segunda-feira, agosto 15, 2022
CasaEditoriasEspecialBarrados na cidade

Barrados na cidade

Neto volta a dizer que vai exigir ‘passaporte da vacinação’; medida vale até para quem for aos hospitais

Em entrevista ao programa Dário de Paula na manhã de quinta, 2, o prefeito Neto fez um alerta que interessa a todos que estejam programando estar em Volta Redonda, seja para uma simples consulta médica ou para fazer compras de Natal. Ninguém vai poder entrar na cidade do aço, nos shoppings e até nos hospitais da rede municipal se não apresentar o ‘passaporte da vacina’ contra a Covid-19. A medida vai vigorar, promete, já a partir de segunda, 6. “A partir de segunda-feira ninguém entra na cidade sem a Carteira Nacional de Vacinação”, disparou, indo além. “Nós vamos colocar (computador) nos lugares de grande movimento. Sugeri aos shoppings que façam isso, que coloquem um computador para ajudar as pessoas a imprimirem (o cartão de vacinação). Nós queremos facilitar a vida das pessoas”, ponderou.
Não satisfeito, Neto garantiu que haverá rigor por parte da prefeitura e prometeu barrar quem for aos hospitais da rede pública de Volta Redonda, sem especificar se a regra vale para quem estiver com cirurgia marcada, entre outras. “Nós vamos exigir o passaporte para as pessoas frequentarem os shoppings, hospitais. Quem for fazer as visitas aos nossos hospitais tem que ter o passaporte da vacina. Vai ser fundamental a apresentação do passaporte da vacina”, reiterou.
Na entrevista, Neto revelou a Dário de Paula que ele mesmo chegou a ser barrado ao tentar entrar nas dependências do Fórum de Volta Redonda, onde participaria de uma audiência. “Ontem (quarta) eu fui barrado no Fórum. Eu não tinha a minha carteira (de vacinação). Mas imediatamente eu acessei e mostrei minha vacina. Mas, enquanto eu não fiz isso, não me deixaram entrar, não”, contou, lembrando que os moradores (e os turistas) poderão acessar o aplicativo do Conecte SUS para provar que foram vacinados. “A regra é para todos. Então eu já estou avisando às pessoas: andem com o cartão de vacina no bolso”, disparou.
Neto aproveitou a entrevista para anunciar que mantém sua decisão de não mais fazer nada para o Carnaval de Volta Redonda, assim como para o Natal, Ano-Novo e até para o Domingo de Compras, que tinha prometido realizar em dezembro, e que foi motivo de crítica na edição passada do aQui justamente por facilitar as aglomerações, como a que ocorreu na Praça da Colina na noite do jogo entre Flamengo e Palmeiras, que terminou em pancadaria. “Em fevereiro não tem carnaval. E o Domingo de Compras, que chegamos a programar também, não vai mais acontecer para evitarmos aglomerações”, justificou.
Apesar de ter confirmado que Volta Redonda não terá programação especial para o Natal, Ano-Novo, Carnaval e muito menos irá promover os ‘Domingos de Compras’, o prefeito não anunciou se vai modificar o decreto que está em vigor e que libera geral a entrada de fiéis em cinemas, teatros, boates, estádios e até nas igrejas, entre outras medidas que anunciou no mês passado (ver aQui edição….) Preferiu explicar a vacinação contra a Covid-19. “O município já vacinou, com a primeira dose, 98% da população. Na segunda dose, ultrapassamos 85%, e na terceira dose estamos chegando a 25%. Poucos municípios no país atingiram esse nível, e nós estamos trabalhando muito para melhorar ainda mais”, espera.
Neto, aliás, aproveitou para falar da nova estratégia de vacinação que a secretaria de Saúde de Volta Redonda está adotando. De levar equipes a shoppings e, pasmem, usar as famosas pererecas (carros de som) para atrair moradores para os locais de vacinação. “Só ontem nós vacinamos quase 1.500 pessoas no Sider Shopping. No Park Sul, umas 1.000 pessoas. Nós criamos um carro que está percorrendo os bairros, o carro da vacina (como o carro do ovo, grifo nosso), e também conseguimos vacinar bastante gente”, contou.
Indagado por Dário se sabia dizer quantas pessoas tinham sido vacinadas pelo carro do ovo, ops, da vacina, Neto disse que não sabia. Mas foi salvo pelo vereador Renan Cury, que atua ao lado de Dário de Paula. “Cem pessoas se vacinaram no carro do Santa Cruz”, informou, lembrando a Neto que neste sábado, 4, a prefeitura vai promover um ‘Dia D da vacina’: “Além das 43 unidades de Saúde que estarão abertas, os shoppings vão vacinar, e vamos criar mais pontos de vacinas. Na Amaral Peixoto vai ser debaixo do Viaduto Heitor Leite Franco; na Vila vai ser debaixo da biblioteca”, completou Neto. “Nós queremos vacinar a população. Só o que salva vidas é a vacina e o uso da máscara”, filosofou.

Para relembrar

O ‘passaporte da vacinação’ não é novo. Foi criado pelo Decreto nº 16.847 e está em vigor desde o dia 5 novembro. A ideia era flexibilizar as medidas de combate à Covid-19 e, para isso, a prefeitura de Volta Redonda passaria a exigir o documento apenas em alguns eventos, como em shows, boates e partidas de futebol.
Na época, Neto decidiu que as igrejas e demais templos religiosos não precisariam cobrar o ‘passaporte da vacina’ de seus fiéis, assim como cinemas, teatros e salões de convenções. As academias, clubes sociais e recreativos também foram beneficiados com o aumento da flexibilização, sendo que os frequentadores não iriam precisar comprovar a imunização. Bares e restaurantes, por sua vez, passaram a receber vacinados e não vacinados. E, detalhe, poderão usar 100% de sua capacidade.
A liberação, inclusive, deu no que deu. No jogo decisivo da Copa Libertadores das Américas, entre Flamengo e Palmeiras, a Praça da Colina estava toda tomada. Centenas e centenas de torcedores do Flamengo, a grande maioria sem máscara, ocupavam todas as mesas do espaço e a derrota do Mengão gerou uma briga generalizada, que arranhou as paredes do Palácio 17 de Julho.
No domingo, antes de voltar a falar em ‘passaporte da vacina’, Neto foi às redes sociais e mostrou que não tinha digerido a ação dos baderneiros na Colina. Flamenguista de coração, o prefeito escreveu: “As cenas de gente bebendo e brigando na Praça da Colina seriam tristes em qualquer ocasião, mas são ainda mais deprimentes pelo momento de pandemia que vivemos”, pontuou. “Infelizmente, estamos vivendo um momento muito difícil e tem gente que insiste em não aprender nada”, desabafou.

Artigo anteriorLazer
Artigo seguinteBarrada
ARTIGOS RELACIONADOS

Expectativa angustiante

Esqueceram de mim

Missão dada

LEIA MAIS

Grampos

Expectativa angustiante

Grampos Barra Mansa

Barrados na porta

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp