Na berlinda

Prefeitos pedem ajuda da população para conter avanço da pandemia em Volta Redonda, Barra Mansa e Pinheiral

Os prefeitos Rodrigo Drable, Ednardo Barbosa e Neto bem que tentam passar uma imagem de que estão tranquilos e unidos no combate à Covid-19. Tanto que lançaram uma carta aberta à população, fruto do encontro que tiveram na segunda, 15. Nela, os três pedem apoio para frear o avanço do vírus. Mas não detalharam as medidas que devem ter tomado, em conjunto ou isoladamente, para resolver, por exemplo, o problema da falta de leitos de CTI. Ou da falta de oxigênio. Pior. insistem em não decretar o lockdown, permitindo que bares e restaurantes funcionem até às 23 horas, com música ao vivo, inclusive.
Em termos de isolamento social, Drable, Ednardo e Neto só falam a mesma língua quando o assunto é toque de recolher, estabelecido das 23 às 5 horas, quando é muito difícil encontrar alguém nas ruas. Só que Drable e Neto tomaram caminhos distintos com relação ao horário do comércio. Em Barra Mansa, as lojas só podem funcionar das 10h30min às 19h30min. Hoje, sábado, 20, o prefeito, sem maiores explicações, mudou o esquema e os lojistas terão que manter suas lojas abertas das 9h30min às 15 horas. Tem mais. Precavido, chamou sua equipe para uma reunião para traçar novas metas para Barra Mansa a partir de segunda, 22.
Em contato com o aQui, Drable mostrou-se realista diante do aumento do número de casos e óbitos pela Covid, principalmente diante da informação de que o estado do Rio já atingiu 98% de ocupação de leitos de CTI, o que pode afetar Barra Mansa e as demais cidades da região. “Vamos torcer para que eles não mandem pacientes pra cá… Estou com 35% de ocupação”, disse, referindo-se à central de regulação do governo do Estado. “Vou avaliar a evolução da ocupação de leitos”, disse, ao ser indagado se não decretaria estado de lockdown em Barra Mansa. Ou seja, hoje não…
Como que deixando pistas, Rodrigo Drable comentou com o aQui que sua preocupação é com o número de pessoas de cidades vizinhas que andam procurando atendimento contra a Covid em Barra Mansa. Gente, como ele disse, de Volta Redonda, Porto Real… “Barra Mansa está com 33% de ocupação dos leitos. O problema é que 52% do meu atendimento (hospitais) está sendo de outras cidades. A gente faz a nossa parte aqui. Mas infelizmente não se reflete em outros municípios”, comparou.
“Procurando internação em CTI”, indagou o repórter do aQui. “CTI ainda não, mas é natural que procurem se não tem (leitos) nas outras cidades”, disparou, lembrando que tudo pode se complicar. “Realmente, não adianta eu fazer minha parte aqui (em Barra Mansa), se eu tiver que atender a demanda de várias cidades”, pontuou.
Ele foi além. Revelou ao aQui que pode voltar a implantar barreiras sanitárias em Barra Mansa. “Existem inúmeras alternativas e possibilidades. Só vou decidir quando finalizar o relatório de hoje (sexta, 19)”, afirmou, reconhecendo, entretanto, que uma das opções será a volta das barreiras sanitárias. “Sim, é possível”, acrescentou. “Por enquanto, mantenho o decreto em vigência (ver mais nas páginas 4 e 5 desta edição).
Volta Redonda
E o que Neto, prefeito de Volta Redonda, fez? Depois de conversar com os prefeitos na tarde de segunda, procurou o presidente da CDL-VR, seu aliado de boas brigas com Samuca. E, em entrevistas às rádios, disse que o horário das lojas em Volta Redonda não vai mudar. “Está tudo indo bem”, crê… Veja por quê: “Nós fomos na terça-feira fazer uma fiscalização em todos os mercados e shoppings de Volta Redonda, ficamos muito felizes com o que nós encontramos. Todo mundo cumprindo o nosso decreto, todo mundo muito preocupado, mas Volta Redonda como todo o país tem a sua preo-cupação”, acrescentou.
Não satisfeito, o prefeito procurou livrar a cara dos lojistas. “Vamos continuar mantendo esse mesmo horário, de 8h30min às 18h30min, 19 horas. A culpa não é do comércio, do aumento dos casos (de Covid)”, disse, garantindo que, sem exceção nenhuma, todos estariam cumprindo as regras do decreto que publicou na semana passada para combater o aumento do número de casos da Covid.
Ontem, Neto foi procurado pelo aQui para falar da falta de leitos de CTI para Covid e, principalmente, sobre a possibilidade ou não de decretar o lockdown. Em reunião com sua equipe da Saúde, o prefeito limitou-se a emitir uma nota, explicando que não fecha tudo para culpar os que agem certo. Veja a nota:
“Qual a razão de não decretar lockdown?
Fazer lockdown com as pessoas fazendo festas clandestinas, bailes ilegais, churrasco, saindo sem máscara é punir quem busca fazer o certo.
Temos mais pessoas cumprindo o decreto do que não cumprindo. Mais trabalhadores buscando seu ganha pão da maneira correta do que pessoas infringindo as regras.
Não está descartada nenhuma possibilidade, mas fazer pais de família perderem seus empregos pela irresponsabilidade de outros é uma decisão muito dura.
Ainda apostamos numa mudança de consciência da população para evitar essa medida drástica”.
O engraçado é que, segundo uma fonte, a secretaria de Saúde local vai soltar uma recomendação a um pequeno grupo de pessoas que tentam sobreviver em meio à pandemia. Das escolas e creches particulares de Volta Redonda. Segundo a fonte, a ideia é que todas acatem a recomendação da pasta e fiquem fechados por 14 dias. Vai dar pano pra manga…

Deixe uma resposta