terça-feira, abril 16, 2024
CasaGERALSão João Batista promove campanha de combate à sífilis congênit

São João Batista promove campanha de combate à sífilis congênit

O Hospital São João Batista está chamando a atenção para o combate à sífilis congênita e ampliou, durante o mês de outubro, as ações de conscientização da importância do diagnóstico precoce da gestante, para que não haja contaminação transplacentária para o feto, mas o trabalho acontece durante todo o ano. A médica-pediatra Thais Junqueira Ferraz Villela, que coordena o setor de Pediatria e o alojamento conjunto da maternidade do Hospital São João Batista, faz um alerta para as mulheres que desejam engravidar ou estão gestantes. “A sífilis é uma Doença Sexualmente Transmissível (DST), que pode ser evitada com o uso de camisinha, feminina ou masculina, provocada por bactéria – a Treponema pallidum. Mas a doença tem tratamento ofertado gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Basta procurar uma das 46 unidades da Atenção Primária à Saúde do município ou o Centro de Doenças Infecciosas (CDI) e fazer o teste”, avisou Thais.
A pediatra alerta que, caso a mulher que quer engravidar ou a gestante teste positivo
para a sífilis, é indicado que o parceiro também seja testado para que os dois passem pelo tratamento, que é feito com a penicilina benzatina (benzetacil) na própria unidade de saúde de referência da paciente. “A continuidade e conclusão do tratamento são funda- mentais para que o feto não seja contaminado. De qualquer forma, no pré-parto, toda gestante é testada para sífilis. Caso dê positivo, a criança também faz o teste logo após o nascimento e, se identificada, a doença é tratada no próprio hospital. Em alguns casos ficam internados e, em outros, retornam à unidade para o tratamento”, explicou.

Consequências para o bebê
O tratamento da gestante é fundamental para que não haja contaminação transplacentária, pois a doença pode causar diversas patologias no bebê: convulsão, alteração óssea, problemas de visão, deficiência mental e até levar à morte. “Cuidem-se, cuidem de suas crianças. O diagnóstico e o tratamento estão bem próximos de vocês, em todas as unidades básicas de saúde, e de graça”, reforçou.

ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp