Bate bola – Sergio Luiz

A foto é do time do Cisne Branco, de Barra Mansa, tradicional time amador em 1977. Tinha no Castelinho seu grande adversário, cuja fotografia iremos publicar na próxima edição. A rivalidade entre eles perdura até hoje fora do campo. Colaboraram Gino Lopes e o Xaxá.

Em pé da esquerda para a direita: Legel, Cesinha, Botelho, Cícero, Magalhães, Joãozinho, Jojô, Heraldo, Niado, Carrapeta, Galo e Célio Careca. Agachados: Fafal, João Ápio, Paulo França, Ivanzinho, Catatau, Nelsinho, Gilson, Maloca e Zé Maria. Pegava fogo quando cruzavam.

Pela conclusão do Estadual

Depois que o presidente do Vasco, Alexandre Campello, disse ao blog do Rodrigo Capelo que se a paralisação do carioca, por causa da Covid-19, se estendesse muito, o melhor seria priorizar o Brasileirão e não concluir o campeonato estadual, o ‘blog 10’ e o ‘Faixa Ou Não’, ouviram os presidentes dos times do interior sobre a conclusão ou não do torneio. As opiniões foram quase unânimes, contra. Entre os principais motivos, para firmar posição contra a Globo, que cortou a verba dos pequenos por falta de jogos.

Marcelo Barros, da Portuguesa: “A competição tem que ser terminada no campo. Tantos os finalistas, campeões e rebaixados. independente de data. Os clubes não podem ser prejudicados financeiramente”.

João Paulo, do Boavista: “Tem que terminar. Estamos na zona de classificação para as semifinais! Eu tenho 40 atletas e 30 membros da comissão técnica que precisam trabalhar!”

Mirinho, do Macaé: “Queremos que o Carioca termine no campo. Temos dois jogos para fazer diante do Vasco e Fluminense, e no que depender do Macaé, vamos jogar. Eu tenho o mês de março para pagar aos jogadores”.

Elias Duba, do Madureira: “Claro que somos a favor de terminar o campeonato, faltam apenas duas rodadas para o fim da Taça Rio. Temos um contrato com a Globo”.

Flávio Horta, presidente do Volta Redonda: “Não apenas somos totalmente a favor da continuidade do Carioca, como descartamos qualquer possibilidade de não acabar no campo”.

Valdemir Mendes, da Cabofriense, não quis dar sua opinião.

Jorge Varela, do Bangu, é favorável à continuidade.

Alberto Macedo, do Resende, entende que o campeonato deverá ser concluído, em respeito ao torcedor e ao contrato com a Rede Globo.     

Resumindo: os dirigentes esperam que o estadual seja reiniciado em maio, mesmo sem torcida. Resta saber se o Sindicato dos Atletas vai concordar em expor seus atletas. Quem viver verá!

SOS da CBF

Atendendo ao apelo dos clubes das séries C e D, a CBF decidiu que vai destinar R$ 19 milhões às federações e clubes. O Voltaço receberá cerca de R$ 200 mil, referente a dois meses. A entidade decidiu ainda que vai ajudar os clubes da série A e B do futebol feminino. 

Rindo à toa

A diretoria do Voltaço está mais feliz que pinto no lixo com a ajuda que receberá da CBF. Não é para menos. Os R$ 200 mil vão aliviar os combalidos cofres do clube. Com o dinheiro nas mãos, o clube não terá que cortar parte dos salários dos jogadores. Em tempo de epidemia nada melhor do que receber tudo de uma vez e em dia, né?

História

Essa aconteceu em um jogo de várzea em Jamapará, divisa com a minha Além Paraíba. Chovia muito e um treinador, conhecido pelo apelido de Zé Cocada, gritava à beira do campo, orientando seus jogadores, principalmente o becão Deco Tijolão. Num lance dentro da área, Zé Cocada gritou: “Limpa essa bola, limpa essa bola Decoooo!”. Obediente, Tijolão não conversou: pegou a bola com as mãos e a limpou na camisa. Imediatamente, o juiz marcou o pênalti. O transtornado Zé Cocada passou a mão num pedaço de bambu e partiu atrás do becão que, assustado, corria e gritava: “Pô, foi o sinhô que mandou limpar a bola, sô!”. É mole?

Internado

O ex-presidente do Barra Mansa, o empresário Mário Pinguilim, está internado desde quarta, 1º, na Casa de Saúde Santa Maria com suspeita de ter contraído o novo coronavírus. Pinguilim está em isolamento total, seu estado é grave, porém, estável. Ele assumiu a presidência do Leão quando o ex-presidente Andrinho foi afastado pela Justiça. Força, amigo!!! 

Barra Mansa

Conforme a coluna informou, o futebol do Barra Mansa poderá ser gerido por uma empresa do Paraná. Trata-se da Futtalents, estabelecida em Curitiba. Especializada em preparar atletas para alto rendimento, mantém parceria com vários clubes do Brasil e não existe nada que a desabone. As negociações estão em andamento. Tomara, porque o Leão está cansado de ser sacaneado.

Bola fora

Para a falta de jogos. O torcedor já está cansado de assistir às reprises de grandes jogos do passado. É o jeito, né? Apesar disso, a quarentena não deve ser descartada. Que todos fiquem em casa para quando tudo isso acabar,  voltar assistir a peladas e grandes jogos.  Vamos juntos.   

Bola dentro

Para a CBF, que resolveu abrir os cofres e ajudar os clubes das séries C e D do futebol brasileiro. Vai distribuir cerca de R$ 19 milhões à turma que já estava de pires na mão. O dinheiro, se não correr por mãos erradas, deverá ser suficiente para os clubes quitarem a folha de dois meses. Valeu!

Deixe uma resposta