sexta-feira, fevereiro 23, 2024
CasaEditoriasEstadoMaioria na casa

Maioria na casa

Parlamento Juvenil tem maioria feminina. De 97 parlamentares, 59 são mulheres

Na segunda, 27, os estudantes da rede estadual de ensino eleitos para a 14a edição do Parlamento Juvenil (PJ) tomaram posse durante sessão solene no plenário do Palácio Tiradentes, sede histórica da Alerj. O programa completa 20 anos, e a novidade é a grande maioria feminina: a bancada de alunas representa mais de 60%; dos 97 parlamentares juvenis, 59 são mulheres. O ruim é que nenhum jovem de Volta Redonda ou Barra Mansa foi eleito, o que pode mostrar a quantas anda o interesse da juventude da região pela política. Apenas um, de Barra do Piraí, faz parte do projeto. Na solenidade, eles receberam diploma e assinaram o livro de posse, além de terem escolhido o presidente da edição, David Andrew Pires Silva, de Campos dos Goytacazes, e os integrantes da Mesa Diretora, na qual as meninas também estão em maior número.
Coordenador do PJ, o deputado Danniel Librelon (REP) explicou a importância da manutenção da iniciativa, que permite que jovens deliberem e votem os próprios projetos de lei. “A oportunidade de comemorarmos os 20 anos do Parlamento Juvenil na abertura de uma nova edição é um grande marco, porque demonstra os resultados que estamos construindo. Essa é uma excelente ocasião para que os
jovens aprendam e compreendam como o Parlamento fluminense funciona”, declarou.
O aumento da participação de jovens alunas nesta edição foi celebrado pela deputada Martha Rocha (PDT), que representou a bancada feminina da Alerj durante a sessão solene. “A presença de mulheres na política é muito importante e garante o exercício da democracia e da cidadania de todos. Somos 52% da população brasileira, e espero que a permanência das mulheres no Parlamento seja constante”, disse.
O presidente do Parlamento Juvenil, David Silva, que tem como vice a estudante Samara de Lucena Tupinambá, do Rio de Janeiro, contou que pretende manter a união no Parlamento para garantir a representação da juventude do estado do Rio de Janeiro. Segundo ele, a diversidade desta nova edição é notável e muito importante para a representatividade do povo fluminense. “É uma alegria que não cabe no peito poder representar os parlamentares presentes nesta edição. Eu acredito que todos aqui têm grande
potencial, porém para isso precisamos nos manter unidos”, frisou.
Os jovens vão participar de diversas atividades durante toda a semana parlamentar, que se encerrou ontem, sexta, 1. Além das funções legislativas, nas quais terão vivências como deputados estaduais, também serão proporcionadas atividades culturais. Na terça, 28, os parlamentares juvenis realizam a defesa de seus projetos de lei.
Para o gestor do Parlamento Juvenil, Alessandro Santos, os compromissos planejados serão fundamentais para a formação dos estudantes. “Neste ano, temos um número bem expressivo de alunos e as atividades serão proveitosas para todos. Planejamos palestras educativas, sobre leis essenciais do estado do Rio, além dos trabalhos de Comissão, que os parlamentares devem exercer”, explicou.

Projetos de lei
Durante a sessão legislativa de terça, 28, os jovens parlamentares fizeram o uso da tribuna para defender seus projetos de lei – foram apresentadas, ao todo, 68 medidas. Representante de Conceição de Macabu, Kerollayne Ribeiro propôs a obrigatoriedade de caixas registradoras adaptadas para pessoas obesas e cadeirantes em supermercados, com o objetivo de evitar constrangimento e garantir sua autonomia. “O meu projeto surgiu depois de um episódio que presenciei em minha cidade. Através dele, é possível assegurar a inclusão dos cidadãos que por muitas vezes deixam de praticar atividades básicas de suas rotinas, como ir ao mercado, por falta de acessibilidade”, afirmou a jovem.
Um programa de incentivo aos primeiros socorros no ambiente de escolas públicas do estado do Rio de Janeiro foi sugerido pelo estudante Eduardo da Silva Oliveira, de Sumidouro. O deputado juvenil apontou que o conhecimento desses procedimentos representa a prevenção da integridade física dos estudantes.
Fazendo uso da possibilidade de coautoria, os alunos Isadora Ximenes e Victor Hugo Bueno, de São José de Ubá e Miracema, propuseram a realização de provas de concursos públicos em pelo menos um município de cada região do estado. “O nosso foco é expandir as áreas de aplicação das provas, que normalmente são concentradas na Região Metropolitana. Ao garantir a presença em pelo menos um município de cada região, seremos capazes de promover isonomia entre os concorrentes”, justificaram os autores.

ARTIGOS RELACIONADOS

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp