quarta-feira, maio 25, 2022
CasaEditoriasArtigosWill Smith, a bofetada e a jovem psiquiatra

Will Smith, a bofetada e a jovem psiquiatra

Will Smith, a bofetada e a jovem psiquiatra
A festa do Oscar de 2022 será relembrada como aquela em que um ator candidato à maior categoria da premiação, o Oscar de Melhor Ator, subiu ao palco para esbofetear o apresentador na frente de milhões de pessoas.
Tomei conhecimento do fato na manhã seguinte do prêmio, e cliquei no discurso desse ator, Will Smith, ao receber a sua estatueta. Confesso que esse discurso me causou muito mais desconforto do que a bofetada. Fui trabalhar com essa sensação de estranheza, mas não iria falar nada sobre o assunto se não fosse uma postagem de uma jovem colega psiquiatra no Instagram. A moça comentava que, apesar da cena da bofetada ter sido o destaque, as pessoas precisavam atentar ao seu discurso, que, segundo ela, tinha sido “lindo”. Aí eu realmente fiquei preocupado, e minha veia antiga de formador de jovens psiquiatras começou a pulsar sem parar aqui dentro. Se a moça achou o discurso lindo, não entende de discursos ou precisa de uma orientação mais acurada sobre sintomas que saltariam aos olhos de qualquer profissional medianamente formado. Vou explicar então, para ela e para quem me honra lendo esse texto, porque o discurso é mais preocupante que a bofetada. Friso, antes de mais nada, que não há nenhuma pretensão em diagnosticar ou desrespeitar o ator que bateu ou o comediante que apanhou. Muito menos ser indelicado com os bons sentimentos da jovem colega.
Para quem não sabe a origem da treta, Chris Rock, apresentador da festa do Oscar conhecido pelo humor ágil e às vezes mais ácido do que devia, fez uma piada sobre a esposa de Will Smith, Jada Pickett Smith, que raspou os cabelos após uma longa batalha contra uma doença, Alopécia. Essa é uma doença particularmente cruel com mulheres, que provoca constante perda de grande quantidade de cabelos. Chris comentou que ela seria escalada para a continuação de um filme, “GI Jane”, em alusão ao fato que a atriz principal desse filme antigo, Demi Moore, fazia o papel de uma jovem que raspava o cabelo para ser a única mulher a ingressar na tropa de elite da Marinha Americana. A comparação foi sobre a careca, o que deixou Jada desconfortável. Will subiu ao palco enfurecido e deu a famosa bofetada, que virou o meme mais reproduzido no mundo nos dias que se seguiram. Chris Rock, para quem não sabe, é autor do sitcom “Todo Mundo Odeia o Cris”, sobre as desventuras de sua juventude. Pelo visto, o título tem razão. Will também gritou: “Deixe o nome da minha esposa fora da p…da sua boca”.
Por estranho que pareça, a organização deixou Will Smith participar e continuar no teatro depois do ocorrido. Se Chris Rock tinha outra piada sobre a família Smith, guardou para si. O Oscar de Melhor Ator foi dado a Will, como era esperado. O discurso banhado em lágrimas, não foi lindo, foi bizarro. Nele, Will Smith falou que estava no limite pela missão que Deus tinha dado a ele, de defender a sua família nesse mundo extremamente cruel do Show Business. Ele precisava proteger a atriz que fez a sua esposa e as meninas que interpretaram as irmãs Williams no filme que lhe deu o Oscar, King Richard. Ele também teria a missão de ser “Um Rio para seu povo” e, como a vida imita a arte, ele tinha agido como um “Pai Louco”, como Richard Williams era conhecido como um pai maluco e superprotetor de suas filhas, Vênus e Serena Williams. Ele, como Richard, faz coisas loucas porque “o amor nos faz fazer coisas loucas”. Agradeceu à sua família no filme, agradeceu à Serena e Vênus Williams, que aplaudiram com uma expressão assustada e constrangida toda aquela verborreia confusa, desconexa, e banhada em lágrimas, não pela vitória, mas por se tornar “uma luz para o mundo”. Will Smith agradeceu e se elegeu no protetor de sua família no cinema, mas esqueceu de citar a sua família na vida real. Não mencionou nenhuma vez seus filhos, que estavam sendo focalizados pelas câmeras durante seu discurso.
Querida e jovem colega, Will Smith está sobrecarregado. Por Deus, por sua missão, por sua Missão de Protetor da Família e deu Povo (aliás, quem faz parte de seu Povo? Os Americanos? Os Afro-Americanos? As atrizes do filme? As vítimas de piadas de péssimo gosto?). A sobrecarga e o estresse de Will Smith provocaram um colapso em sua capacidade de regular suas emoções, seu discurso messiânico e seu comportamento, agredindo um colega de profissão diante de centenas de colegas e milhões de expectadores. O seu discurso não foi lindo, mas um agregado de sintomas que podem ter várias causas de base. No mínimo, são evidências claras que o ator premiado com o maior prêmio na sua categoria está precisando de cuidados e de ajuda. Tomara que consiga admitir a necessidade de procurar essa ajuda, o que estatisticamente é mais difícil para homens e para celebridades.
O que aconteceu na festa do Oscar chama a atenção para um mundo em que as pessoas estão se forçando até os mais desumanos limites, virando memes e viralizando o próprio desespero.
Marco Antonio Spinelli é médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta junguiano e autor do livro “Stress o Coelho de Alice Tem Sempre Muita Pressa

Artigo anteriorPerdendo tempo?
Artigo seguinteLazer
ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Lazer

Mudo e com a mão no bolso

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp