terça-feira, abril 16, 2024
CasaEditoriasEstadoSem lavagem de dinheiro

Sem lavagem de dinheiro

Estado e União definem estratégias para o início das ações conjuntas de asfixia ao crime organizado

Para reforçar o combate às milícias e narcomilícias e asfixiar a atuação desses grupos criminosos, os governos Estadual e Federal formalizaram na quarta, 1, o Comitê Integrado de Investigação Financeira e Recuperação de Ativos (CIIFRA). A criação do comitê é uma iniciativa inédita em todo o país e se dará por um acordo de cooperação técnica, conforme definido em reunião realizada na segunda, 30, entre representantes do Executivo fluminense e do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) na sede da pasta, em Brasília.
O CIIFRA será formado por membros do MJSP, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Senasp e secretarias de Estado de Polícia Civil (Sepol) e da Fazenda (Sefaz). O Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) serão convidados a fazer parte da força- tarefa. “São várias missões importantes para o enfrentamento do tema. Mas acho que inauguramos uma dimensão inédita, que é a integração das Inteligências das forças de segurança e dos órgãos de controle federais com as Inteligências dos respectivos órgãos estaduais do Rio de Janeiro, o que poderá ser um exemplo para o Brasil todo. Isso permitirá o combate aos crimes financeiros com maior velocidade”, declarou o secretário de Estado da Casa Civil do Rio de Janeiro, Nicola Miccione, que representou o governador Cláudio Castro, ao lado do secretário de Polícia Civil, delegado Marcus Amim.
O ministro Flávio Dino destacou que os trabalhos buscam “desidratar financeiramente o crime organizado”. “Inteligência, investigações de competência federal e apoio aos estados. Nós partimos de um plano geral que já apresentamos e, agora, estamos detalhando à luz da realidade concreta”, afirmou o ministro, destacando o reforço de efetivo das forças federais em território fluminense.
Secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli enalteceu a proposta que viabiliza a integração da Polícia Civil com os órgãos federais. “A nossa meta é que, na próxima quarta-feira, o ministro Flávio Dino e o governador Cláudio Castro assinem já a formalização desse comitê integrado e, na semana que vem, já estarmos trabalhando. Estamos colocando em prática a lógica do Susp, o Sistema Único de Segurança Pública, integrando entes federados com um objetivo concreto, que é a investigação de crimes financeiros e lavagem de dinheiro. A descapitalização dessas organizações criminosas é decisiva para a gente reduzir o potencial ofensivo delas e poder desmantelá-las”, afirmou o secretário-executivo do ministério.
O secretário Marcus Amim ressaltou a importância da integração entre os órgãos para a asfixia financeira das quadrilhas. “Nosso objetivo é integrar cada vez mais as instituições de forma a monitorar e asfixiar as movimentações financeiras das organizações criminosas. Não só as do Rio de Janeiro, mas todas aquelas que dialogam ou têm algum tipo de atuação no território fluminense”, afirmou o secretário de Polícia Civil do Rio de Janeiro.
Sem lavagem de dinheiro
Vale ressaltar que o trabalho desenvolvido pelo Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro (LAB-LD) da Polícia Civil é precursor no fomento da cultura de investigação financeira e patrimonial, representando uma mudança de paradigma no segmento. Apenas nos últimos três anos, a instituição representou junto à Justiça pelo bloqueio de mais de R$ 13 bilhões em bens e valores de organizações criminosas. Já no que diz respeito ao combate à corrupção, os valores ultrapassam R$ 140 bilhões.
Pela Polícia Civil também estiveram presentes o subsecretário de Inteligência, delegado Flávio Porto; o diretor do Departamento-Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro, delegado Gustavo Rodrigues; e a coordenadora do Gabinete de Recuperação de Ativos, delegada Renata Montenegro.

Artigo anterior
Artigo seguinte
ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp