terça-feira, abril 16, 2024
CasaEditoriasEspecialVídeo de suicídio em VR acaba caindo em mãos erradas

Vídeo de suicídio em VR acaba caindo em mãos erradas

Por Mateus Gusmão

As câmeras de monitoramento da prefeitura de Volta Redonda geraram uma nova polêmica. A pior até então. É que no sábado, 17, vários grupos de WhatsApp passaram a postar o vídeo de uma jovem pulando da Ponte Dom Waldyr Calheiros, que liga o Aterrado ao Aero Clube. As imagens, chocantes, acabaram viralizando, e, importante, teriam sido feitas por uma das câmeras do projeto ‘Cidade monitorada’, da Secretaria de Ordem Pública de Volta Redon- da, que nem as utilizou na sua propaganda oficial diária nas redes sociais, como faz quando tem algum flagrante policial.
A cena, como não poderia deixar de ser, logo viralizou. Diversos perfis, visando ter mais engajamento e visualização, divulgaram o vídeo. A mulher que pulou da ponte, M.S., 21 anos, trabalhava em um bar no Monte Castelo e tinha três filhos. Seu corpo só foi encontrado na segunda, 19, na altura da Elevatória de Santa Cecília, em Barra do Piraí.
A divulgação do caso, além da tragédia em si, reacendeu uma polêmica: o controle das imagens que são capturadas pelas câmeras da prefeitura de Volta Redonda. É que, se um vídeo com uma cena tão marcante, como a de um suicídio, acabou indo parar nos grupos de WhatsApp, o que mais estaria sendo gravado e utilizado para, digamos, fins que não são os esperados?
Procurada para tratar do tema, a Secretaria de Ordem Pública não respondeu à reportagem do aQui. Perdeu a chance de explicar como o vídeo foi parar em mãos erradas. Tem mais. Poderia explicar também se a divulgação do vídeo teria sido autorizada. Em caso contrário, se a pessoa que fez o vídeo já teria sido identificada e se haveria alguma punição aos envolvidos na captura e divulgação do vídeo. Além disso, poderia informar que medidas passará a adotar para evitar novos vazamentos de imagens e vídeos.

Acesso às câmeras
Coincidência ou não, dias após o vazamento das imagens, na segunda, 19, a Secretaria de Ordem Pública destacou que oferece segurança e praticidade aos moradores de Volta Redonda por meio das câmeras do ‘Cidade Monitorada’. E que as imagens podem auxiliar os cidadãos na elucidação de acidentes de trânsito, desaparecimentos e crimes. Esqueceu de informar que não consegue evitar situações como a de sexta. Segundo a postagem da Semop, as câmeras da pasta possuem uma identidade visual (um adesivo com a marca do projeto estampado), facilitando a identificação dos equipamentos e até inibindo a prática de delitos. Para ter acesso às imagens, o solicitante deverá procurar as autoridades, seja fazendo o Registro de Ocorrência na delegacia ou o e-Brat em caso de acidente de trânsito. Detalhe: tem que levar um pendrive para a gravação do vídeo. A gravação pode ser solicitada junto ao Ciosp pelo telefone (24) 3340- 2290.

Crime solucionado por câmeras de lojistas
Na edição 1389, o aQui já tinha mostrado que as câmeras do ‘Cidade monitorada’ realmente podem ajudar a diminuir os crimes patrimoniais – roubo a pedestres e a estabelecimentos comerciais, mas que deixavam a desejar em casos de homicídios. Pior. Que as imagens gravadas pela Semop não estavam ajudando a elucidar crimes graves. E a reportagem estava correta.
Prova disso é o caso do assassinato de Edson Martins de Almeida, 24, em uma loja de produtos de celulares no Aterrado. O principal suspeito do crime só foi reconhecido por conta de imagens gravadas por câmeras de lojistas da Rua 535, nas proximidades do Raulino de Oliveira. O crime aconteceu na manhã de 27 de janeiro, na Rua 556, no Aterrado – quase em frente à prefeitura de Volta Redonda. Na ocasião, dois homens chegaram em um carro, identificado por câmeras dos lojistas e não da Semop. Eles usavam roupas de entregadores de um aplicativo de delivery. Na loja, renderam os funcionários e um cliente. Não satisfeitos, deram uma coronhada na cabeça de Edson Martins de Almeida e acabaram disparando um tiro, que o matou.
Na segunda, 19, a Polícia Civil divulgou imagens do principal suspeito do crime. Trata-se de Ricardo Santos de Oliveira, o “Tim Tim”, de 33 anos. Ele está foragido, aparece nas gravações (seu rosto aparece nítido ao andar pela Rua 353) e, por conta de suas tatuagens, os policiais conseguiram identificá-lo. A Polícia Civil pede para quem tiver informações sobre a localização de Ricardo Oliveira, o “Tim Tim”, que utilize os seguintes canais de atendimento: Disque-denúncia 93a DP (24) 3339-2462 e (24) 99271-6936. O anonimato é garantido.

ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp