Polêmica no cinema

14463217_699172423565080_3680542751573280863_n_cor

Roberto Marinho

Mal foi anunciada, a visita do deputado federal Jair Bolsonaro a Volta Redonda detonou uma guerra sem tamanho nas redes sociais. Grupos pró e contra o polêmico parlamentar – conhecido por suas declarações nada sutis sobre grupos como mulheres, quilombolas, além de elogios desgarrados à ditadura militar e a torturadores – passaram a se digladiar em um debate sem fim. Beirando ao exagero, é claro.

 

Bolsonaro, que desponta como um dos fortes candidatos à presidência nas eleições de 2018, é uma peça nova no complicado xadrez da política brasileira, que passa por momentos turbulentos com as suspeitas sobre Temer, Lula, Dilma, etc etc. Condenado por agredir verbalmente uma petista, a deputada federal Maria do Rosário, Bolsonaro está sendo aguardado na cidade do aço, para fazer uma palestra, na segunda, 21, às 17 horas, no Cine 9 de Abril. Na sexta, 18, os primeiros ingressos gratuitos distribuídos pela organização do evento se esgotaram em poucas horas, causando até uma pequena fila em um dos pontos de distribuição, na Vila Santa Cecília.  

 

A discussão começou por conta do local marcado para a visita. Era para ser no acanhado Teatro Gacemss, na Vila, onde cabem no máximo 450 pessoas. O grupo de Facebook que está promovendo a visita do parlamentar-candidato (ainda não oficialmente, é claro), o “Vem pra Direita”, formado por 22 dissidentes do “Vem pra Rua”, anunciou a visita confirmando o Gacemss, como local da palestra. O que foi desmentido pela direção do teatro, que chegou a soltar uma nota afirmando que não havia nenhum evento agendado com Bolsonaro.

 

Precavendo-se, a direção do Gacemss ressaltou que o estatuto do grêmio artístico cultural “não permite realizar nem receber qualquer manifestação político partidária”. Foi o bastante para a pancadaria virtual começar: até o fechamento desta edição, a postagem tinha tido 593 ‘reações’, 239 compartilhamentos e 165 comentários. O engraçado é que o “pau quebrou” entre admiradores e detratores do deputado.

 

A postagem com a nota do Gacemss negando a visita de Bolsonaro inflamou a página da instituição no Facebook. Um dos comentários, de uma apoiadora do parlamentar, recebeu nada menos que 157 respostas, em um debate que durou exato 24 horas – das 20 horas de domingo, 13, às 20 horas de segunda, 14, momento da última postagem. Mas esse foi só um deles: a mesma senhora continuava procurando “alguém para debater” até à tarde de terça, 15. Os internautas criaram até uma hashtag para homenagear a moça, que pelo visto não deve trabalhar ou, no máximo, trabalha em casa.

 

A direção do Gacemss também foi criticada por não permitir “a pluralidade de ideias”, como pontuaram alguns internautas, muitos deles afirmando não serem eleitores de Bolsonaro. Mesmo com a justificativa da entidade que o local não pode receber eventos político-partidários, houve diversas críticas à negativa da visita do deputado. E tome mais bate boca virtual.

 

O ‘Vem pra Direita’ divulgou uma nota – assinada pela organização do “evento”, mas divulgada nas redes sociais por um dos seus líderes, Hermiton Batista – afirmando que a palestra de Bolsonaro “seria em local muito maior”. Realmente será, pois o Cine 9 de Abril comporá cerca de 1.500 pessoas sentadas. Usando o tom característico do deputado e seus seguidores, o Vem pra Direita culpou a “esquerdalha” de Volta Redonda (“desesperada” com a vinda de Bolsonaro, segundo a nota), pelo recuo da direção do Gacemss. E, na visão dos organizadores, o evento será ainda mais glorioso: “O lado bom desta história é que o tiro da esquerda estérica (sic) saiu pela culatra, já que encontramos um local com capacidade bem superior, bem mais adequada à enorme procura de ingressos”, avaliou.

 

A visita do “mito” a Volta Redonda não é inédita. Às vésperas das eleições de 2013, Bolsonaro esteve na UFF para fazer uma palestra. Na saída, foi achincalhado por um pequeno grupo de petistas, todos jovens. Agora, a situação mudou. Os jovens de direita estão em polvorosa só de pensar em receber o polêmico candidato à sucessão de Temer. Que o debate fique só nas ideias, pelas redes sociais. Ou ao vivo no Cine 9 de abril, com todos respeitando as regras e os bons costumes.

Deixe uma resposta