Grampos

Nomeado – Professor do UniFOA, o médico Júlio César Meyer foi nomeado diretor técnico do Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer, no Rio de Janeiro.

Da série “perguntar não ofende” – Qual é o endereço da sede da secretaria de Pessoas com Deficiência, que é comandada pelo vereador licenciado Pastor Washington?

Retorno – O vereador Buchecha retornou aos trabalhos na noite de 16, após contrair a Covid-19, como o aQui noticiou. Fez, inclusive, um discurso emocionado. “Infelizmente eu e a minha família contraímos o vírus, mas graças a Deus estão todos bem. Às vezes nós temos a impressão de que essa pandemia está acabando, mas ainda precisamos nos cuidar, usar máscaras, manter distanciamento. A gente precisa se cuidar”, disse. Tá mais do que certo.

Eleições 2022 – Recente pesquisa do Instituto GPP, feita a pedido da Rádio 88, continua mexendo com os nervos de quem pôde ver os percentuais de aprovação e rejeição dos principais nomes da política volta-redondense. Como ela não foi registrada no TRE, está circulando apenas à boca pequena. Logo, logo vai cair nas redes sociais. Quem aposta no contrário?

Legislativo – Pelo que o aQui descobriu, 65,9% dos entrevistados não aprovam a atuação dos parlamentares de Volta Redonda, e isso pode impactar a política local. A atuação dos vereadores, segundo a pesquisa, seria ‘irrelevante’.

Destaque – O vereador Jari, que ainda pode assumir uma cadeira na Alerj, foi o melhor avaliado dentre os 21 da Casa. Entre os vereadores de primeiro mandato, destaque para Betinho Albertassi, Renan Cury e Rodrigo Nós do Povo.

Neto (I) – Uma das grandes surpresas da pesquisa GPP/Rádio 88 foi a avaliação do governo Neto. O prefeito continua muito bem avaliado, mas se as eleições de 2024 fossem antecipadas para hoje, Neto não seria reeleito. Ou seja, terá que escolher bem seus candidatos para 2022 para não correr riscos de se inviabilizar com os ‘possíveis aliados’ para 2024.

Neto (II) – Como era de se esperar, o GPP mostra que o calcanhar de Aquiles do governo Neto é a área da Saúde. Vai mal na opinião de 43,4% dos entrevistados. É o que dá importar forasteiros para cuidar da Saúde dos volta-redondenses. Outro detalhe: os entrevistados querem asfalto, asfalto e asfalto. E, graças ao governo do Estado, o pedido será atendido por Neto já a partir de agosto.

2022 – Se Neto conseguir transferir votos para seus protegidos, quem poderá se dar bem em 2022 são Renan Cury, Munir (irmão do prefeito) e Jari. Os três, todos pré-candidatos à Alerj, levam mais vantagem com a imagem positiva do prefeito Neto.

Capitão – A pesquisa GPP/88 mostra que os políticos que se elegeram e os que querem se eleger em torno do presidente Jair Bolsonaro correm sérios riscos de ficarem de fora tanto para a Alerj quanto para a Câmara. Hermiton Moura, por exemplo, segundo a pesquisa, estaria afundando junto com o bolsonarismo. E não é só ele…

Nem que a vaca tussa (I) – O ex-vereador Washington Granato e o ex-deputado estadual Nelson Gonçalves, segundo revela o GPP, podem procurar emprego bem longe da Alerj. Isso se quiserem arriscar o pescoço em uma eleição das mais complicadas como a que teremos em 2022.

Nem que a vaca tussa (II) – Apesar de morar na 60, em um condomínio de classe média, o deputado estadual licenciado Gustavo Tutuca, que se elegeu por Piraí, não caiu nas graças do eleitor volta-redondense. Dos candidatos avaliados pelo GPP, é o que tem o pior desempenho.

Regime – Munir Neto, segundo o GPP, vai ter que perder peso e tempo… É o menos conhecido entre os candidatos avaliados.

Maldade – Uma raposa velha da política local, depois de ter acesso aos números do GPP, soltou uma pérola: “Quem conhece bem o ex-deputado Nelson Gonçalves vota preferencialmente no Jari”. E olha que eles são amigos.

Câmara (I) – Para as eleições de federal em 2022, a pesquisa do GPP mostra que o ex-prefeito Paulo Baltazar está conseguindo melhorar a sua imagem depois dos fracassos eleitorais. Só tem um detalhe: terá que escolher bem o partido a que vai se filiar para ter chances de voltar à Câmara Federal.

Câmara (II) – Quanto a Deley, o GPP indica que o ex-deputado federal vai ter que jogar muito nos campos da periferia, sempre levando Neto como técnico, se quiser voltar a morar em Brasília. E terá que solidificar o apoio que Diogo Balieiro (Resende) e Rodrigo Drable (Barra Mansa) lhe prometem.

Câmara (III) – Geraldinho do Gelo, lembram dele? O GPP mostra que ele está derretendo. 2022 pode ser pior pra ele do que foi 2018.
Governo – Mais uma pérola da pesquisa GPP/88: o governador Cláudio Castro é um ilustre desconhecido na cidade do aço. E vai ficar assim até que o prefeito Neto o ‘adote’ no seu dia a dia.

Religião – Pelos números do GPP, 34% dos eleitores volta-redondenses seriam evangélicos, contra 42,5% dos eleitores católicos.

Votos – A pesquisa mostra também que o ex-deputado estadual Edson Albertassi poderá ter papel importante nas eleições de 2022, já que mantém uma imagem positiva de 41% junto a evangélicos e católicos conservadores.

Feio – Outra pérola da GPP/88: o deputado federal Antônio Furtado está perdendo força junto ao eleitorado feminino.

Bonito – 70% dos que declararam voto em Betinho Albertassi são do sexo feminino.

Marcada – A audiência pública para debater o fim das 18 turmas de Ensino Médio da Fevre será realizada na próxima quinta, 26m, às 18h30min. Resta saber se a secretária de Educação, Therezinha Gonçalves, estará presente, pois ela acumula o cargo de presidente da Fevre.

Alfinetada – Os vereadores Sidney Dinho e Rodrigo Furtado deram algumas alfinetadas em deputados federais do Rio. É que Dinho disse que foi questionado do motivo de Rodrigo Furtado ter ido a Brasília representando a Câmara. “Eu respondi que você, Rodrigo, estava indo fazer um papel que nossos deputados não estão fazendo, que deveriam estar trabalhando para nosso município”, disparou. Para quem sabe ler…

Líder – O prefeito Neto ainda não definiu quem será o líder do governo na Câmara de Vereadores. Há quem aposte em Temponi (PTB).
Comemorou – O vereador Luciano Mineirinho, que é contador, comemorou o fim da cobrança para se emitir nota fiscal no município. “A taxa era cobrada e sempre foi um pedido nosso para que não houvesse mais esta cobrança. Como o Executivo fez uma nova licitação, não haverá mais a cobrança desta taxa”, disse. Detalhe: a cobrança foi instituída no governo Samuca, que é afilhado de casamento de Mineirinho

Deixe uma resposta