quinta-feira, novembro 25, 2021
HomeEditoriasEsporteBate bola - Sergio Luiz

Bate bola – Sergio Luiz

Este é o time do Juventus do Retiro em 1975/76. Pertence ao acervo do Paulo Miranda. Em pé da esquerda para a direita: (NI), Paulão, Dejair, Carlinhos Moreira, Paulo Valeta, Luisinho Moreira e Pedrinho da 60. Agachados: Tatu (treinador), Divino, Paulo Carvalho, João Caroço, Wilson pé na cova, Hélcio e Wilson

 

Haja!!!

Quem me acompanha ao longo dos últimos 20 anos, sabe que eu não peço desculpas pelo que escrevo. Pelas minhas opiniões. São minhas e não abro mão, bem como respeito a opinião daqueles que discordam de mim. Afinal, não sou o dono da verdade. Digo isso porque fui contestado pelo presidente do Conselho Deliberativo do Volta Redonda por ter dito que a atual diretoria do Voltaço está se especializando em manter o time na série C. Para essa ‘ilustre figura’, eu só sei criticar.
O engraçado é que o cidadão (não vou citar seu nome para não lhe dar Ibope) foi para as redes sociais falar em nome de todo o Conselho, como se eu tivesse criticado a ele, como presidente, ou a algum outro conselheiro. E isso não é verdade. Tem mais. Para minha felicidade, acabei recebendo apoio maciço da maioria dos poucos torcedores que leram o que ele postou.
Deveria aproveitar as críticas que eu escrevi sobre o Voltaço – e não contra ele – para fazer uma análise real, honesta, desinteressada, sobre o que ocorre no clube, no campo e fora dele. Mesmo que não tenha tanta – ou nenhuma – experiência de Voltaço. Aliás, devo dizer a ele que vivo o Voltaço há 45 anos; que tenho uma longa história e que não é qualquer um que vai prejudicá-la.
Descrever o que já fiz, juntamente com muitos abnegados e desinteressados torcedores, não caberia em uma página. Só para relembrar, temos o caso do ‘Mutirão do Voltaço’, que encabeçamos em 1986, junto com o saudoso professor e vereador Gibraltar Vidal, quando o time rebaixado, corria o risco de morrer, de acabar. O movimento histórico jamais será esquecido, e dele muito me orgulho. Temos ainda a campanha dos torcedores, que resultou em 4.000 sócios para o tricolor de aço. Sem falar nas viagens para transmitir os jogos do Volta Redonda por todo o Brasil. Sem medir sacrifícios.
É por essas e outras que tenho base para criticar e até elogiar, desde que alguém faça por merecer. Não saio distribuindo elogios à toa. E minhas críticas não são pessoais. São dirigidas aqueles que exercem um cargo público, mesmo à frente do Voltaço, uma empresa que administra – e mal – um time profissional, e não um time de várzea.
A esse presidente do Conselho, que faz de tudo para mostrar o quanto é leal aos atuais dirigentes do Volta Redonda, o que acho até legal por parte dele, fica a dica: esqueça as críticas da imprensa e pare de querer dar show. Deixe isso para os jogadores. Procure fazer – e bem – a sua parte, que é fiscalizar o clube, que anda mal feita. Não diga sim a tudo o que lhe empurram goela abaixo. Lidere uma campanha de sócios, se és capaz, assim como fizemos nos tempos das vacas magras. Ajude o clube. Veja o que está errado e faça tudo para que os responsáveis corrijam seus erros. Se espelhe no seu saudoso avô e meu amigo, o querido coronel Nilson Pragana, que foi um dos melhores presidentes do Conselho do Voltaço. Sei que é difícil para você, porque está longe de ser como ele, de ter a personalidade que ele tinha. Enfim, com todo respeito à vossa senhoria, não tenho tempo a perder com suas ‘críticas’. Tenho dito!

Requentada
O presidente do Conselho Deliberativo do Voltaço postou a notícia de que a CBF teria divulgado um novo ranking dos clubes e que o Volta Redonda estaria em 55º lugar, o que seria a melhor colocação na história do clube. Primeiramente, o Ranking da CBF é atualizado uma vez por ano e a última foi feita em 1/3/2021.(vide quadro abaixo). Além disso, o presidente não deve saber que o Voltaço já esteve nas séries A, B e C dos campeonatos brasileiros, que já teve vários nomes. Isso desde a sua fundação em 1976, quando era Copa União, depois Taça de Prata até chegar ao Brasileirão. Acho até que é uma boa colocação no ranking. Opinião que muda quando vejo os clubes que estão à frente do Voltaço. Requentar notícia não vale presidente. Fica feio!

História
Mais uma do meu amigo Garcia. Conta que que Ditão Navalhada, um becão de várzea, em Jamapará, distrito de Sapucaia, parecia mais um guarda-roupas de caviúna. Além de forte, era bravo e gostava de confusão. Durante um jogo, o juiz marcou uma falta na entrada da área a favor do seu time. O próprio Navalhada foi cobrar, só que o juiz avisou: “Dois toques, Ditão”. O nosso herói não conversou e, autorizado, deu um toque para ele mesmo e mandou um bicudo. Pimba, gool! Ditão correu para o abraço e o juiz preservando sua preciosa vida, tratou de correr para o meio campo, confirmando o gol de dois toques, sob protestos do time adversário. Farias diferente? É mole.

Master 40/50
As semifinais dos campeonatos de masters 40 e 50, da LDVR, apresentam os seguintes jogos: Master 40 – Capitólio joga pelo empate com o Comercial , em Pinheiral. No outro jogo o Arrozal pega o Eldorado, no Siderlândia, e joga por dois resultados. Os dois jogos estão marcados para as 15 horas. Master 50: No São Luiz, o time da casa enfrenta o Monte Castelo, por dois resultados. Enquanto isso, Eldorado e Novo Mundo, jogam no Campo 2 do Aero. O primeiro joga por dois resultados.

Estreia
A Federação Carioca sorteou os jogos da Taça Guanabara de 2022. O Voltaço, finalmente, vai estrear em casa. Pega o Vasco e logo na segunda rodada, também no Raulino, enfrentará o Flamengo. Falta apenas confirmar a data do início do torneio. Pode ser no dia 19 ou 26 de janeiro. Uma boa!

Bola fora
Para o árbitro, o auxiliar e o VAR- Árbitro de Vídeo do jogo Brasil e Argentina, que não viram a agressão do zagueiro Otamendi no atacante Raphinha. Foram merecidamente afastados pela Conmebol e deverão receber também severa punição da Fifa.

Bola dentro
Para a garotada do Brasil, que enfrentou os maliciosos hermanos com personalidade. Não se intimidaram com as provocações e mostraram que pode estar surgindo uma seleção de cara nova. É deixar os garotos jogarem nas próximas partidas. Foi um 0 a 0, com gostinho de vitória. Valeu!

Previous articleCom Covid-19
Next articleNeto, paz e amor
ARTIGOS RELACIONADOS

Bate bola – Sergio Luiz

Bate Bola – Sérgio Luiz

Bate bola – Sergio Luiz

LEIA MAIS

COMENTÁRIOS RECENTES

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp