terça-feira, agosto 16, 2022

Na linha

Polyanna Xavier

A direção da CSN tem até abril de 2018 para cumprir integralmente o Termo de Ajustamento de Condutas assinado com o Instituto Estadual do Ambiente e a secretaria Estadual do Ambiente para a renovação da Licença de Operação da Usina Presidente Vargas. O prazo foi dado pelo governo do Estado no final de dezembro, depois do imbróglio envolvendo a decisão dos órgãos ambientais de pedir o fechamento da Usina. Passada a confusão, a CSN protocolou um documento no Inea, assinado por uma empresa de consultoria ambiental independente, que comprova o cumprimento integral do Termo. O documento tem caráter apenas administrativo, mas comprova que a CSN não teria pendências ambientais a serem cumpridas.

 

Em dezembro, quando da decisão envolvendo o fechamento da Usina Presidente Vargas, a empresa já tinha cumprido 112 itens dos 115 que continham no TAC. Dos três itens restantes, dois se referem ao pó preto que sai das máquinas da UPV durante o processo siderúrgico. E o terceiro item diz respeito ao nível de ruído dentro da fábrica. “Dos cinco pontos de ruído, a CSN reduziu quatro, colocando-os nos níveis da Legislação. O quinto ponto absorve ruídos da rua e do trem e não tem como a CSN agir sobre ele”, informou a CSN, na época.

 

Segundo o aQui apurou, a contratação de uma auditoria ambiental interna independente foi uma exigência do próprio Inea e está prevista no TAC. O documento foi protocolado no final de dezembro e publicado em forma de edital, nos jornais do Rio e São Paulo. Procurada, a CSN não comentou a questão, mas a sua assessoria de imprensa informou que o documento não será, por enquanto, apresentado à Justiça, porque a questão está sendo resolvida na esfera administrativa. O MPF, inclusive, tentou levar o problema para o judiciário, mas teve todos os pedidos contra a CSN indeferidos pelo juiz.

 

A decisão favorável à CSN é do juiz Rafael de Souza Pereira Pinto, da 1ª Vara Federal de Volta Redonda. O magistrado negou os pedidos do MPF para que fosse cassada a licença ambiental provisória dada à CSN pelo Inea, e ainda interrompida as negociações entre a empresa e os órgãos ambientais do estado. Em seu parecer, o juiz alegou que as razões do MPF não se sustentavam, já que o próprio Inea concordou em prorrogar o prazo concedido à Siderúrgica para o cumprimento integral do TAC. Em outras palavras, o juiz não viu o porquê de interferir em uma negociação feita de forma legítima, na esfera administrativa.

 

“Sob tal cenário, parece-me desnecessária, neste momento, a intervenção judicial solicitada pelo MPF, para fins de substituir as medidas que já vêm sendo empregadas pela autarquia estadual, entidade que, não custa insistir, detém competência legal e técnica para exercer a fiscalização adequada sobre a atividade produtiva da CSN”, discorreu o juiz em sua decisão. Em seguida, ressaltou o impacto social e econômico que o fechamento da CSN, pedido pelo MPF, causaria na cidade e na região. “Não se pode desprezar o impacto que uma eventual suspensão das atividades da CSN causaria (…) o que se firma em vista dos milhares de empregos diretos e indiretos derivados da Companhia, bem como da arrecadação tributária proporcionada aos cofres públicos, notadamente os estaduais”, acrescentou.

A licença ambiental provisória atualmente utilizada pela CSN tem validade até abril, mês do aniversário de 77 anos da UPV. 

 

Dívidas – A CSN pode encerrar janeiro sem concluir acordos com alguns bancos credores para alongar suas dívidas. As negociações, iniciadas no final de 2017, ainda não avançaram.  

 

Reajuste – A CSN reajustou o preço do aço para as montadoras. Varia de 18% a 23%, dependendo do tipo de aço vendido tanto para o setor automotivo quanto para a linha branca.

Artigo anteriorApesar da febre…
Artigo seguinteBloco ‘deu ruim’
ARTIGOS RELACIONADOS

Expectativa angustiante

Efeitos da pandemia

Viciada

LEIA MAIS

Grampos

Expectativa angustiante

Grampos Barra Mansa

Barrados na porta

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp