Cálculos furados

Mateus Gusmão

O prefeito Neto não está mesmo disposto a cumprir a decisão de pagar o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), conforme decisão do juiz Alexandre Custódio Pontual, da 5ª Vara Cível. Como o aQui mostrou na edição passada, o magistrado decidiu que a prefeitura de Volta Redonda tem que pagar – até o final do mês – a dívida do PCCS para cerca de três mil servidores do município. E, para não acatar a determinação, Neto alega que falta dinheiro nos cofres do Palácio 17 de Julho. Pior. Garante que o cálculo usado para definir o valor dos contracheques está errado por culpa do governo Samuca.
“Eu estou com um pepino para resolver; decisão judicial cumpre-se, mas eu estou em uma preocupação imensa, não estou dormindo”, ponderou Neto em entrevista ao programa Dário de Paula, onde destacou que o cálculo dos valores feito para o pagamento do PCCS estaria errado. “Lamentavelmente, quem fez os cálculos foi o Poder Público. Foi alguém irresponsável do governo passado que entregou para o juiz”, completou, sem arriscar revelar o nome do autor da proeza, que inviabiliza a sua administração se o pagamento tiver que ser feito.
Na entrevista, Neto destacou que o erro não seria do juiz Alexandre Pontual, e sim de alguém do governo Samuca que apresentou à Justiça os os dados de forma equivocada. “O juiz está simplesmente cumprindo”, acrescentou. “Temos que provar que foi mal feito (o cálculo), equivocado, que teve uma covardia com o dinheiro público. Nós abrimos uma sindicância para ver quem foi o irresponsável que entregou para a justiça um cálculo que inviabiliza completamente o município”, completou.
O prefeito voltou a ressaltar que o município arrecada menos do que gasta com a folha de pagamento dos servidores. Detalhe: sem ter que cumprir a ordem de pagar o PCCS. “O Poder Público tem uma folha de pagamento de mais de R$ 41 milhões. Se você colocar os R$ 2,5 milhões que pagamos para os médicos do HSJB, R$ 2,6, eu chego a R$ 44 milhões só de folha de pagamento”, completou, ressaltando que toda arrecadação do município é gasta com os servidores. “Na verdade, o município está inviável, estamos tentando viabilizar”, completou.
Questionado por Dário se teria se arrependido de ter concorrido novamente à cadeira de prefeito, para qual foi eleito pela quinta vez, Neto titubeou. “É uma pergunta que às vezes eu me faço. Logicamente eu não imaginava que as coisas estivessem tão ruins”, disparou, salientando que está conseguindo tocar a prefeitura porque teria escolhido uma equipe boa para fazer parte do governo. “Eu montei uma equipe de pessoas muito competentes, que trabalham o dia todo para melhorar a qualidade de vida do povo da nossa cidade. Então, à sua pergunta, não me arrependo, pois tudo que eu fizer para essa cidade vai ser pouco, eu sou apaixonado por Volta Redonda”, disse. Então tá.

Deixe uma resposta