segunda-feira, junho 27, 2022
CasaGERALMedo da demissão

Medo da demissão

Pesquisa mostra aumento do medo do desemprego entre os consumidores fluminenses nos últimos três meses

Levantamento feito pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ) com consumidores do estado do Rio mostra que o receio dos fluminenses em perder o emprego aumentou. Dos 434 entrevistados, entre os dias 16 e 19 de maio, 40,3% disseram que tiveram muito medo de ficar desempregados nos últimos três meses, contra 38,9% da pesquisa anterior. A nova pesquisa mostrou que a confiança diminuiu também para os que não tiveram medo de perder o emprego. Em maio, foram 36,2%, contra 40,9% em abril. O mesmo foi verificado para os que tiveram pouco medo do desemprego: 23,5% em maio, contra 20,2% em abril.
Em relação aos próximos três meses, os números revelam a diminuição do temor dos consumidores em relação à pesquisa anterior. Agora em maio, 42,2% não estão com medo de perder o emprego, enquanto 47% tiveram a mesma preocupação no levantamento de abril. 30,9% estão com muito medo de ficar desempregados, contra 30,5% em abril. Estão com pouco medo, 27%. No mês anterior, o índice foi de 22,4%.
“No estado do Rio, o consumidor apresentou queda na confiança no índice geral, mas a situação presente subiu. O que puxou o resultado para baixo foram as expectativas futuras. Isso mostra que podemos estar próximos de um limite da não influência das variáveis macro sobre a tomada de decisão por parte do consumidor, o que deve afetar as expectativas dos empresários nas próximas medições. Ao que parece, estamos iniciando um processo de maior pressão sobre a economia e aquela ‘poupança’ por conta do avanço recente do setor de serviços pode estar acabando”, explicou o diretor executivo do IFec RJ, João Gomes.
Retomada econômica
Em relação à expectativa da retomada econômica brasileira para os próximos três meses, a pesquisa mostra a desconfiança dos consumidores aumentando. Estão muito pessimistas ou pessimistas, 46,8%. Em abril, esse número era de 41,4%. Os confiantes ou muito confiantes, em maio, somaram 33,7%, contra 39,6% da pesquisa anterior. Os que acreditam que a situação não irá se alterar são 19,6%.
Sobre a retomada da economia do estado do Rio nos próximos três meses, o número de pessimistas ou muito pessimistas ficou em 47,5%, contra os 44,1% da pesquisa feita em abril. Além disso, o número de consumidores confiantes ou muito confiantes também caiu em relação à sondagem anterior: 30,2% em maio, contra 32,3% em abril. 22,4% dos entrevistados em maio acreditam que a situação não irá se alterar, enquanto no mês passado, o índice ficou de 23,6%.
Renda Familiar
A quantidade de consumidores fluminenses que afirmaram ter sofrido diminuição na renda familiar nos últimos três meses apresentou aumento, indo de 53,2% em abril para 53,7% em maio. Os índices mostram que houve crescimento dos que tiveram aumento na renda familiar: 11,1%, (abril) para 13,9% (maio). 32,5% disseram que a renda familiar continuou como está, contra 35,7% do levantamento anterior.
Nos próximos três meses, 42,4% acham que a situação vai continuar como está. Já 23,5% acreditam que vai aumentar ou aumentar muito. Os que acreditam que vai reduzir ou reduzir muito somam 34,1%. Os números mostram pes-simismo se comparados à pesquisa anterior, que indicou que 45,6% acreditavam que a situação iria continuar como está, enquanto 25,4% dos entrevistados achavam que iria aumentar ou aumentar muito e 29,1% que reduziria ou reduziria muito a renda familiar.
Endividamento e inadimplência
O número de consumidores não endividados ou pouco endividados nos últimos três meses ficou em 47,5%. O percentual de endividados subiu de 22,7%, em abril, para 29% agora em maio. O mesmo ocorreu com os muito endividados que em abril eram 19% e neste mês são 23,5%.
No novo levantamento do IFec RJ, 49,3% disseram não ter ficado inadimplentes nos últimos três meses, enquanto 36,6% afirmaram que tiveram dívidas. 14,1% ficaram pouco inadimplentes. Entre os que se declararam inadimplentes, o cartão de crédito continua em primeiro lugar, com 69,1% da inadimplência, seguido pelas contas de luz, gás, telefone, água e internet (46,1%), crédito pessoal (35,5%) e IPVA (24,9%).
Consumo de bens duráveis
Perguntados sobre os gastos com bens duráveis, 37,9% afirmaram que irão manter seus gastos nos próximos três meses, enquanto 33,4% diminuirão e 28,7% aumentarão.
Nos últimos três meses, 44,3% disseram que os gastos foram menores com os bens duráveis. 35,1% gastaram mais e 20,6% tiveram os gastos iguais.

Artigo anteriorEstado
Artigo seguinteE agora?
ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Grampos

Grampos Barra Mansa

Voltou a subir

Vagas abertas

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp