Sem moedas

Recentemente, como o aQui já divulgou, o prefeito Samuca Silva fez uma exigência à sua equipe: que o edital de licitação das 31 linhas da Sul Fluminense fosse publicado com a máxima urgência. E foi. Já está, inclusive, disponível no site da prefeitura, e saiu na edição de quinta, 15, do jornal O Dia. Até prova em contrário, será realizado às 9 horas do dia 17 de setembro. Isso se o edital não cair em exigências, que são comuns, quando os burocratas do Tribunal de Contas do Estado começarem a analisá-lo. O do estacionamento rotativo (ver abaixo), por exemplo, começou em março de 2018 e ainda não foi concluído. E quando os técnicos do TCE irão liberá-lo? “Só Deus sabe”, responde uma fonte próxima ao Palácio 17 de Julho, lembrando que o TCE, desde a prisão de vários conselheiros acusados de corrupção na Lava-Jato, passou a ser mais rigoroso do que nunca na apreciação dos projetos.
A fonte tem razão. E isso, segundo ela, pode prejudicar a ideia de Samuca de andar, até o Natal deste ano, nos ônibus da empresa que vier a substituir, especificamente, a Sul Fluminense em suas 31 linhas. “O edital já saiu, mas quem entende do assunto sabe que isso (a concorrência) vai demorar muito a sair do papel. Esse ano não deve sair; até o final do mandato (do prefeito, em dezembro de 2020), pode ser que saia”, exagera. “Se ele (Samuca) se reeleger, isso pode acontecer”, sentenciou, referindo-se ao sonho do chefe do Executivo de andar em ônibus novos.
O raciocínio da fonte é lógico. “O caso do VR Parking é de março de 2018 e até hoje, quase dois anos depois, não saiu do papel. E olha que essa concorrência não atinge o interesse de tantas empresas, como a das 31 linhas da Sul Fluminense deverá atingir”, comparou. “Fora as empresas da região, outras dezenas serão atraídas, como as da Baixada e do Rio de Janeiro”, calcula.
Há quem discorde da teoria. Motivo: o edital 001/2019 estipula que o preço das passagens – R$ 3,80 – será mantido nas 31 linhas que forem operadas pela empresa vencedora da concorrência. “A tarifa de R$ 3,80 deverá ser mantida e tal valor não poderá ser revisto tendo em vista as linhas de ônibus já existentes no município”, determina a Nota III.
O problema em atrair novas empresas reside justamente nesse pequeno detalhe, pois as empresas que atuam em Volta Redonda reclamam da tarifa de R$ 3,80 que Samuca insiste em manter, apesar dos constantes reajustes de óleo diesel, pneus etc. Sem contar os pedidos de aumentos salariais que a classe dos rodoviários exige. Ameaçam até entrar em greve.
‘Eu tô angustiado’
Samuca discorda. Em entrevista ao programa de rádio Fato Popular, de Betinho Albertassi, na manhã de terça, 13, o prefeito explicou o que estava acontecendo com a futura concorrência das 31 linhas da Sul Fluminense. “Eu estou pessoalmente engajado nessa situação. Nós já submetemos (o edital) ao Tribunal de Contas do Estado, e o que depende de nós estamos fazendo. Temos que agradecer aos técnicos, aos servidores, às pessoas que fizeram o edital em tempo recorde para ser submetido previamente ao TCE. Isso se chama sustentabilidade. Quando você submete previamente ao tribunal, quando toda análise da licitação é efetuada, são menores os riscos da licitação ser revogada”, avalia.
Samuca foi além. “Vou fazer um retrospecto: eu baixei um decreto declarando nulo, caduco, aquele contrato lá de trás (das concessões). Nunca teve uma licitação de ônibus em Volta Redonda, o que talvez justifique esse serviço ruim da Sul Fluminense. Aí, eles entraram na Justiça. Nós lemos todos os embargos e decisões judiciais possíveis, o que possibilitou submeter o edital ao Tribunal de Contas. É um processo demorado”, desabafou. “Eu tô angustiado, assim como a população que usa o transporte público. Lembro que no meu primeiro dia de trabalho fui de ônibus trabalhar. Dei a clara demonstração que minha prioridade era a população, o povo. Só que agora eu tenho que esperar (pela aprovação do TCE, grifo nosso). Mas acredito que até dezembro nós teremos ônibus novos de uma nova empresa rodando pelas ruas de Volta Redonda. Está perto de se resolver. Eu tô doido para que isso aconteça”, completou.
Para finalizar, Sa-muca garantiu a Betinho Albertassi que a situação nas linhas da Sul Fluminense continua caótica. “Eu recebo todos os dias vídeos, fotos, manifestações, reclamações. Agora, por exemplo, se nós fizermos uma nova fiscalização, vamos aplicar várias multas. Multas que não serão pagas”, disparou contra os empresários. “Eu já escolhi meu lado, meu lado da mesa é o do povo, meu lado da mesa é o de quem mais precisa de transporte público e vou até as últimas instâncias, vou aonde for preciso para que esses direitos sejam garantidos”, finalizou.

Deixe uma resposta