quinta-feira, maio 26, 2022
CasaGERALTodo cuidado é pouco

Todo cuidado é pouco

Golpes amorosos nas redes sociais podem levar a grandes perdas

Imagine encontrar um interesse romântico pelas redes sociais e depois descobrir com o tempo que nada mais se tratava do que um golpe amoroso. Pois isso é cada vez mais comum nas redes sociais, com criminosos criando um falso relacionamento com as vítimas e depois se utilizando disso para extorquir dinheiro.
“São muitas as formas que os golpistas utilizam para enganar internautas desavisados, podendo ir desde a criação de um vínculo para depois pedir ajuda financeira, até mesmo a solicitações de envio de fotos íntimas (os famosos nudes), para depois chantagear as vítimas”, explica Afonso Morais, CEO da Morais Advogados e especialista em golpes financeiros.
Ele conta que os criminosos se aproveitam do anonimato das redes sociais para se passarem por outras pessoas e, em trocas de mensagens, criarem um falso laço sentimental, para posteriormente se aproveitar.
“São ações de grande crueldade, pois, além do crime financeiro, as vítimas também sofrem com o sentimento de traição, de terem sido enganadas. Muitas vezes essas são até criticadas por parcela da sociedade, que não entendem o fato de que foram vítimas de um golpe elaborado”, explica Afonso Morais.
Um exemplo foi o caso de Maria* (*nome fictício), que mora em uma cidade da grande São Paulo e que teve contato via redes sociais com um homem, que falou que já a conhecia. Mostrando as fotos para os vizinhos esses confirmaram que era uma pessoa conhecida, o que aumentou a confiança.
Com o desenvolvimento do relacionamento, o homem afirmou que teria que viajar para Dubai, até então tudo estava normal. Mas, depois, ele informou que tinha que enviar um material para o Brasil e se ela poderia receber. Ao aceitar, depois de um tempo, ela foi informada de que teria que pagar um valor para liberar o material. O que ela fez.
Posteriormente afirmaram que o que ela recebeu poderia ser considerado lavagem de dinheiro, solicitando mais dois depósitos para que não houvesse complicações. Na terceira solicitação ela procurou a polícia de sua cidade, que informou que não existiam esses procedimentos.
Maria agora está em busca de recuperar os valores extorquidos, que foram maiores do que R$ 20 mil. Por isso, procurou ajuda jurídica, mas o processo é bastante complicado.
Outros golpes
O caso de Maria* é chamado de ‘Golpe do amor’, que geralmente atinge mulheres entre 40 e 70 anos. Nele, os golpistas pedem dinheiro para que possam ter acesso a bens e quantias em espécie supostamente retidos em aeroportos. Mas existem outros golpes a se atentar, como:
Encontro falso – neste, a pessoa (geralmente homem) agenda um encontro com alguém por meio do app de paqueras e, no local, a pessoa pode ter seus pertences roubados ou até ser sequestrada por uma quadrilha para saques ou transferências de valores. Existem casos em que as pessoas também são drogadas no que se costuma chamar de “Boa Noite Cinderela”.
Sextorsão – a pessoa começa a trocar mensagens e fotos (nudes) com um ‘parceiro’ e depois vira vítima de extorsão para não ter esses dados divulgados. Nesse caso também as pessoas podem ser vítimas de hackers.
Catfishing – são perfis fakes que as pessoas utilizam para obter vantagens, principalmente financeiras. Geralmente a pessoa utiliza fotos de modelos e tem um bom papo, em um caso que é muito difícil recuperar os valores.
“Como pode ver, os golpistas inventam histórias elaboradas e envolvem muito bem as vítimas. Todo cuidado é pouco em relacionamentos, principalmente quando esses têm início pelas redes sociais”, avalia Afonso Morais. Ele conta que é preciso analisar muito bem com quem está falando, suspeitar de quem não conhece e, por mais que tenha criado um vínculo, se atentar sempre às solicitações de ajudas financeiras. “É complicado quando se envolve sentimentos, mas é preciso um certo grau de frieza no mundo on-line”, argumentou Afonso Morais, lembrando que nunca se deve fazer depósitos nesses casos e sempre que ocorrem histórias que precisam de dinheiro é interessante buscar órgãos oficiais para saber se elas condizem com a verdade ou não. Ao sofrer esse tipo de golpe, o caminho é entrar em contato com a instituição financeira e tentar sustar o pagamento.
“Também é preciso fazer um boletim de ocorrência e buscar ajuda especializada. Mas um ponto importante é não se deixar abater psicologicamente, pois isso faz com que as pessoas sintam vergonha de buscar por seus direitos. É importante ter em mente que os criminosos são cruéis e aproveitam da boa-fé das pessoas”, finaliza Afonso Morais.

Artigo anteriorBarrado na roleta
Artigo seguinteLazer
ARTIGOS RELACIONADOS

Mudo e com a mão no bolso

Estado

LEIA MAIS

Lazer

Mudo e com a mão no bolso

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp