sábado, fevereiro 24, 2024
CasaEditoriasEspecial“O povo fluminense não aguenta mais tanta roubalheira”

“O povo fluminense não aguenta mais tanta roubalheira”

Candidato do PSB ao governo do Estado, o deputado federal Marcelo Freixo, em entrevista exclusiva ao aQui, falou dos seus projetos para Volta Redonda, Barra Mansa e para o Sul Fluminense. E não deixou por menos, atacou o governador Cláudio Castro, seu principal adversário ao Palácio Guanabara: “A partir de janeiro de 2023, o Rio de Janeiro passará a contar com um governo transparente, honesto e capaz de dialogar com amplos setores da sociedade”, afirmou. Tem mais. Ao contrário de Castro, defende um diálogo especial para com a CSN. Saiba por que lendo abaixo a entrevista de Marcelo Freixo, que está sendo publicada na íntegra:

aQui: O que o senhor pretende fazer, especificamente, por Volta Redonda?
Freixo: O estado do Rio precisa construir uma economia mais diversificada, fortalecendo diferentes setores. Devemos recuperar nossa indústria, pois é ela que gera empregos em escala e de boa qualidade. Sabemos da importância do setor industrial para a cidade de Volta Redonda. A cidade possui hoje 21 mil empregos só na indústria. E esse número pode ser ampliado. Com o Programa Desenvolve Rio vou instituir um pacto pelo desenvolvimento do Estado com base na melhoria do ambiente de negócios, modernização da administração pública estadual e integração de esforços envolvendo o governo federal, municípios fluminenses e o setor produtivo. Criarei um Conselho de Novos Negócios, facilitando os investimentos no setor industrial em todo o estado e na cidade de Volta Redonda.
Outra iniciativa importante diz respeito à formação e qualificação profissional. Volta Redonda e região se beneficiou muito do processo de interiorização das universidades, institutos federais e FAETECs. No meu governo eu vou retomar essa expansão, proporcionando mão de obra com altos níveis de qualificação, o que é fundamental para atrair novos investimentos. Vamos ainda fomentar projetos de pesquisa e desenvolvimento aqui na região, sempre considerando a vocação regional e as demandas das empresas locais.
Mas precisamos combinar desenvolvimento industrial e sustentabilidade. A poluição gerada pela indústria em Volta Redonda impacta a qualidade do ar da cidade e gera sérios problemas respiratórios para a população da cidade. Vamos criar regras no tratamento de resíduos, fiscalizar e trabalhar junto ao setor industrial para encontrar soluções de médio e longo prazo que pesem pouco no orçamento e que ofereçam um impacto ambiental reduzido. Precisamos preparar o estado para a economia do século XXI e isso pressupõe aproveitarmos o potencial da economia verde, preparando a transição energética e gerando empregos a partir das oportunidades abertas pela emergência de uma nova matriz energética.
E, finalmente, vou instalar em Volta Redonda a Casa do Empreendedor que vai oferecer assistência técnica, jurídica, contábil e crédito facilitado aos pequenos e microempreendedores da cidade. Queremos oferecer mais oportunidades aos nossos jovens e, por isso, quero incentivar startups e empresas inovadoras nesta região que já conta com um contingente expressivo de trabalhadores qualificados que podem atuar na abertura de novos negócios.

aQui: E por Barra Mansa?
Freixo: A região do Médio Paraíba é a maior produtora de leite do Estado, tendo Barra Mansa como uma das principais cidades produtoras. Temos de aproveitar esse potencial. Eu vou incentivar o crescimento do setor agropecuário em Barra Mansa, integrado ao nosso Plano de Segurança Alimentar no Estado do Rio de Janeiro. Há quase três milhões de pessoas passando fome no estado e o Rio de Janeiro produz menos alimentos do que poderia. Os canais de distribuição encarecem o preço final na mesa do consumidor, desestimulando a produção. Precisamos oferecer apoio logístico, assistência técnica e crédito para o beneficiamento da produção local. Isso pode impulsionar o setor agrícola em cidades como Barra Mansa. E também nesta cidade vamos instalar uma Casa do Empreendedor para apoiar o desenvolvimento de pequenos e micro empreendimentos locais.

aQui: O que o senhor pretende fazer pelo Sul Fluminense como um todo?
Freixo: A Região Sul Fluminense possui uma importância estratégica para o estado do Rio de Janeiro, tanto em função da força da indústria quanto pela produção agropecuária. Eu vou criar o Sistema Regional de Desenvolvimento e Inovação do Médio Paraíba, aproveitando a boa disponibilidade de universidades e cursos técnicos e articulando-as a uma estratégia de desenvolvimento em três eixos.
O primeiro está representado pelas indústrias existentes (em especial, metalurgia e setor automotivo). Vamos buscar meios de reduzir impostos para estimular a compra de fornecedores do próprio estado e da região, o que permitirá a expansão de outros setores.
O segundo eixo a atração de outros setores, aproveitando a localização da região e boa oferta de mão de obra qualificada existente na região.
O terceiro eixo será a criação de um parque tecnológico de pesquisa, com incentivo à instalação de startups e articulação de nossa rede estadual de Universidades e Institutos Federais. Também pretendo criar um Centro Regional de Formação de Profissionais do SUS, fortalecendo a rede de atendimento e a cadeia produtiva deste setor. Neste sentido, queremos também fortalecer os consórcios intermunicipais de saúde, permitindo a ampliação da oferta de especialidades em cada município e garantindo melhores preços na compra de insumos, materiais, medicamento, mobiliário e equipamentos
Pretendo, ainda, incentivar a produção agrope-cuária e fomentar especialmente a expansão da cadeia do leite e da indústria alimentícia, visando a redução da compra de insumos e produtos agrícolas de outros Estados.
Finalmente, investirei na proteção do Rio Paraíba do Sul, garantindo que os investimentos em tratamento de esgoto saiam do papel, recuperando matas ciliares e investindo recursos do Estado no desassoreamento do rio. Esta é uma medida fundamental para garantirmos desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida na região.

aQui: A CSN, maior empresa da região e maior siderúrgica da América Latina, terá um tratamento especial do seu governo? Teria algum plano específico para melhorar o relacionamento do Estado com o empresário Benjamin Steinbruch?
Freixo: Um dos pilares de nosso programa para governar o Rio de Janeiro é a criação de um novo ambiente de negócios, capaz de recuperar a credibilidade do governo do estado. Nosso governo contará com um Conselho de Desenvolvimento semelhante ao que foi instituído pelo ex-Presidente Lula, em seu primeiro mandato, no qual o Sr. Steinbruch teve assento. A CSN é fundamental para o crescimento econômico do estado e certamente serão estabelecidos canais de diálogo para que as atividades da empresa integrem o Plano Estratégico de Desenvolvimento Econômico do Estado do Rio de Janeiro.
A partir de janeiro de 2023 o estado do Rio de Janeiro passará a contar com um governo transparente, honesto e capaz de dialogar com amplos setores da sociedade. E isto está expresso em nossa aliança, que reúne oito partidos e na composição da equipe que elaborou nosso programa de governo, que conta com nomes como Armínio Fraga, Marcelo Trindade, Lígia Bahia, Ricardo Henriques e tantos outros altamente qualificados e com trânsito entre diferentes segmentos da sociedade.

aQui: Caso eleito, vai manter todas as obras do governo do Estado em execução nas cidades da região?
Freixo: Toda obra em andamento será mantida e finalizada até o final do meu mandato. Mas em nosso governo a sociedade vai poder acompanhar e fiscalizar o andamento de cada obra, de cada contrato. Vamos instituir canais de fiscalização e acompanhamento porque o povo do Rio de Janeiro não aguenta mais tanta roubalheira e promessas não cumpridas. Obras precisam ser executadas com o máximo de seriedade e transparência. O Rio de Janeiro já teve cinco governadores presos e quem paga a conta é a população com obras paralisadas, projetos que são interrompidos e serviços de má qualidade. Isso tem que acabar. E nossa candidatura representa a mudança e a superação desta triste realidade.

aQui: Quais são os seus planos para a segurança pública da região? Pretende criar um novo Batalhão da Polícia Militar? Criar uma Delegacia de Homicídios para o Sul Fluminense?
Freixo: As polícias do estado hoje atuam com falta de agentes e de equipamentos. Regiões como o Sul Fluminense precisam de mais policiais, tanto no trabalho investigativo quanto no patrulhamento das ruas. E já há policiais concursados que não foram chamados pelo governo de Claudio Castro. Vamos encontrar uma solução para aumentar o efetivo sem comprometer o Regime de Recuperação Fiscal. Além disso, vou investir em treinamento e formação das forças policiais para que se tornem mais eficazes no combate à criminalidade. Temos de investir também em inteligência e tecnologia. Uma polícia bem treinada, valorizada e melhor equipada será a marca de nosso governo na segurança. Mas, claro, também vamos investir em programas de prevenção à violência, oferecendo oportunidades de emprego, renda e formação aos jovens, em especial, aqueles que moram nas regiões mais pobres do estado.

aQui: Recentemente a Alerj aprovou um projeto incluindo Volta Redonda e Barra Mansa como parte do Sistema Tributário Regional de ICMS, visando diminuir desigualdades e atrair empresas. O senhor já estaria negociando com empresas para se instalarem na região? Quantas e quais?
Freixo: Nos últimos meses, eu me reuni com todos os setores mais importantes para a economia do estado. A iniciativa da Alerj é excelente. Ela foi liderada pelo nosso candidato ao Senado, André Ceciliano. Este é um passo importante para fortalecer a economia na região.
Nosso plano de governo prevê a criação de um Conselho de Novos Negócios, capaz de mapear oportunidades, promover investimentos e o adensamento das cadeias produtivas, proporcionando o desenvolvimento das vocações da economia fluminense nas áreas de saúde, turismo, tecnologia da informação, audiovisual, indústria têxtil, alimentos e bebidas, agricultura e reflorestamento. Certamente, teremos mais investimentos e oportunidades na região. Com seriedade, transparência e rompendo essa sequência de escândalos de corrupção e de governadores presos o governo do estado terá autoridade e credibilidade para atrair investimentos, gerando emprego e renda no estado.

aQui: O senhor pretende ampliar a oferta de cursos na UERJ ou promover a abertura de novos campus na região?
Freixo: O investimento em educação, formação profissional e inovação serão fundamentais em nossa estratégia de desenvolvimento da região. Nosso governo vai instituir um parque tecnológico de pesquisa na região, com incentivo à instalação de startups e articulação de nossa rede estadual de Universidades e Institutos Federais. Também pretendo criar um Centro Regional de Formação de Profissionais do SUS na região. E isso pode sim demandar a criação de um campus. É algo a ser debatido com a Universidade e representações sociais da região.

aQui: O Hospital Regional de Volta Redonda leva o nome da cidade do aço só por estar instalado no município e atende a pacientes de todo o estado do Rio. Poderia transformá-lo em um hospital regional de verdade? Caso negativo, justifique.
Freixo: Vamos consolidar e aperfeiçoar a rede de hospitais regionais do estado. Nossa política para a saúde será marcada pela transparência e pelo combate à corrupção. Recursos não faltam. Basta parar de roubar. A saúde foi alvo de boa parte dos escândalos de corrupção que vimos no estado nos últimos anos. O chefe e companheiro de chapa de Claudio Castro, o Wilson Witzel, foi afastado por corrupção na saúde em plena pandemia. Se nós rompermos essa corrente do mal será possível investir mais em saúde e garantir um hospital regional de verdade na região.

aQui: Por que os eleitores da região devem votar no senhor?
Freixo: Eu sou professor e atuei durante vinte anos dentro de sala de aula. Eu nasci em São Gonçalo, me criei num bairro da periferia de Niterói e sei a importância da educação para transformar a vida das pessoas. Por isso o meu governo será o governo da educação. Temos de garantir direitos e oportunidades para nossos jovens, em todo o estado. Por isso a educação e a formação profissional ocupam um lugar tão destacado em nossa estratégia para a região.
O estado do Rio precisa voltar a ser o lugar onde quem trabalha e é honesto consegue prosperar e melhorar de vida. Não podemos mais ser o estado dos cinco governadores presos e dos escândalos que só neste governo já levaram à prisão de cinco secretários em áreas tão importantes como saúde e educação.
Nós precisamos romper com essa corrente do mal que leva embora nossos empregos e compromete o futuro de nossa juventude.
Tenho certeza de que é possível fazer diferente. Nós vamos colocar o Rio de Janeiro novamente de pé, garantindo crescimento econômico, empregos e melhoria dos serviços públicos com saúde, educação, segurança e transportes. Eu montei uma equipe técnica altamente qualificada, temos propostas para todas as regiões do estado e para todas as áreas de atuação do governo do estado.
Vamos mudar o Rio de Janeiro e recuperar a esperança no futuro de nossas cidades, do nosso estado. Serei eleito para retomarmos a confiança no governo e a fé num Rio de Janeiro melhor para todos nós.

Artigo anterior
Artigo seguinte
ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp