Olha a bomba! (II)

O ainda vereador Marcelo Cabeleireiro, que deve assumir o cargo de deputado estadual pelo PDT no próximo dia 1º de fevereiro, surpreendeu meio mundo ao postar um vídeo no final de 2018 para denunciar que servidores da secretaria de Saúde de Barra Mansa estariam utilizando a função que exercem para “facilitar atendimentos de acordo com seus interesses pessoais”. Apesar do teor da denúncia, o parlamentar não citou nominalmente nenhum servidor da pasta. “É gente do governo”, frisou. “Amigos e amigas, eu tenho recebido várias denúncias que na secretaria de Saúde do município de Barra Mansa existem pessoas do governo passando na frente, pessoas no tocante a solicitação de exame, consultas e outros”, disse, conforme transcrição do vídeo feita pelo aQui.

 

Marcelo foi além. No final da denúncia deixou claro que estava se referindo a um colega de Parlamento. “Quero dizer a você, cidadão, que até o dia 30 desse mês de janeiro eu vou estar na Câmara Municipal, vou continuar fiscalizando. E quero dizer que vou apurar as denúncias de que pessoas do governo estariam passando pessoas na frente, que estão ali necessitando de exames e de consultas e as pessoas furando fila. Vou apurar se está acontecendo isso na secretaria de Saúde de Barra Mansa, (pois) é inadmissível (um) vereador ficar passando pessoas (grifo nosso) na frente de pessoas que estão lá há muito tempo aguardando exames”, denunciou, também sem revelar a identidade do político. 

 

Prometendo “investigar a fundo” os casos de favorecimentos, o futuro deputado estadual se colocou à disposição da população para receber denúncias relativas ao caso e forneceu os telefones da Casa para contatos (3322-2652 e 3323-0979). Uma coisa Marcelo quis deixar claro: tanto o secretário de Saúde, Sérgio Gomes, quanto o prefeito Rodrigo Drable estariam isentos. “Essa linha (de favorecimentos, grifo nosso) não vai de encontro ao que eles determinam”, escreveu.

 

O que Marcelo & Cia não esperavam era que a postagem fosse sair pela culatra. Ex-funcionário da Câmara de Barra Mansa, onde exerceu cargos de chefia e até de Ouvidor, Julio Cesar Fialho Esteves compartilhou o vídeo do vereador postado nas redes sociais, e seu comentário se transformou na maior bomba política do início de 2019. “Compartilho. Cara de pau. Rei do Rachid e do privilégio. Rei do concurso adulterado. Rei da negociata. Rei da palavra não cumprida. Rei da ignorância e humilhação. Rei da bravata. Covarde rei”, comentou Julinho.

 

O engraçado é que Marcelo Cabeleireiro deixou barato. Nem deletou a postagem do ex-amigo de Câmara. O compartilhamento e comentário só foram apagados cerca de cinco dias depois, quando o vídeo já tinha sido visto – às 10 horas do dia 4 de janeiro – por 875 internautas. No Instagram, a postagem do vereador contabilizava 303 visualizações e 11 comentários, todos favoráveis à denúncia do uso político da máquina da Saúde por gente do próprio governo Rodrigo Drable. 

 

Responsável pela denúncia, Julio Cesar Fialho Esteves foi procurado pela equipe do aQui, que chegou a lhe enviar, por e-mail, um questionário com várias perguntas sobre suas acusações contra Marcelo Cabeleireiro. O ex-ouvidor da Câmara de Barra Mansa chegou a ser atencioso, mas preferiu não pôr mais lenha na fogueira. Deu a impressão que estaria sendo pressionado a esquecer tudo o que escreveu nas redes sociais, que, pelo teor da bomba, deveria ser investigado pelo Ministério Público, não é mesmo?         

Marcelo Cabeleireiro também foi procurado pela reportagem do aQui, mas sua assessoria de imprensa até ontem, sexta, 11, não tinha conseguido falar com o parlamentar para que ele pudesse comentar as denúncias e dizer o que pretende fazer contra Julio Cesar.  Se for caso, é claro.

Deixe uma resposta