‘Rinha de galos’

Neném bate em Samuca e leva o troco

O vereador Nilton Alves de Faria (DEM), atual presidente da Câmara, em nota aos jornais, se posicionou contra o recesso determinado pelo prefeito Samuca Silva aos servidores públicos de 16 a 31 de dezembro. Aproveitou e cobrou, como ‘obrigação’ que o atual prefeito deveria cumprir, “a transição administrativa ao próximo governo”. “Volta Redonda não pode parar”, justificou.
Na nota, Neném lembra a aflição dos servidores que já recebem o salário dividido em parcelas. “Isso vai piorar”, disparou, anunciando que a classe “pode ficar sem pagamento e sem 13o salário”. “As maldades vindas do prefeito continuam, fornecedores procuram a CMVR com a esperança de ajuda por nossa parte”, relatou. “Já estamos acionando advogados para cuidar do assunto e impedir que o funcionário tome um calote”, concluiu Neném.

Samuca, é claro, retrucou. “O presidente da Câmara falta com a verdade. Não há uma transição oficial na prefeitura porque a Justiça Eleitoral ainda não se posicionou sobre o resultado das eleições. Hoje não há prefeito eleito e aguardo a decisão eleitoral”, disse o prefeito, a respeito de não estar facilitando a vida do prefeito eleito”, que ele, Samuca, não reconhece. “Assim que a Justiça Eleitoral se posicionar sobre quem será o prefeito, a transição será feita’, reiterou, relembrando como recebeu o Palácio 17 de Julho, em 2016. “Deixaram vários contratos terminarem para inviabilizar o início do meu mandato. Nem uniforme para as crianças tinham comprado. Nem a dívida mascarada em balanços contábeis inverídicos. Eu, ao contrário, já vou deixar os uniformes nas escolas, contratos vigentes, orçamento, dívidas, tudo detalhado”, disse.

Sobre o recesso do final ano, Samuca relembrou a Neném que sempre adotou a tática. “Fiz isso em todos os outros três anos de mandato. E com o aumento de casos de Covid-19, preferimos deixar servidores não essenciais em home office e manter o recesso nas duas últimas semanas do ano. A própria Câmara de Vereadores faz isso. O presidente da Câmara critica o recesso na prefeitura, que todo ano é concedido, mas não fala sobre a Câmara receber mais de R$ 3 milhões por mês e realizar apenas uma sessão legislativa. Ele deveria explicar por que não pautou nas sessões projetos importantes para a cidade, como a Lei que permitiria o parcelamento de dívidas aos munícipes e aumentar a arrecadação da cidade. Temos projetos importantes que irão ajudar o próximo prefeito pendentes na Câmara.
Irritado, Samuca cobrou explicações de Neném. “O presidente da Câmara deveria explicar o aumento de valores pagos a cargos comissionados aprovados por ele durante a pandemia, como as Leis 5.722 e 5.745”, disse, para logo completar: “O vereador Neném deve estar me confundindo. Não tenho nada a esconder. Ao contrário, quando um parlamentar de seu grupo político tentou um ato corrupto comigo, eu o denunciei e ele foi preso em flagrante”, comentou de forma irônica.

Sobre o pagamento dos servidores, Samuca garantiu ao aQui que tudo não passa de boatos. “Desde que assumi meu mandato, falam sempre a mesma coisa e conseguimos honrar os compromissos. Não sei se o presidente da Câmara tem a compreensão, já que os repasses ao Legislativo estão em dia, mas há uma crise financeira no Brasil, e que atingiu finanças de vários municípios. Há uma instabilidade em repasses e bloqueios de conta. E foi isso que disse. Mas tenho certeza que em janeiro o próximo prefeito vai colocar em dia, eu colocaria”, pontuou. “Lembro ao presidente da Câmara que a eleição já acabou. Me esquece e ‘deixa eu’ trabalhar”, finalizou.

 

Deixe uma resposta