‘Bólido oficial’

Carro da frota do Palácio 17 de Julho roda sem pagar IPVA e com multas desde 2016

Desde que assumiu o Palácio 17 de Julho, o prefeito Neto tem feito de tudo para atazanar seus adversários. ‘Faz parte da política’, diriam os analistas. Pode ser. Mas, à frente da prefeitura de Volta Redonda, Neto pouco tem se movimentado para ajudar os aliados que caminharam ao seu lado nas eleições de 2020. ‘Falta dinheiro’, acrescentariam os entendidos, referindo-se às centenas de processos de pagamento que estão paralisados, sem previsão de quitação. Alguns, há quase nove meses. Ou seja, há três meses (outubro, novembro e dezembro) do governo Samuca e seis meses da atual administração. “Parto difícil”, define um dos amigos de Neto, pedindo anonimato.
Tem mais. Embora ainda não tenha quitado todas as contas deixadas pelo governo Samuca, como a dos salários e 13o dos cargos comissionados, Neto se vale da famosa frase “devo, não nego, só pago quando puder”. Só que sua tese faz vítimas até nos aliados. Pior. Dá a entender que a melhor solução é que quem tem pagamento a receber do Palácio 17 de Julho que procure a Justiça. Exemplo é o próprio governo do Estado.
Prestes a receber R$ 60 milhões em recursos do governo do Estado para tocar várias e grandiosas obras pela cidade do aço, o governo Neto ignora até uma dívida irrisória deixada por Samuca, de R$ 8 mil de IPVA referente a apenas um carro, que roda irregularmente pelas ruas do município e estradas fluminenses desde 2016. A placa do veículo é LSM 0949 e no cadastro do Detran-RJ corresponde a um Renault Kangoo, álcool/gasolina, fabricado em 2015, modelo 2016, da cor branca.
Como não pagou os IPVAs de 2016, 2017, 2018 e 2019, a cobrança do imposto foi judicializada (o de 2021 ainda está em aberto). E a prefeitura de Volta Redonda perdeu a ação movida pelo governo do Estado, conforme documentos a que o aQui teve acesso. Hoje, o valor da dívida que está sendo executada é de R$ 8.376,20, sendo que o município teve direito a um prazo de cinco dias, a contar de 7 de março de 2021, para liquidar a fatura sob pena de sofrer uma penhora de bens.
Para piorar, o veículo de placa LSM 0949, conforme o aQui apurou, deve uma boa soma de multas vencidas, desde 2016, e que estavam em aberto até o fechamento desta edição. A maioria, por excesso de velocidade. A primeira é de 22 de julho de 2016, no valor, vejam só, de R$ 85,13, aplicada às 12h06min. Motivo: “Estacionar na contramão de direção”. Local: Rua Paulo Bias Santos, 86, em Volta Redonda.
Em 2017, o veículo de placa LSM 9409 foi multado oito vezes por excesso de velocidade na BR 116 (14/02), na BR 393 (em 17/04), na BR 101 (18/10), e, detalhe, por duas vezes seguidas na BR 116, no dia 10 de novembro, com diferença de apenas 7 minutos: às 5h51min e às 5h58min, ambas por excesso de velocidade. No mesmo dia, ainda na mesma estrada, na Via Dutra, o carro voltou a ser multado por trafegar em alta velocidade, às 18 horas, quando deveria estar retornando para a cidade do aço.
Em 2018, o automóvel registrou mais seis multas, todas, como era de esperar, por excesso de velocidade. Em 2019, foram apenas 3 multas. No total, o bólido do Palácio 17 de Julho acumulou um total de R$ 3.608,26 em 18 multas de 2016 a 2019, todas do governo Samuca.
O IPVA de 2021, pelo que o aQui apurou, ainda está em aberto. Se o Palácio 17 de Julho quiser andar na linha, deverá correr e pagar a importância de R$ 1.394,20 de imposto, referente ao IPVA Integral, mais juros e multa de mora.

Deixe uma resposta