deus nos acuda. “Temos que torcer para que as pessoas não sofram por conta da instabilidade que virá”, sentenciou.

 

aQui: Como avalia o resultado das eleições?
Samuca Silva: Foi uma eleição muito diferente das dos últimos anos. Novamente tivemos um número gigante de abstenção. Mais de 70 mil pessoas não votaram ou votaram branco ou nulo. Dois terços da população não escolheram o candidato que venceu. Acredito que o número de abstenção tenha a ver muito também com a pandemia da Covid-19, o novo coronavírus.

aQui: Onde o senhor errou?
Samuca: Olhando agora, depois que passou, errei em ser candidato. Eu tinha que ter me mantido da forma que acredito, contra reeleição. Mas pensei na cidade, em controlar o vírus e continuar os projetos, mas agora a cidade está em instabilidade da mesma forma. Falhei em não conseguir demonstrar à população a cidade que herdamos e que os problemas que assumi não consegui resolver todos, mas que fizemos muito. Avaliando o processo em si, fizemos uma eleição sem recursos necessários.

Acredito também que, dentro das nossas possibilidades e dificuldades, fizemos um bom governo, tendo em vista a dívida bilionária, a maior chuva da história e a pandemia. Vejo que erramos na forma de comunicar e não conseguimos passar para a população tudo o que fizemos. Mesmo com dificuldades, abrimos a Rodovia do Contorno, Hospital do Idoso, Clínica de Diálise, Hospital Regional, municipalizamos a BR 393, reabrimos o Restaurante Popular, entregamos kits escolares e uniformes na primeira semana do ano letivo, reformamos 40 unidade escolares, reformulamos o transporte de pacientes, fomos a cidade que mais gerou empregos em 2018 e 2019, abrimos o novo shopping, viabilizamos o Polo Metalmecânico, criamos mecanismos de transparência, a Controladoria Geral do Município, enfim, muita coisa.

E erramos em não conseguir passar isso para a população. Tenho certeza que daqui alguns anos isso será mudado e as pessoas vão lembrar qual prefeito conseguiu fazer mudanças estruturantes. Quem não se lembra da farra dos RPAs, por exemplo, que conseguimos acabar realizando mais concursos públicos?
Não me preparei para reeleição. Isto quer dizer que mexi nas caixas de maribondo. Quando se governa pensando em reeleição não se faz isso. Não cometi este erro, fizemos o que deveria ter sido feito. Agora é olhar pra frente!

aQui: O senhor perdeu, ou o Neto ganhou?
Samuca: Quem perdeu foi a cidade por não termos um debate em segundo turno. Foram muitos candidatos e em um segundo turno poderia ser discutido modelos de gestão. Os candidatos miraram em mim e esqueceram que muitos dos problemas encontrados não fui eu que criei, mas isto já passou. Em relação ao processo em si, eleição se perde e se ganha. É normal. Temos que esperar agora o posicionamento da Justiça Eleitoral quanto ao novo pleito em Volta Redonda. Torcer para que seja rápido e termos um presidente da Câmara de Volta Redonda coerente, maduro e disposto.

aQui: O senhor vai entrar com alguma ação para contestar o resultado da eleição? Acredita que teremos um novo pleito?
Samuca: A ação já existe. O pedido da impugnação do registro de candidatura do ex-prefeito Neto foi feito pelo Ministério Público Eleitoral e outras candidaturas. O que quis evitar é a instabilidade na cidade, pensando em salvar vidas na pandemia. Teremos nova eleição, tendo em vista a legislação vigente que impede que candidatos que tiverem contas rejeitadas possam disputar a eleição. Esse foi o entendimento em primeira e segunda instância da Justiça Eleitoral também. A eleição passou e agora temos que pensar na cidade, torcer para que pessoas não sofram por conta da instabilidade que virá.

aQui: A confusão com o Nelson Gonçalves, seu ex-secretário, que induziu o Baltazar, também ex-integrante da sua equipe, a concorrer contra o senhor, pode ter influído no resultado da eleição?
Samuca: Não vejo como confusão. Fiz o convite para que pessoas que tinham sido candidatas pudessem fazer parte do governo. Acredito que quem é candidato sempre tem algo a contribuir para a cidade. Infelizmente vimos que algumas pessoas não estavam preocupadas com a cidade e, na primeira oportunidade, deixaram o governo para ser candidato. Não me arrependo do gesto de unir pessoas por Volta Redonda, mas talvez a escolha dos atores tenha sido errada. Mas a estratégia de todos em não reconhecerem que meu governo herdou vários problemas, que não conseguiu tudo, mas não era o principal responsável, foi a pior forma de comunicar eleitoralmente.

aQui: Lamenta a postura de alguém, amigo, secretário, aliado ou político? Quem? Por que?
Samuca: Não. Como disse, eleição se perde e se ganha. O importante é que Volta Redonda não passe por um retrocesso e siga o caminho do desenvolvimento.

aQui: Gostou de saber que vários adversários não foram eleitos? Alguém em especial? Por quê?
Samuca: Não me preocupei com isso. Foquei e pensei na nossa candidatura por acreditar que, nesse momento, o melhor para Volta Redonda era a continuidade do nosso mandato. Todos perderam, até quem foi votado arranhou a sua bela história de dedicação à cidade e talvez pagará um preço no futuro.

aQui: Que lição o senhor tira de sua não reeleição?
Samuca: Toda campanha eleitoral deixa ensinamentos para a vida e, nesta, a principal é que não adianta ter o melhor governo ou discurso. Não basta reconhecer problemas e falar a verdade. Mas foi muito importante mais uma vez percorrer toda a cidade, conversar com as pessoas, conhecer as demandas mais de perto. Foi importante essa caminhada e também perceber o quanto contri-buímos para a mudança da vida de pessoas de nossa cidade.

aQui: Como serão os próximos 40 dias à frente do Palácio 17 de Julho?
Samuca: De muito trabalho. Logo na segunda-feira, dia 16, um dia após a eleição, chamei os secretários municipais para uma reunião e deixei claro nossa dedicação total até 31 de dezembro. Vamos trabalhar, como sempre, incansavelmente por Volta Redonda. Nosso foco será sempre Volta Redonda. Prova disso são os kits escolares e uniformes dos alunos que já estão comprados para o próximo ano. Contratos perto do fim serão prorrogados para que não aconteça a paralisação de serviços públicos, entre outros.

aQui: O que fará a partir de janeiro de 2021?
Samuca: Trabalhar por um Brasil melhor, onde estiver. Foi o que fiz na minha vida toda. Não sou um político de carreira e de profissão. Sou um gestor público, professor e autor.

aQui: Admite se candidatar em 2022? A qual cargo?
Samuca: Ainda é muito cedo para pensar sobre uma candidatura. Não sou, como disse, um político de carreira. Então, vamos sentar com nosso grupo, conversar e ver as melhores possibilidades e a conjuntura política. Uma coisa é certa. Eu nunca vou mentir para minha cidade e sempre vou buscar o melhor para Volta Redonda.

 

Deixe uma resposta