Com psicologia

O Centro de Cidadania LGBTI de Volta Redonda, que atende mais 10 municípios da região, vai ganhar um reforço extra. A secretaria estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos vai passar a oferecer atendimento de psicóloga, além dos que já disponibiliza, como de advogado e assistente social. O espaço também será ampliado pela prefeitura da cidade do aço e passará a contar com mais uma sala e uma coordenação municipal.

A parceria para o funcionamento da unidade foi discutida pelo subsecretário de Estado de Promoção, Defesa e Garantia dos Direitos Humanos, Thiago Miranda Gomes, com a nova secretária de Mulheres, Idosos e Direitos Humanos de Volta Redonda, a ex-vereadora América Tereza. Também participaram da reunião, o superintendente de Políticas LGBT, Ernane Alexandre, a nova coordenadora do Centro de Cidadania LGBT do Médio Paraíba, Francyne Francisco, e o presidente do VR Sem Homofobia, Natan Teixeira.

“Vamos estreitar a parceria estado x prefeitura x movimento social, para buscarmos uma maior proximidade entre os entes. A nova secretária vai disponibilizar uma melhoria na estrutura do Centro, com a reforma de uma sala para atendimento, além de nomear um coordenador LGBT da prefeitura, para um diálogo direto com o governo do estado e o Centro de Cidadania, abrindo as portas do município para as políticas LGBT”, disse Thiago Miranda. 

Hoje o Centro de Cidadania LGBTI do Médio Paraíba atende Barra Mansa, Barra do Piraí, Itatiaia, Pinheiral, Piraí, Porto Real, Quatis, Resende, Rio Claro, Rio das Flores e Volta Redonda. De janeiro a setembro foram apenas 90 atendimentos, enquanto outros centros do estado (são sete ao todo) têm uma média de 400 a 600 atendimentos no mesmo período. ”Até hoje o centro de Volta Redonda funcionava com baixa produção. Por isso a minha urgência em visitá-lo. Foi o primeiro que eu visitei e a baixa produção se dava pela dificuldade de diálogo entre o movimento social da região e os responsáveis pelas políticas públicas, como prefeitura e estado”, comentou o subsecretário. 

Tem mais. “Com a reestruturação da nossa secretaria, a chegada da secretária municipal (América Tereza), que assumiu há pouco tempo, e a aproximação com o movimento social, afastado devido às dificuldades com a gestão municipal anterior, poderemos criar efetivamente políticas públicas LGBTI na região e alavancar o número de atendimentos”, espera.

O subsecretário afirmou ainda que está em estudo a capacitação de técnicos e gestores municipais de outras áreas para melhor atender à população LGBT, principalmente na Saúde e Educação. ”Eu propus à secretária um esforço no sentido de levar a política LGBT para outras pastas, onde ela abriria o caminho para que a Subsecretaria, junto a nossa Superintendência LGBT, possa chegar na prefeitura com a capacitação dos servidores da saúde e educação para o recebimento e atendimento À população LGBT”, destacou.

Deixe uma resposta