Grampos

Dinheiro (I) – Na tarde de quinta, 19, o presidente da Câmara de Volta Redonda, Edson Quinto, anunciou que a Casa deverá ter uma “sobra de caixa” da ordem de R$ 850 mil. Anteriormente, a verba – proveniente do chamado duodécimo enviado pela prefeitura – era devolvida para os cofres do Palácio 17 de Julho, mas a partir deste ano será depositada em um ‘fundo especial’ da própria Câmara, criado em julho. “Nós ainda não sabemos ao certo quanto poderemos destinar, por conta do bloqueio das contas da prefeitura determinada pelo Tribunal de Justiça (já desfeito, grifo nosso). Mas quando assumimos essa gestão nos preparamos para o pior cenário, pela crise que passava o nosso Estado, e tomamos várias medidas de economia”, disse Quinto, que deu a entrevista um dia antes do prazo final para o repasse do duodécimo, ontem, sexta, 20.

Dinheiro (II) –Sobre a hipótese – prevista na lei que criou o fundo especial (nº 144/2018) – de que o dinheiro poderia ser usado para comprar imóveis para uma futura expansão da Casa, Quinto foi categórico: “Essa proposta nunca foi discutida. Para essa gestão, isso não existe. Nunca recebemos ninguém interessado”, afirmou.

Transparente – Edson Quinto aproveitou para fazer um balanço de sua gestão, e afirmou que procurou fazer uma administração transparente. “Não houve polêmicas, ficamos sempre à disposição de vocês da imprensa, que é fundamental na divulgação do trabalho do Legislativo para a população”, pontuou.

Pendências – Como presidente da Câmara, Edson Quinto garante que deixa o cargo com poucas “pendências” para serem votadas em 2020, como por exemplo o Plano Diretor. “Quando foi apresentado pelo Executivo, o Plano Diretor não estava pronto para ser votado, precisava ser modificado. Nós informamos isso ao prefeito Samuca Silva e devolvemos para o Executivo. Por isso, ficou para ser votado na próxima legislatura. Não foi porque não quisemos votar, não estava pronto”, reafirmou Quinto, que considerou a relação com o Executivo “muito tranquila”. 

Peixinho – O ainda tucano Samuca Silva estaria praticamente com os dois pés fora do PSDB. Deve ir de mala e cuia para o partido dos peixinhos, o PSC de Wilson Witzel. Detalhe: estaria indo fortalecer a legenda do governador do Estado do Rio, com as bençãos do ex-prefeito Gotardo e ainda do deputado federal Antônio Furtado (meio a contragosto). A troca de partido deverá ser oficializada às vésperas do fim do prazo de desincompatibilização para as eleições de 2020, para que o PSB não tenha tempo de lançar um nome para concorrer à sucessão de Samuca.

Saindo – O empresário Geraldinho do Gelo (lembram dele?) – que já tentou se lançar candidato a prefeito em 2016, mas desistiu no meio do caminho – deve se lançar ao Palácio 17 de Julho pelo PP. O engraçado é que o homem do gelo, que foi candidato a deputado federal pelo PHS (e perdeu)  já conseguiu apoio de um prefeito de uma cidade vizinha a Volta Redonda.  

Pesquisas – O quadro político em Volta Redonda está tão esquisito que as políticas internas dos principais candidatos a prefeito mostram que até Macaco Tião tem chances de se eleger em 2020.

Bloqueio (I) – Por essa ninguém esperava: na manhã de quarta, 18, em nota oficial divulgada à imprensa, o prefeito Sa-muca Silva informou que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio tinha mandado bloquear 100% do dinheiro que estava depositado em todas as contas da prefeitura de Volta Redonda. Motivo: os recursos seriam desviados para o pagamento de dívidas do Palácio 17 de Julho referentes a desapropriações de terras para a construção do Hospital Regional, contraídas em 2011, “durante a administração passada”. Só não disse qual, e muito menos o valor da mesma.

Bloqueio (II) – Na nota, Samuca fez questão de informar que o bloqueio dos recursos municipais seria “mais uma herança do governo passado, que teria deixado dívidas de mais de R$ 1,7 bilhão”, disse, sem citar o nome do ex-prefeito Neto. “Além de uma série de irregularidades administrativas questionadas por órgãos de controle, como o TCE e o Ministério Público”, acrescentou. “No entanto, a atual administração tem conseguido investir na cidade e honrar pagamentos de salários e fornecedores sem interromper serviços”, frisou.

Bloqueio (III) – Sem abordar o assunto do pagamento do 13º salário, previsto para dois dias depois (sexta, 20), Samuca lamentou a decisão da Justiça e anunciou que estaria se movimentando “para desbloquear as contas e seguir com o fluxo de trabalho”. Tem mais. Disse que o impacto do bloqueio de bens e valores estaria sendo avaliado pela secretaria da Fazenda. E que a “Procuradoria Geral do Município tomaria as devidas providências com a máxima urgência que o caso requer, antes do recesso do Judiciário”, pontuou.

Bloqueio (IV) – A nota explodiu no meio dos servidores públicos de Volta Redonda e ainda entre as empresas que prestam serviços ao Palácio 17 de Julho. Afinal, ninguém queria – e continua não querendo – passar o Natal a ver navios. Ou seja, sem dinheiro no bolso.

Bloqueio (V) – Como a nota oficial do Palácio 17 de Julho não deu detalhes de nada, nem da ação, os boatos começaram a pipocar no meio político e sindical. Alguns adversários de Samuca chegaram a levantar a hipótese de que tudo seria uma armação do próprio prefeito. “O Samuca não tem dinheiro e criou essa história da Justiça bloquear as contas” disse um deles, de forma anônima, é claro. Boato furado, é claro.

Bloqueio (VI) – No frigir dos ovos, a culpa por tantos boatos pode ser jogada em uma das salas do Palácio 17 de Julho. Afinal, a nota oficial deveria ter sido mais detalhada, e não foi. Poderia ter sido liberada depois, e não foi. O que obrigou Samuca a explicar, dois dias depois, que o bloqueio não atingiria todo o dinheiro depositado nas contas da prefeitura de Volta Redonda. Seria apenas de um valor suficiente (R$ 1,2 milhões, descobriu-se depois) para quitar a desapropriação de uma área usada para construir o Hospital Regional no Roma.       

Bloqueio (VIII) – Até o fechamento desta edição o que se sabe é que a área desapropriada era de uma tradicional família da cidade do aço. E teria sido desapropriada no governo Neto por uma ninharia, o que gerou a ação contra a prefeitura de Volta Redonda com pedido de indenização, aceito pela Justiça. Ou seja, caiu no colo de Samuca e fez muitos estragos à imagem do prefeito com a estória de que o governo não teria dinheiro para quitar o 13º do funcionalismo.    

Bloqueio (IX) – O que pouca gente sabe é que, antes mesmo do bloqueio, o secretário de Fazenda da prefeitura de Volta Redonda já estava chamando os fornecedores para ‘pedir tempo’. Ou seja, já não tinha dinheiro suficiente em caixa para zerar os compromissos do mês. As pequenas empresas estão indo à loucura… “A última parcela que minha empresa recebeu foi em agosto”, disse um empresário, ao saber do bloqueio das contas do Palácio 17 de Palácio. 

Show – A festa de fim de ano em Volta Redonda promete. Quem garante é o próprio Samuca. Ele diz que o seu governo vai ‘retomar a grandeza da cidade do aço. Detalhe: o show da virada, na Vila, será uma ‘grande festa privada’. “É isso mesmo”, disparou, informando que os custos serão bancados por empresários, que estão comprando de patrocínio. “A  iniciativa privada vai bancar a festa de fim de ano na Vila”, explica.

Show (II) – O show da Vila, segundo Samuca, vai atrair turistas da região. “Vai movimentar o nosso comércio, e mais, vai resgatar as famílias que estão indo para a Vila. Vai ser um showzaço sertanejo”, disse.

Show (III) – Se alguém estiver interessado, a cota de patrocínio do showzaço da Vila vai de 20 a 100 mil… Quem se habilita?

Show (IV) – O show do Réveillon em Volta Redonda será da dupla sertaneja Marcos e Belutti. O evento vai acontecer em frente ao Escritório Central.

Concurso – Ao falar sobre o concurso que teve 12.820 inscrições brigando por 606 vagas de professores na rede municipal de ensino, o prefeito Samuca Silva concorda com a tese levantada pelo aQui. “Tem gente da região toda, muita gente. Estão vindo caravanas de cidades para fazer essa prova, e passe quem for o melhor, né”, disse durante entrevista ao programa Dário de Paula. “Cheguem antes, saiam de casa com antecedência”, sugeriu.

Creche – Outra novidade anunciada por Samuca será a inauguração de mais uma creche em tempo integral. Será na Avenida Sávio Gama, no Retiro. “É um investimento de R$ 1 milhão e 400 mil e que vai atender 100 crianças”, detalhou, revelando que a festa de inauguração está programada para fevereiro do ano que vem. 

E agora? – Os estacionamentos no estado do Rio deverão ter guichês de pagamento operados por atendentes em número igual à quantidade de máquinas automáticas de cobranças instaladas no local. A determinação é da Lei 8.672/19, de autoria do deputado Rosenverg Reis (MDB) e foi sancionada pelo governador Wilson Witzel. O atendimento presencial deverá estar disponível durante todo o período de funcionamento dos shoppings. Quem descumprir a lei será punido com uma multa equivalente a R$ 3,4 mil, a ser revertida para o Fundo especial de Apoio a Programas de Proteção e Defesa do Consumidor (Feprocon). Em caso de reincidência, a aplicação será em dobro.

Ignorado – O vereador Granato, agora na oposição a Samuca, anda fazendo críticas ao prefeito nas redes sociais e pela imprensa. Dizendo-se pré-candidato a prefeito, Granato tem buscado promover um Fla x Flu com Samuca. Tem sido solenemente ignorado.

Partido – Alex Martins, presidente da OAB-VR, anda buscando abrigo no PSB para ser candidato a prefeito. Alex quer ser candidato por um partido de esquerda. Será que é comunista?

Pagamento – Depois de conseguir desbloquear as suas contas bancárias, a prefeitura de Volta Redonda iniciou o pagamento da segunda parcela do 13° salário do funcionalismo ontem mesmo, sexta, 20. Até segunda, 23, todos os pagamentos serão efetuados.

Qualidade de Vida – A secretaria de Planejamento, Transparência e Modernização da Gestão de Volta Redonda criou um Índice de Qualidade de Vida Urbana (IQVU–VR), baseado em uma metodologia utilizada em Belo Horizonte. O Índice vai fornecer informações que auxiliam os gestores públicos na elaboração, execução e avaliação de políticas públicas no município e pode servir como base na tomada de decisões e priorizar ações nas Unidades de Planejamento (UPs) em situação de vulnerabilidade social. O IQVU – VR 2019 está disponível no site oficial da prefeitura, através do link: https://new.voltare-donda.rj.gov.br/8-interno/11-caracteristicas.

Licença ambiental – O Inea acaba de lançar uma novidade que tem tudo para facilitar a vida dos empreendedores – e de quem gosta de acompanhar os processos de licenças ambientais. Envolve a simplificação e a desburocratização do licenciamento ambiental. Para isso, o interessado deverá acessar o portal do Inea: www.inea.rj.gov.br. Na homepage, deverá clicar no banner “consultas a processos e EIAs/Rimas” e, em seguida, clicar em “consultar processos”. O próximo passo será digitar o número do processo ou o nome do interessado ou aplicar os demais filtros, conforme interesse, para localizar o processo desejado, seja ele físico ou digital.

Licença ambiental (II) – O presidente do Inea, Carlos Henrique Vaz, destaca a importância da iniciativa. “Essa consulta unificada tem como objetivo proporcionar ao empreendedor e ao cidadão mais clareza nos trâmites relacionados ao andamento dos processos de licenciamento am-biental”, explica Vaz.

Fiscaliza VR – Menina dos olhos do prefeito Samuca, que o cita toda vez que é questionado por um morador, o aplicativo ‘Fiscaliza VR’, na teoria, aceita críticas, pedidos e sugestões que envolvem a administração municipal. “A população deve usar para ser atendida. Isso aproxima o cidadão do Poder Público”, crê Samuca. Só que, de tanto ouvir a mesma ladainha, um leitor do aQui decidiu testá-lo. Não conseguiu nem se habilitar para usá-lo. Fica o dito pelo não dito.

Chique – Na tarde de terça, 17, ao passar pela Biblioteca Municipal, na Vila, um voltarredondense foi abordado por uma moradora. Era uma senhora, franzina, parecia bem de saúde, e estava acompanhada pelo seu ‘au au’. Queria R$ 1 para comprar ‘comida para o filho’, que não estava ao lado dela. Ele passou direto e não deu a esmola. Depois, arrependido, decidiu voltar para ajudá-la. Foi quando a mulher tirou um celular do bolso para atender a uma ligação. ‘Celular dos bons’, pensou, dando meia volta.      

Professores – Ao todo, 12.820 pessoas se inscreveram para participar do concurso público para os cargos de Docente I e Docente II da secretaria de Educação de Volta Redonda. Vão brigar por 606 vagas em diversas áreas da educação e a prova será realizada amanhã, domingo, 22, sendo para Docente I aplicada pela manhã e para Docente II no período da tarde, possibilitando que os candidatos concorram aos dois cargos no mesmo dia.

Professores – Para quem pensa que a cidade do aço tem mais de 10 mil professores desempregados, fica a explicação. O número de candidatos de fora é muito grande. E a maioria se inscreveu para as duas provas. Sem contar os que já trabalham na prefeitura de Volta Redonda e que buscam obter uma segunda matrícula. 

Bancos – O Sindicato dos Bancários do Sul Fluminense lembrando a quem é cliente de banco que, na véspera de Natal (24), as agências vão abrir em horário especial, das 9 às 11 horas. Já no dia 31, as instituições financeiras não vão abrir para atendimento. Ou seja, o último dia útil do ano para atendimento ao público, com expediente normal para a realização de todas as operações bancárias solicitadas pelos clientes, será 30 de dezembro.  

Na roleta – O processo de substituição dos ônibus nas 33 linhas ainda operadas pela Sul Fluminense entalou em uma das roletas de acesso ao Palácio 17 de Julho. Será que Samuca desistiu da alardeada mudança?      

Ponto facultativo – A prefeitura de Barra Mansa decretou ponto facultativo nas repartições públicas municipais nos dias 24, 26, 27, 30 e 31 de dezembro. Os servidores só voltam ao batente no ano que vem, dia 2 de janeiro.

Deixe uma resposta