Pode melhorar

IMG_2358

O prefeito Samuca Silva comemorou o sucesso obtido com a realização da Rua de Compras na Avenida Amaral Peixoto, no domingo, 7. Não é para menos. O evento, que ninguém sabe quem bancou financeiramente, atraiu algo em torno de 25 mil pessoas – cálculos da prefeitura, é claro –, que aproveitaram o dia de descanso para antecipar as  compras do Dia das Mães ou só para passear das 10 às 18 horas. Acompanhado de vários secretários (menos o vice Maycon Abrantes, grifo nosso), Samuca gabou-se do feito. “A Rua de Compras é uma iniciativa para gerar economia, renda e empregos, além de servir de teste, expandindo o evento para outros lugares de Volta Redonda”, avaliou. Prova de que acredita no que fala é que Samuca já anunciou que a próxima ‘Rua de Compras’ será no Retiro, na Avenida Sávio Gama, em 11 de junho, um dia antes do Dia dos Namorados.

 

Mas é bom que Samuca faça uma autocrítica do evento na Amaral Peixoto para não repetir alguns erros. Um deles é com relação ao trânsito. Com a avenida fechada quase que totalmente, o congestionamento foi monstruoso para quem chegava pela São Geraldo com destino a bairros em direção a Barra do Piraí. Tudo ficou complicado do Spani até a entrada da Água Limpa. As ruas da Colina e da São Geraldo ficaram intransitáveis. E os guardas municipais só eram vistos próximos da Amaral Peixoto, ou seja, não estavam nem aí para os problemas que afetavam os motoristas.

 

Os problemas e o sucesso da Rua de Compras provocaram ciúmes e reclamações até de quem vendeu bem na Amaral Peixoto. Um deles, por exemplo, pedindo para não ser identificado, ironizou o feito. “Um lojista amigo meu vendeu mais de R$ 50 mil no domingo; e só vendeu R$ 400 na segunda-feira. O Samuca só concentrou o povo na rua e antecipou as compras que seriam feitas nos dias seguintes. Trocou seis por meia dúzia”, comparou.

 

Outro ponto que deve ser analisado é que a Rua de Compras irritou comerciantes de outros bairros, que nada venderam no domingo. “O shopping ficou às traças, ninguém vendeu nada”, avaliou um deles, pedindo que seu nome não fosse revelado. Outros, entretanto, gostaram e agora exigem a realização da Rua de Compras próximo de seus comércios. Na segunda, 8, o vereador Rodrigo Furtado (PTC) pedia a Samuca que o evento aconteça, além do Retiro, também no Santo Agostinho. “Fomos procurados por empresários de outros bairros solicitando que o evento também ocorra em suas localidades. E isso tem que acontecer, ele tem que oferecer direitos iguais a todos os empresários. E vai permitir até que as pessoas mais humildes, que não têm condições de ir aos grandes centros, possam ter um evento como esse próximo de sua casa”, pediu Rodrigo. Que assim seja!

Números

Até o fechamento desta edição, nem a prefeitura e muito menos as entidades empresariais que ‘supostamente’ investiram na realização da Rua de Compras, tinham divulgado qualquer número que prove o sucesso financeiro do evento na Amaral Peixoto. Mas um dos lojistas que não pôde comemorar o sucesso das vendas lembrou ao aQui que muitos empresários foram prejudicados com a Rua de Compras verde. “O evento da prefeitura beneficiou 90 lojistas do trecho que ficou fechado, da Rua Nossa Senhora das Graças até o Viaduto Heitor Leite Franco. Quem tem loja no trecho do JK até o Floresta só ficou vendo o grande congestionamento de carros na porta de suas lojas”, comparou. “Trinta e três lojistas ficaram a ver carros”, ironizou.

Deixe uma resposta