Na rede

Uma mulher, que teria problemas de deficiência mental, foi filmada sendo agredida na tarde de quinta, 11, pela própria irmã, ambas ainda não identificadas. A agressão, que aconteceu na Rua 31, por volta das 13h30min, em frente a uma clínica de estética e podologia, foi filmada por câmeras de segurança e acabou repercutindo nas redes sociais. No vídeo, é possível ver um carro parando, e uma mulher (a motorista) saindo dele para pegar um andador dobrável no porta-malas do veículo. Em seguida, uma segunda mulher desce do carro e abre a porta traseira para que outra mulher – que a princípio parece ser uma idosa, de cabelos brancos, muito magra – saia e, encurvada e andando com dificuldades, atravesse a rua.

 

Usando o andador, ela começa a atravessar a rua, com muita dificuldade e lentidão. É quando a segunda mulher, que estava no banco de carona, a puxa, aparentemente pelos cabelos, para apressá-la. Não satisfeita, desfere dois tapas nas costas da ‘idosa’, usando um chinelo. Na sequência, um carro, que estava passando pela Rua 31, para e dele sai um casal, sendo que um homem inicia uma discussão com a agressora. Em um segundo vídeo, filmado pelo casal, ele aparece discutindo com as ocupantes do carro e o homem xinga a mulher que teria cometido a agressão. O vídeo mostra o exato momento em que as três mulheres entram em uma clínica de estética e podologia.

 

O aQui entrou em contato com a proprietária da clínica, Joelma de Oliveira, e esta esclareceu que a vítima e a agressora seriam irmãs. Joelma disse ainda que atende a senhora agredida há cerca de dois anos. Contou que a agredida não seria uma idosa – teria cerca de 40 anos. E que ela teria problemas de deficiência mental, sendo essa uma das causas da dificuldade de locomoção. “Atendo ela há bastante tempo, ela tinha um problema nas unhas dos pés – que nós tratamos – e agora faz acompanhamento. Sempre foi a irmã que a trouxe, e eu nunca vi nada de anormal. Ela, inclusive, chegou a nós indicada por uma fisioterapeuta que trabalha aqui na clínica e que a atendia na casa delas. Ela nunca notou nenhum sinal de agressão”, relatou.

 

Segundo Joelma, a irmã da mulher agredida estaria passando por momentos difíceis, porque estaria cuidando de dois irmãos, ambos com deficiência, e ainda da mãe, que estaria com câncer. “Ela (a agressora) perdeu o pai no ano passado. Agora, cuida dessa senhora que é nossa paciente, de outro irmão com deficiência e da mãe doente. Sei que nada justifica uma agressão, mas ela deve estar passando por um momento muito difícil e as pessoas hoje em dia julgam com muita facilidade”, argumentou Joelma, relatando que está sendo vítima de ofensas na internet, por supostamente não ter denunciado o ocorrido.

 

“Eu só vi o que aconteceu no vídeo depois. Eu fico trabalhando dentro da clínica, assim como minhas funcionárias. Nós saímos quando ouvimos a discussão (com o casal de outro carro, grifo nosso), mas eu não vi o ocorrido, que foi na rua”, contou, acrescentando: “Não posso denunciar o que eu não vi, não tenho nem como testemunhar nada”, pontuou. 

 

Joelma disse que soube que a agressora teria sido indiciada, e que o caso já está sendo investigado. A secretária de Direitos Humanos e das Mulheres da prefeitura de Volta Redonda, Dayse Penna, confirmou que sua pasta está acompanhando o caso, que chocou os internautas.   

 

Deixe uma resposta