Números terríveis

Covid-19 já matou mais gente nos quatro primeiros meses de 2021 do que em 2020

Os dados oficiais do Portal da Transparência do Registro Civil mostram que de um total de 1.232 mortes registradas em Volta Redonda, entre os dias 1° de janeiro e 16 de abril, quase a metade foi provocada pela Covid-19. Enquanto doenças respiratórias, cardiovasculares e outras fizeram 702 vítimas, o novo coronavírus provocou a morte de 533 volta-redondenses no período analisado. Pior. O número de mortos pela pandemia nos primeiros quatro meses de 2021 está bem próximo, vejam só, do total de mortos pela Covid em todo o ano passado, quando foram contabilizadas 668 vítimas do coronavírus, conforme dados que constam do portal.
A diferença em relação ao número de mortes divulgado pela prefeitura – 665 vítimas, contra 668 até quinta, 15 – ocorre por conta da data do registro do óbito, que pode ser feito em até 24 horas. A partir daí, os cartórios têm até cinco dias para oficializar o registro, e depois oito dias para enviar as informações à Central Nacional de Informações do Registro Civil (CRC Nacional) que, por sua vez, alimenta o Portal da Transparência do Registro Civil. O sistema é mantido pela Arpen Brasil (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil), uma associação nacional dos cartórios de registro civil, que é regulamentada pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça).
A Covid-19 também alterou a balança entre nascimentos e mortes em Volta Redonda. Em 2021, como mostra o Portal da Transparência, entre janeiro e abril foram registradas mais mortes que nascimentos na cidade do aço, invertendo a tendência comumente observada em anos anteriores. Entre 1° de janeiro e 14 de abril de 2021, foram registrados 970 nascimentos, contra 1.232 mortes. Ou seja, existe uma diferença de 262 pessoas “a menos”. Corresponde, segundo levantamento, que em três meses e meio, Volta Redonda “perdeu” quase 0,1% da sua população, estimada em 273.988 habitantes para o ano de 2020, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
No mês de abril – até a última quarta, 14 –, a diferença é ainda mais gritante: morreu o dobro do número de pessoas que nasceram. Seriam 109 nascimentos contra 219 mortes. Para se ter uma ideia, em abril de 2020, já com a pandemia atacando a todos, nasceram 298 volta-redondenses, mas, infelizmente, 264 morreram nos hospitais públicos e privados da cidade do aço. O saldo “positivo” foi de apenas 34 pessoas.
A causa principal da diferença é o número de nascimentos, que caiu pela metade. Uma das razões apontadas por alguns especialistas é que as mulheres estão mais receosas de engravidar, para não correrem riscos de contaminação pela Covid-19 durante a gestação ou no próprio parto.
Mas não é só isso que explica a situação: as mortes também aumentaram. Em 2020, já sob os efeitos da pandemia, 3.311 óbitos foram registrados em Volta Redonda. O número é cerca de 20% maior que a média registrada nos três anos anteriores – 2019 (2.816 óbitos); 2018 (2.776); e 2017 (2.582). Tem mais. A tendência se confirma nos três primeiros meses de 2021, que tiveram um número significativamente maior de mortes que nos anos anteriores. Entre janeiro e março deste ano foram registrados 1.050 óbitos, cerca de 40% maior que a média registrada no mesmo período dos quatro anos anteriores, de 645 mortes. Ou seja, está morrendo mais gente, o que desmonta a tese de que “agora só se morre de Covid-19”. Além de infartos, AVCs, acidentes e crimes, soma-se agora ao número total de mortos as vítimas do coronavírus.

Números de Barra Mansa
O registro do número de mortos e nascidos em Barra Mansa segue a mesma tendência de Volta Redonda, o que comprova a tese de que a pandemia aumentou o número total de mortos, além da Covid-19 ser a responsável por boa parte das mortes ocorridas na cidade. Até o dia 14 de abril, por exemplo, do total de 448 registros de óbito feitos na cidade, 174 – cerca de 30% do total – tiveram como causa a Covid-19.
A balança demográfica também foi alterada na cidade por causa da Covid-19: entre janeiro e abril, houve 426 nascimentos registrados em Barra Mansa, contra 476 mortes, também invertendo a tendência natural de mais nascimentos que mortes, registrada em anos anteriores. Em relação ao número total de mortos, os três primeiros meses de 2021 registraram 417 óbitos na cidade, bem acima da média para o mesmo período dos três anos anteriores, que é de 308 mortes.

Deixe uma resposta