‘É um cracudo’

Homem destrói cruz da Igreja Matriz; prefeito pede volta de ex-comandante da Cia da PM

Intolerância religiosa, atentado ou vandalismo? Um homem, ainda não identificado, destruiu na noite de quinta, 26, por volta das 21 horas, uma cruz que a comunidade católica tinha colocado em frente à Igreja Matriz de São Sebastião em memória às mais de 500 vítimas da Covid-19 em Barra Mansa. As três hipóteses citadas no título acima deverão ser investigadas pela Polícia Civil, relata uma fonte do aQui. O padre René, em vídeo postado nas redes sociais, disse que a destruição da cruz pode ter sido um atentado.
O prefeito Rodrigo Drable foi um dos primeiros a se pronunciar. E falou duro. “Um vagabundo bandido atentou contra a Igreja Matriz de Barra Mansa”, disparou, revelando que colocou a Guarda Municipal em ação. “A Guarda passou a noite em ronda atrás desse safado, para prendê-lo e elucidar esse episódio horroroso”, acrescentou. Horas depois, em vídeo postado nas redes sociais, Drable anunciou a prisão do suspeito. “Foi preso o rapaz que quebrou a igreja. Usuário de droga, estava transtornado”, disse, tendo ao lado Valente, comandante da GM.
Drable foi além. Disse que ontem mesmo (sexta, 28) iria encaminhar uma solicitação do comando da 5a CPA para que o comando da unidade, responsável pelos batalhões e Cias da região, providenciasse o retorno do capitão Videira à Cia da PM em Barra Mansa. “Informações dão conta que é um cracudo, e a Guarda Municipal passou a noite atrás dele. Infelizmente, desde que o comando do 28o BPM tirou o Capitão Videira da cidade, passamos a enfrentar esse tipo de problema. Aumentou o número de arrombamentos e abusos criminosos como esse”, avaliou o prefeito. “Estou encaminhando solicitação à 5a CPA para que retorne o capitão Videira imediatamente para Barra Mansa”, informou.
Drable pode ter razão. É que desde que o capitão Videira foi afastado do comando da Cia da PM em Barra Mansa, a situação piorou em termos de segurança. Fontes dão conta, por exemplo, que os arrombamentos, furtos e casos de vandalismos aumentaram no centro da cidade, como o que aconteceu na noite de quinta, 27. “O Videira saiu de Barra Mansa porque era bem aceito na comunidade. Todo mundo gostava dele e isso, o ciúme, motivou a sua saída”, contou um empresário. Pedindo anonimato, ele revelou que vai pedir à Aciap-BM e à CDL que exijam a volta do capitão. “Com ele, Barra Mansa vivia em paz”, disparou.
Drable faz coro. “Infelizmente temos enfrentado nos últimos dias o aumento de arrombamentos e furtos noturnos. Percebemos que isso aconteceu depois da transferência do Capitão Videira. Com todas as dificuldades que a segurança pública enfrenta, tínhamos uma sensação maior de segurança com o Capitão Videira no comando da Companhia de Barra Mansa”, pontuou, em nota aos jornais. “Essa manhã (sexta, 29) já fiz o pedido para que ele volte imediatamente para a cidade. A decisão que tomaram, de tirá-lo, que fui contra desde o início, deixou claro que está prejudicando a segurança do nosso povo. Esse absurdo contra a igreja não pode acontecer”, sentenciou.

Deixe uma resposta