Política & Cia

Projeto com problemas para Samuca

A última sessão da Câmara de Volta Redonda deveria ter acontecido na quinta, 15. Mas, de comum acordo, os parlamentares decidiram realizar uma sessão extraordinária na próxima segunda, 19, às 15 horas. Na pauta, três projetos de lei, sendo que um deles pode gerar dificuldades para o prefeito eleito Samuca. Trata-se do Projeto de Emenda à Lei Orgânica Municipal (Pelom) que cria o Programa de Metas para o Poder Executivo. O autor do PL é o vereador Paulo Baltazar.

 

O PL foi aprovado, em primeira discussão, por unanimidade e na segunda será discutido em segunda votação. A tendência é que seja aprovado sem problemas e resistências. Prevê que Samuca Silva e os próximos prefeitos deverão apresentar 90 dias depois de empossado um Programa de Metas. “Que conterá as prioridades, as ações estratégicas, os indicadores e metas quantitativas para cada um dos setores da Administração Pública”, determina o PL de Baltazar, que já foi prefeito.

 

Tem mais. Antes de enviar seu programa de metas para a Câmara, Samuca (e os próximos mandatários) deverá realizar audiências públicas temáticas para debater seus objetivos. E a cada seis meses, deverá apresentar aos vereadores – com ampla divulgação no Diário Oficial e na mídia local – os indicadores de desempenho. E a final de cada ano, todo prefeito, como é o caso de Samuca, deverá divulgar um relatório completo sobre a execução das metas estabelecidas.  E o documento deverá ser disponibilizado integralmente para os meios de comunicação. Ou seja, haverá uma vigilância constante do governo.

 

No seu Pelom, o experiente Baltazar colocou uma popular jabuticaba, ou seja, um artigo que pouco tem a ver com o objetivo da proposta. É que, segundo o projeto, o prefeito eleito deverá fazer, também no prazo de 90 dias, uma auditoria financeira e contábil em todos os órgãos da administração municipal. Essa auditoria deverá ser feita por auditores independentes e amplamente divulgada.

Só em 2017
Como a coluna antecipou, as contas de 2011 da prefeitura de Volta Redonda só serão julgadas pela Câmara de Vereadores no próximo ano. Quando? Ninguém sabe. Se fossem votadas nos próximos dias, o prefeito teria, no máximo, 13 votos a seu favor. E precisaria de 14.

Líder
Samuca garante que ainda não escolheu quem será seu líder de governo na Câmara de Volta Redonda. Certo é que será um dos vereadores do ‘Grupo dos 8’, formado por quem ainda não tem mandato. Do grupo, os mais experientes são Maurício Pessôa (PSC) e Fábio Buchecha (PTB). O ‘Grupo dos 8’ será a base fiel de Samuca na Casa de Leis.

‘Um grito de heroicidade’
Samuca Silva, Maycon Abrantes e a maioria dos vereadores eleitos não sabem a letra do Hino Oficial de Volta Redonda. Durante a diplomação na Justiça Eleitoral na quinta, 15, todos cantaram o Hino Nacional Brasileiro aos plenos pulmões. Na hora do hino da cidade do aço… silêncio e boca fechada.

maycon_cor

Estadual
O vice-prefeito eleito Maycon Abrantes (PV) confirmou a informação já revelada pelo aQui: será candidato a deputado. “Estou disposto a encarar esse desafio. Vou ser candidato a deputado estadual”, confirmou Maycon, que será secretário da secretaria de Ação Comunitária (Smac), podendo comandar uma das pastas mais poderosas do Palácio 17 de Julho.

Candidato
Essa é exclusiva da coluna: outro membro da equipe de Samuca que deverá ser candidato a deputado estadual é Toninho Oreste, hoje no PSC, que vai comandar a secretaria de Obras e Serviços Públicos. Será que a junção das duas foi para fortalecer o nome do ex-vereador?

 

Deixe uma resposta