‘Chega de atraso’

População bem perto de ficar livre de um problema centenário que era obrigada a conviver

Quando Rodrigo Drable, hoje prefeito de Barra Mansa, nasceu, em 24/02/1981, o que ele mais ouvia do avô, Marcelo Drable, era o conselho: ‘cuidado com o trem, olhe pros dois lados antes de atravessar a linha’. O vovô Drable tinha razão, afinal, centenas de moradores da cidade já morreram ao tentar atravessar a linha férrea que corta o município. Outros tantos ficaram feridos em acidentes entre as locomotivas e carros, caminhões, motos e bikes que tentaram passar pelos trilhos da ferrovia na hora errada. O alerta, inclusive, deve ter sido ouvido por todo mundo que nasceu em Barra Mansa, pois há anos, desde que o avô de Rodrigo foi prefeito, os barramansenses sonham em tirar o trem da linha.
“Esse é um sonho de quase 100 anos, que foi transformado em campanha eleitoral por alguns, desacreditado por muitos, mas que está sendo realizado agora. Tenho muito orgulho da nossa equipe, e de estarmos reescrevendo a história da cidade, pois teremos uma nova Barra Mansa!”, comentou Rodrigo Drable ao ver um guindaste retirando o primeiro trilho da linha férrea que corta a cidade. “Estamos fazendo acontecer, construindo uma nova cidade e redefinindo o futuro de Barra Mansa. Chega de atraso. Agora é avançar!”, completou, com aquele sorriso de quem sabe que está fazendo história, como seu avô Marcelo fez.
O momento histórico vivido por Rodrigo foi na manhã de terça, 4, quando ele fez questão de caminhar pelo trecho da linha férrea que vem passando por intervenções, do famoso Pátio de Manobras. Estava acompanhado pela vice-prefeita, Fátima Lima, pelo coordenador de supervisão das obras do Dnit, Paulo Café, por integrantes do seu governo e representantes de entidades de classe.
Ao iniciar a caminhada, Rodrigo falou sobre as obras. “O nosso objetivo é mostrar para a sociedade o que está sendo feito, a velocidade das obras e quais serão as próximas etapas. Estamos aqui, onde foram construídas as casas, para demolição daquelas que ficam no caminho do Pátio de Manobras, e as casas, que são a segunda parte do acordo, serão demolidas e as famílias virão para cá. Isso aqui é uma área que vai ser entregue com habitações de extrema qualidade, totalmente urbanizada. A gente vai ter uma nova Barra Mansa, resultado do esforço de muita gente. É a realização de um sonho, e a gente segue trabalhando”, pontuou.
Em conversa com o aQui, Drable disse que o ‘puxamento dos trilhos’, a cargo da MRS Logística, vai permitir a abertura de uma via pública na área remanescente da linha férrea. “Um novo corredor central começa a ser definido”, disse. “Vai permitir a criação de duas avenidas, uma de cada lado dos trilhos” acrescentou. “As avenidas serão: uma, com o sentido Bárbara x Centro; e a outra será para a criação de um grande estacionamento para cerca de 2000 carros”, detalhou.
O que pouca gente sabe é que os recursos para a conclusão do Pátio de Manobras (conjunto das obras), como se diz em Barra Mansa, estão nos cofres da prefeitura. Ou seja, o projeto não será mais paralisado. “O projeto está com recursos na conta para a execução de todas as fases, inclusive paisagismo, iluminação, pintura e equipamentos complementares, como a reforma da Oficina de Trens, que será um centro cultural. Isso graças ao ex-deputado Deley (de Oliveira), que nos ajudou a conseguir os recursos iniciais e mais vultosos, depois complementados por emenda de bancada através dos deputados (Antônio) Furtado e Luís Antônio (Correia), e por fim, do deputado federal Sóstenes Cavalcante, que foi quem conseguiu para a gente quase 1 milhão para a reforma da Oficina”, disse, aproveitando para fazer média com seus amigos políticos. “O projeto está sendo realizado por muitas mãos”, completou.
Em termos de trânsito, Drable adiantou as mudanças que vão beneficiar a população, como um todo. “A concepção do projeto é melhorar o fluxo viário, diminuir o impacto do trânsito de trens, mas valorizar o centro da cidade e o comércio. Todas as ações têm sinergia, de maneira a favorecer a vida do nosso povo e aquecer ainda mais o comércio de Barra Mansa. O novo estacionamento vai nos permitir acabar com as vagas ao longo da Avenida Joaquim Leite, aumentar as calçadas e investir no conforto de quem faz compras no comércio local”, pondera.
Atualmente, segundo o prefeito, o Dnit está construindo três casas complementares, com entrega prevista para julho. “As moradias que já foram finalizadas estão programadas para ser entregues após a instalação da iluminação pública e a ligação de água e luz. Também será feito um termo de acordo com o Dnit para iniciar a regularização provisória das residências. A secretaria de Assistência Social irá assistir as famílias por três meses, visando garantir a integração no conjunto habitacional”, anunciou, aproveitando para vistoriar as obras de readequação das linhas férreas, o viaduto próximo à Saint-Gobain e a passarela ao lado do conjunto habitacional.
O coordenador de supervisão das obras, Paulo Café, contou como está o andamento das obras. “Nós estamos executando atualmente a passarela no Parque da Cidade, a passarela próxima à prefeitura e o pontilhão no Rio Cotiara. Estamos parados com a obra atualmente do Rio Barra Mansa. O ponto crítico é a entrega das casas do Campo do Ferroviário aos futuros moradores e, ao mesmo tempo, (efetuar) o pagamento da indenização aos envolvidos. Para avançar nas obras, precisamos transferi-los. Depois, a gente vai demolir o pedaço das residências que estão envolvidas e fazer o alargamento da plataforma onde está tendo a duplicação. O Viaduto da Saint-Gobain já é desse contrato, tem dinheiro para isso e tem tudo para ser executado”, detalhou.
Paulo Café apontou a participação efetiva da prefeitura para a conclusão do Pátio de Manobras. “A obra é do Dnit, mas um grande agente dentro desse processo sempre foi a prefeitura, principalmente na parte financeira, pois se não tivesse isso, não tinha nada. O recurso é fonte oriunda do município, de verba de bancada conseguida pelo município”, disse.
O secretário de Planejamento Urbano, Eros dos Santos, foi além. “Essa caminhada é muito importante para mostrar a realidade do Pátio de Manobras para a cidade de Barra Mansa, o envolvimento da prefeitura e do prefeito em demonstrar a efetividade da obra. A caminhada com as entidades é para que eles possam ver com os próprios olhos o que é (a obra) real. Não é mais um sonho que está acontecendo, é uma realidade viva, presente, que está avançando”, destacou.

READEQUAÇÃO FERROVIÁRIA

As obras de retirada do Pátio de Manobras são de responsabilidade do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), que atua em uma extensão de 4,8 quilômetros do corredor ferroviário urbano no município. Elas são compostas por diversas intervenções, entre elas, a construção de duas passarelas para pedestres, em frente ao Parque da Cidade e próxima à sede da prefeitura, que estão em fase de construção; a passarela Isaías Leite, na Avenida Dário Aragão, próxima ao Campo do Ferroviário, já concluída; a construção da ponte sobre o Rio Barra Mansa, próximo ao Fórum, que depende do puxamento dos trilhos pela concessionária VLI; a reforma do galpão de Anísio Brás, no fim do bairro Vista Alegre, já finalizado, além da construção de imóveis destinados às famílias que tiveram suas casas desapropriadas em função do projeto. Ao todo, foram desapropriados 40 imóveis. Algumas famílias foram indenizadas financeiramente, outras 22 serão reassentadas em 17 imóveis que estão sendo erguidos no Campo do Ferroviário e cinco no bairro Roberto Silveira.

Deixe uma resposta