terça-feira, abril 16, 2024

Na parede

Arimathea

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Promotoria de Justiça de Pinheiral, apresentou à Justiça denúncia por violação da Lei de Responsabilidade Fiscal contra o ex-prefeito de Pinheiral, José Arimathéa. Segundo o MPRJ, entre 1º de maio e 31 de dezembro de 2016, período que corresponde aos dois últimos quadrimestres da sua administração, Arima-théa teria efetuado despesas que não podiam ser cumpridas integralmente antes do término do seu mandato, iniciado em 2013.
Com base na análise e rejeição das contas públicas de Pinheiral relativas ao ano de 2016, por parte do TCE-RJ, no processo 208.447-1/2017, a denúncia aponta que, ao assumir dívidas nos oito meses finais de sua gestão, e contrair parcelas a serem pagas pelo administrador seguinte, o então prefeito desrespeitou o artigo 42 da Lei Complementar Federal nº 101/00, que veta exatamente esta prática.

Assim, a denúncia afirma que José Arimathéa agiu com descaso em relação à saúde financeira da cidade, uma vez que não dispunha de caixa para honrar as novas dívidas assumidas. Foi gerado, apenas nos últimos oito meses do mandato, um déficit superior a R$3 milhões aos cofres municipais – exatos R$3.117.796,06. Portanto, o MPRJ requer a condenação do denunciado pela prática do crime previsto no artigo 359-C do Código Penal. O delito é punido com pena de um a quatro anos de reclusão.
Na berlinda

O ex-prefeito de Pinheiral, José Arimathea Oliveira, foi denunciado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), porque teria desrespeitado a Lei de Responsabilidade Fiscal, gastando cerca de R$ 3 milhões além do permitido.

Em entrevista aos jornais, Arimatheia devolveu a bola, e afirmou que a análise do MP-RJ não leva em conta a crise no Estado do Rio e que o dinheiro foi gasto para deixar os serviços públicos pararem, além de cumprir outras metas, como gastos em Educação, por exemplo.

Artigo anterior
Artigo seguinte
ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp