Grampos

Granato assume presidência da Câmara

posse granato2018

O vereador Washington Granato (PTC) assumiu na segunda, 1º, a presidência da Câmara de Volta Redonda, em substituição a Sidney Dinho (Patriota). Em seu discurso afirmou que sempre pauta suas gestões – esteve à frente da Casa em 2006, 2008 e 2014 – na busca pelo “diálogo com equilíbrio” e prometeu incentivar a participação popular nos debates com os vereadores.  

Granato era líder do governo Samuca e com a presidência deve passar a função para outro parlamentar. Mas, é claro, afirmou que vai manter a proximidade com o Executivo. “É evidente que faço questão de salientar a nossa independência, mas também acho que a busca, de forma conjunta, por benefícios e conquistas para os nossos munícipes é muito positiva”, disse.

 

Exclusivo (I) – O prefeito Samuca Silva ganhou a capa dos jornais na virada do ano. Primeiro por conta de uma pesquisa de satisfação popular (54% aprovam o seu modo de governar). Em segundo, como o aQui divulgou, por dizer que só sairá candidato a vice-governador, em chapa com Romário, se a população assim o desejar. No Diário do Vale, Samuca foi mais longe. Disse que poderia sair candidato a governador pelo Podemos. Será que gostaria de ter Romário como vice?  

 

Exclusivo (II) – Nos corredores do Palácio 17 de Julho as informações do aQui e do Diário do Vale, conflitantes a princípio, não geraram críticas. Tudo não passaria de uma estratégia palaciana para ‘confundir o povo’.            Podemos (I) – Na entrevista exclusiva ao aQui, veiculada na edição passada e que ainda não está disponível nas redes sociais, Samuca falou de tudo. Sobre a sua nova legenda (foi eleito pelo PV), Samuca garante que só se filou ao Podemos atendendo um convite do senador Álvaro Dias, que é candidato a presidente da República. “Hoje eu estou no partido por conta dele – a minha ida para o Podemos foi muito antes do Romário. Depois ele veio, é pré-candidato ao governo do Estado, mas independente da figura do Romário, defendo que o Podemos tem que ter uma candidatura a governador. Que seja Romário ou outro nome (como o dele, é claro), está na hora”, disse em entrelinhas.

 

Podemos (II)- Ao ser indagado se toparia fechar uma chapa com Romário, ex-craque de futebol, o prefeito Samuca Silva soltou a célebre frase que estampou a capa do aQui de Ano Novo. “Quem decide isso é a população”, disparou, para logo acrescentar: “Se eu receber o convite do partido para entrar nessa briga, vou consultar a população, porque ela que me elegeu para um mandato de quatro anos. Para qualquer tipo de eleição (Legislativo ou Executivo) eu teria que renunciar ao cargo. Quem vai decidir é a população, não sou eu. Quero é o bem de Volta Redonda, estou trabalhando muito, fazendo coisas que não seriam feitas, ou que demorariam quatro anos de mandato. Eu fiz em 12 meses. Mas eu acho que o estado do Rio de Janeiro está em um momento que precisa de uma mudança como a que aconteceu em Volta Redonda”, analisou.

 

Palácio – Ainda sobre política, Samuca foi indagado se está estudando a candidatura de algum integrante do seu governo, como Samuquinha, Alfredo Peixoto, Maurinho etc. “Eu não lancei candidato, mas acho que um governo tem que ter representatividade na Alerj e na Câmara dos Deputados, em Brasília. Isso depende muito dos nomes”, desconversou. “A gente tem várias pessoas que querem ser candidatas, querem o apoio do governo. Acho que a partir de janeiro, fevereiro, a gente tem que começar a falar esses nomes”, prometeu, esquecendo de dizer que seu vice Maycon Abrantes já não sai nas fotos dos jornais como era habitué. Foi substituído por Samu-quinha e Alfredo Peixoto.

 

Candidatos – “Apoiar ou não alguém vai depender desse cenário político que está ainda aberto. Acho que em fevereiro a gente decide quem será o candidato do governo. Ou se teremos – ou não – candidatos do partido e do governo, ou até mesmo outro nome que tenha o apoio do governo. É importante, mas não tem nada definido”, disse, complicando a vida dos que querem seu apoio.

 

Novidade –. Na entrevista, Samuca até perdoou Neto, seu antecessor. “O primeiro ano foi de reconstrução, de estruturar a base, apresentar uma administração moderna para uma cidade que estava há muito tempo sob uma forma de administrar. Isso não é qualquer tipo de demérito (do governo passado, grifo nosso). A gente quis trazer para Volta Redonda a modernidade, tudo de novo que está aí, conceitos diferentes para a administração pública. E isso é invisível, é uma mudança que a população não vê”, pontuou.

 

Estratégia (I) – Samuca entende que sua gestão “rompeu um ciclo vitorioso” do ex-prefeito Neto. “Que fez muito pela cidade, muito”, reconheceu, embora tenha dito que sua estratégia para melhorar a vida do município tenha sido de “mudar todos os secretários, a gestão, todo mundo”, disse, reforçando a tese de que só teria nomeado “pessoas técnicas, sem indicação política, sem fazer política”. Há controvérsias.

 

Estratégia (II) – Para o prefeito, sua estratégia de nomear apolíticos acabou não dando tão certo. “Centralizou muito (as decisões, grifo nosso) na figura do prefeito, e obviamente, me desgastou bastante – física e pessoalmente”, disparou. “Mas deu certo”, entende.  

 

Estratégia (III) – Samuca foi além. Analisa que sua eleição significou um marco na política voltarredondense e, quiçá, fluminense. “Talvez, principalmente, por romper o preconceito de ser um jovem (ele, prefeito) à frente da 11ª economia do estado do Rio”, pontuou. “Tudo isso em um caldeirão (a política local) que podia dar tudo errado ou tudo certo. E deu tudo certo”, analisou.

Planos – Na entrevista ao aQui, Samuca Silva exagerou um pouco ao dizer que 91% do seu plano de governo – registrado em cartório – já teriam sido iniciados ou concluídos até 31 de dezembro de 2017. “Deve passar de 50% concluído”, disse, referindo-se às metas e planos de governo para os quatro anos de sua administração. “Impressionante”, concluiu. Há controvérsias.

 

Comparação – O prefeito de Volta Redonda lembrou ao aQui o fato de ter divulgado – antes da sua posse em janeiro, em um blog (acidadequeher damos.blogspot.com.br) – como estava a cidade do aço. “Comparando aquele momento com hoje, te falo que ela está melhor. Obviamente ainda tem muitos problemas, mas a cidade não sentiu essa mudança de gestão”, acredita Samuca. “Consegui mostrar para a sociedade que aqui tem um cara pegador, que segura o rojão”, comparou, sem falsa modéstia.

 

Prevenção (I) – Ao falar sobre a Saúde em Volta Redonda, Samuca frisou que sua preocupação maior passa por “incentivar a prevenção para que nossa população não adoeça, ou reduza o nível de atendimento nos hospitais”, avaliou, mostrando que ele mesmo é prevenido por natureza. “Falar do Hospital Santa Margarida ou qualquer outro era um risco porque a gente não sabia dos problemas jurídicos. Desde o início (do governo) eu venho dialogando”, disse, abordando a estratégia usada para fechar a compra dos hospitais Santa Margarida e São Camilo, que só não foi feita por uma liminar Judicial que impediu que a prefeitura vencesse o leilão de venda da unidade.

 

Prevenção (II) – Samuca garante que buscou parceiros para as duas empreitadas. “Eu falei com a iniciativa privada, com a CSN, com a Federação dos Aposentados, para tentar fazer uma articulação para abrir o hospital (Santa Margarida). Foi quando apareceu o leilão: nós fizemos um esforço financeiro, recebemos recursos, o que oportunizou à prefeitura efetuar a compra do Santa Margarida. Só de equipamentos tem R$ 4 milhões – fora os nove andares, o terreno. Então foi uma ótima compra do município, que vai abrir espaço de leitos, dar uma qualidade. E a manutenção vai ser feita de forma gradativa. Nós vamos redirecionar ações que estão nas pontas para dentro do hospital. Eu fico muito feliz”, definiu. A população também.

 

Empregos (I) – Para muitos, a questão da mobilidade seria a principal pauta do prefeito Samuca Silva para 2018. Mas não é. “A principal é o emprego”, disse ele ao aQui. “Teremos duas empresas de call center e o shopping Park Sul, que vai ser inaugurado em julho”, relacionou como soluções para reduzir o desemprego em Volta Redonda. “Já tivemos visitas e visitamos várias empresas fora da cidade. Cadastramos Volta Redonda no Codin (Comitê de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio), que é o conselho que recebe as empresas interessadas em se instalar ou investir no estado do Rio de Janeiro”, acrescentou.

 

Empregos (II) – Samuca vai além. Ainda crê que Benjamin Steinbruch vai topar fechar o negócio do Escritório Central, para que o imóvel seja a sede de uma Incubadora de Empresas. “Isso será provavelmente no Escritório Central, se tudo der certo. Mas se não for lá, será em outro lugar. Queremos criar um ambiente para que os jovens das universidades iniciem suas empresas-júnior, seja na área de tecnologia ou não, mas para reter essas pessoas em Volta Redonda”, pontuou.

 

Mensagem (I) – Otimista desde que se lançou como alternativa nas eleições de 2016, Samuca adotou um estilo parecido com o do ex-prefeito Neto ao se referir à cidade do aço. “Estamos preparando Volta Redonda para o futuro, para ser a melhor cidade do estado do Rio de Janeiro”, diz, contrapondo Neto, que usava o jargão ‘a cidade em que todos sonhamos viver um dia’.

 

Mensagem (II) – Ao encerrar a entrevista exclusiva ao aQui, Samuca citou duas cidades como modelo do que pretende copiar. “Quero fazer de Volta Redonda o que São José dos Campos (SP) e Juiz de Fora (MG) são hoje, por exemplo. Cidades que já foram do tamanho de Volta Redonda e hoje são enormes. E para isso é preciso planejamento”. Ele tem razão.

Capital – Samuca citou ainda o réveillon que a prefeitura de Volta Redonda iria realizar na passagem do ano para mexer, coincidência ou não, com os brios dos vizinhos de Barra Mansa etc. “Estamos trabalhando muito para que a gente possa construir uma Volta Redonda muito melhor: oportunizar a inclusão, o desenvolvimento, mas principalmente a qualidade de vida (para todo mundo, grifo nosso). E também convidar a todos para o Réveillon, na Vila, que será um evento regional. É isso que Volta Redonda precisa: é a maior cidade do Sul Fluminense, precisa resgatar sua grandeza, sua liderança”, pontuou.

celso jacobcor

Erramos – Na edição passada o aQui errou feio. Feio mesmo. Foi na página do Jacaré e, ao invés de darmos o Jacaré do Mal para o deputado federal Celso Jacob, na foto, saiu o nome de outro parlamentar fluminense, com foto e tudo, coitado. Celso Pansera não merece o Jacaré do Mal! Quem merece é o editor do jornal. Que ele nos perdoe!

Renato Soares (6)cor

Eleições – Renato Soares, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, está muito bem cotado para sair candidato a deputado. O prestígio é tanto que ele poderá escolher se disputa uma cadeira na Alerj ou na Câmara Federal. Há ainda quem trabalhe para que ele se candidate à sucessão de Ubirajara Vaz nas próximas eleições da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Volta Redonda. Que podem ser antecipadas, como revelam fontes do aQui.

 

Aumento – Por falar na AAP-VR, a direção da entidade vai promover uma assembleia geral extraordinária no próximo dia 31, em sua sede, a partir das 14 horas. Na pauta: aumento da mensalidade. Deve subir para o equivalente a 8% do piso dos benefícios mantidos pelo INSS. É a crise.

 

Lucro – A CSN divulgou seu balanço financeiro do terceiro trimestre no apagar das luzes de 2017. Foi no dia 26 de dezembro e o resultado foi bom. A empresa teve um lucro líquido de R$ 256 milhões, ante o prejuízo de R$ 640 milhões registrado no trimestre anterior. Já a receita líquida da CSN totalizou R$ 4,81 bilhões, superior 12% ao registrado no segundo trimestre de 2017. O bom desempenho ocorreu pelo maior volume comercializado de produtos siderúrgicos.

 

Perda – O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 278 milhões, devido às despesas financeiras de R$ 348 milhões compensadas parcialmente pelas receitas financeiras de R$ 71 milhões.

 

Reajuste – A CSN reajustou o preço do aço vendido ao setor automotivo e à indústria em 18% e 23%. 

 

Dívida – A CSN negou que tenha pedido um novo prolongamento de suas dívidas junto aos bancos com os quais trabalha. A informação foi divulgada pelo Estadão.

 

Show – A prefeitura de Volta Redonda conseguiu um feito: esconder de todos que iria promover a cascata de fogos na passagem de ano. O aQui chegou a noticiar que isso seria feito, tanto que colocou Samuca debruçado sobre o Escritório Central na capa da edição nº 1061. O tempo passou e o Palácio 17 de Julho não falou mais nada a respeito. Deu no que deu. A surpresa agradou a todos, explodiu nas redes sociais e até os adversários elogiaram a novidade.

 

Assembleia de Deus – Fundada em 1943, a Igreja Evangélica Assem-bleia de Deus Ministério de Madureira comemora neste sábado, 6, seus 75 anos de fundação em Volta Redonda. Para celebrar a data, será realizado um grande culto de agradecimento, das 16 às 20 horas, no Estádio Silvio Raulino. São esperadas cerca de 20 mil pessoas. Os portões abrem às 14 horas e a entrada é gratuita. De acordo com o pastor presidente da Cadevre (Catedral das Assembleias de Deus Ministério de Madureira em Volta Redonda), Rinaldo Silva Dias, é a primeira vez que a Igreja realiza um evento no estádio. “Será uma grande concentração de fé com louvores, adoração, testemunhos, grandes pregadores, mas principalmente a população, porque tudo isso está sendo preparado para abençoar a vida das pessoas”, afirma.

 

Estudantes (I) – Os alunos da rede municipal de ensino de Volta Redonda devem receber, no início de fevereiro, os kits escolares e os uniformes para o ano letivo de 2018. Todos os estudantes terão direito ao benefício, que custou aos cofres públicos cerca de R$ 5 milhões. Ao todo, serão beneficiados mais de 36 mil alunos. O ano letivo será iniciado em 5 de fevereiro.

 

Estudantes (II) – Os alunos das creches vão receber agenda e mochila. Já os da pré-escola vão ganhar agenda, estojo, giz de cera, duas massas de modelar e mochila. Os alunos do 1º ao 5º ano, por sua vez, receberão mochila, estojo, apontador, régua, agenda, tesoura sem ponta, borrachas, caixa de lápis de cor, lápis preto e caderno brochura. De 6º ao 9º ano receberão apontadores, borrachas, caderno de desenho, cadernos universitários, canetas esferográficas, esquadro, estojo, tesoura sem ponta e transferidor.

 

Estudantes (III) – Os uniformes, de acordo com a previsão feita pela SME, deverão ser entregues logo após o carnaval. Detalhe: as camisas serão brancas e os shorts e calças azuis.

 

Estudantes (IV) – Os alunos de educação infantil, especial e ensino fundamental (1º e 2º ano) vão receber uma calça, uma jaqueta, duas bermudas ou saias de helanca e três camisas. Alunos do ensino fundamental (3º ao 5º ano): uma jaqueta, duas bermudas ou saias de helanca e três camisas. Já os alunos de 6º ao 9º ano e da Educação de Jovens e Adultos: três camisas e uma camiseta para educação física.

 

– A empresa responsável pelo sistema de Notas Fiscais da prefeitura de Volta Redonda conseguiu infernizar a vida dos empresários locais. É que o sistema simplesmente ‘pirou’ e ninguém conseguiu emitir qualquer NF de Serviços até a tarde de quarta, 3. Que Samuca troque logo de empresa.

 

Parque Aquático (I) – O prefeito Samuca Silva inaugurou na manhã de ontem, sexta, 5, o novo Parque Aquático da Ilha São João.

O local ficou um ano fechado para obras, em uma decisão – tomada logo no início do governo – que Samuca classificou de “corajosa”. “O parque estava doente, por isso precisávamos fechá-lo”, disse, acrescentando que desde 2005 o complexo não passava por uma reforma. “Havia rachaduras nas piscinas, o que estava comprometendo a segurança dos usuários”, completou.

As piscinas foram consertadas e pintadas, assim como todo o parque, e os vestiários (masculino e feminino) ganharam fraldários e acessibilidade. As capivaras, que frequentavam o lugar passando por buracos na cerca (todos consertados), perderam o local de lazer, e agora terão que se contentar com o Rio Paraíba mesmo, que é logo ali ao lado.

 

Parque Aquático (II) – Outra preocupação era a segurança do local, principalmente por conta da atuação dos “bondes”, que chegaram a causar confusão no Parque Aquático em algumas ocasiões. Samuca disse que a prefeitura está atenta à questão, e que a Guarda Municipal está com um efetivo “especialmente treinado” para lidar com os folgados. “Mas todo o efetivo do parque (42 pessoas) passou por um treinamento para lidar com o público”, disse o prefeito. Tá certo.

 

Exames – Uma mudança significativa foi com a realização dos exames médicos para frequentar o Parque Aquático, que antes eram feitos apenas na Ilha São João. Agora, todas as unidades básicas de Saúde oferecem o exame. A medida pode até provocar um aumento no número de usuários – que chega a 3 mil por dia.  

 

Olá – O prefeito Samuca Silva, na manhã de terça, 2, surpreendeu os servidores públicos. É que ele andou por todos os setores do Palácio 17 de Julho, cumprimentando um a um os funcionários para lhes desejar um feliz ano novo.

 

Liderança – Por falar em Samuca, o prefeito não deve escolher ninguém para substituir o vereador Granato (PTC) como líder de governo.

 

CCJ – A vaga que Granato ocupava na Comissão de Constituição e Justiça  deverá ser ocupada pelo o ex-presidente da Casa, Sidney Dinho (Pen), que é formado em Direito.

 

Bate papo – O vereador Carlinhos Santana, maior opositor de Samuca, está abrindo cada vez mais sorrisos para o chefe do Executivo. Na tarde de quinta, 4, os dois se encontraram na Praça Sávio Gama. Trocaram cinco dedos de prosa, com direito a longos sorrisos.

 

Diálise – A Clínica de Hemodiálise de Volta Redonda, no Retiro, deverá entrar em operação em março. Que assim seja, amém!

 

Exclusivo (I) – O prefeito Samuca Silva passou os primeiros dias do ano tendo uma conversa íntima, olho no olho, com quase todos os integrantes do seu primeiro escalão. E no próximo sábado, 13, fará uma grande reunião de avaliação e apresentação de propostas do seu governo para 2018. Será no Hotel Bela Vista. Detalhe importante: Samuca deverá anunciar os primeiros ajustes da máquina governamental.

Exclusivo (II) – No Palácio 17 de Julho, os ‘ajustes’ de Samuca ganharam um apelido: “aviso prévio”. Para muitos, o prefeito poderá demitir alguns dos seus secretários. Outros deverão apenas trocar de lugar. O vice-prefeito Maycon Abrantes, por exemplo, que acumula as funções de vice e titular da Smac, deverá perder a Smac, é claro, pois pretende se candidatar a deputado, tendo que se desincom-patibilizar do cargo até abril. E mantê-lo à frente da pasta por apenas três meses estaria fora dos planos de Samuca.
 
Exclusivo (III)– Samuca, segundo uma fonte, quer deixar tudo alinhavado até o próximo dia 19, pois no dia seguinte, 20, sábado, ele sai de férias por uns 10 dias. ‘Ninguém é de ferro’, brinca. No período, Maycon vai poder sentar na principal cadeira do Palácio 17 de Julho.    

Exclusivo (IV) – Pelo que o aQui apurou, Samuca vai se reunir nos próximos dias 8, segunda e 9, terça, com os últimos secretários da sua equipe. Uma coisa parece certa: Joselito Magalhães, secretário de Desenvolvimento Econômico, está de bola cheia no Palácio 17 de Julho.    

Exclusivo (V) – Outro que está com bastante prestígio no Palácio 17 de Julho é Samuquinha. Ele terá, diz uma fonte do aQui, até sábado, 13, para decidir se será ou não candidato a deputado. Se optar por não ser, será nomeado para a poderosa Smac. Se for arriscar a sorte, fica onde está, sem assumir a secretaria de Ação Social.  

Exclusivo (VI) – Antes de sair de férias, Samuca vai anunciar a criação da Unipop – a Universidade Popular. Vai funcionar nas instalações do Colégio Maranhão e, em parceria com as universidades locais, como o UniFOA, oferecerá diversos cursos gratuitos para a comunidade.

Especulação – Depois das conversas particulares de Samuca com sua equipe, os boatos passaram a tomar conta dos corredores do Palácio 17 de Julho. Muitos ainda se lembram da lista divulgada pelo aQui dos prováveis demitidos. Que incluía, entre outros, a presidente do IPPU-VR, a secretária de Educação, a secretária de Meio Ambiente… Das três, diz uma fonte, uma delas deve dançar. Tchan tchan tchan tchan.

Escritório Central (I) – A direção da CSN gostou dos eventos programados por Samuca Silva para o Escritório Central na passagem do ano. “O fato de as festas de fim de ano terem ocorrido junto ao Escritório Central já é um sinal positivo da negociação que a CSN vem mantendo com o Palácio 17 de Julho”, avalia uma fonte.

Escritório Central (II) – A fonte vai além. Diz que os dois lados vão voltar a negociar no próximo dia 15. “A prefeitura e a CSN voltam a se reunir na próxima semana para buscar uma maneira de concretizar o negócio (permuta, grifo nosso)”, diz ela, que completa: “A prefeitura quer comprar e a CSN quer vender. O problema é que as contas mostram que o município deve muito à CSN em termos de desapropriações não pagas. As contas de ISS que o município alega ter em crédito contra a CSN, na verdade, estão com tese judicial bastante favorável à empresa e dificilmente vão poder compor essa equação”, diz ela, lembrando que um dos executivos da CSN (Luiz Paulo Barroso) já admitiu que a permuta pode ser viabilizada de outras formas, com outros ativos. É, faz sentido.  

MPF (I) – “Já vai tarde”. Foi usando essa expressão nada popular que uma fonte do aQui junto à diretoria da CSN, que pede que seu nome não seja revelado, analisa a saída de Júlio Araújo, procurador do MPF em Volta Redonda. Segundo ela, o procurador não conhecia Volta Redonda e durante toda sua gestão à frente do MPF teria perseguido a CSN, tendo criado o que ela chama de “uma rede contra a companhia, composta pela Cúria Diocesana, pela Comissão Ambiental Sul, pela OAB/VR etc”.

MPF (II) – O ruim na história é que a saída de Júlio Araújo não deve diminuir a campanha contra a CSN. “A empresa ainda seguirá tendo problemas (com o MPF) porque Marcela Harumi, a procuradora mais antiga que ficou em Volta Redonda, tem posição também beligerante contra a CSN”, pontua. “Os embates devem seguir”, prevê a fonte.

TAC – Na quarta, 10, a  CSN vai promover uma reunião com Samuca Silva, para debater a questão do TAC ambiental. Aquele que os órgãos ambientais do governo Pezão insistem que ela não cumpre.

 

Barra Mansa

Tiro de Guerra – Aconteceu na manhã de ontem, sexta, 5, a cerimônia de transmissão de cargo de chefe de instrução do Tiro de Guerra-BM. O subte-nente Aldo Melo de Lima deixou o cargo e foi substituído pelo subtenente Carlos Henrique Nunes da Silva. O comandante da 1ª região militar, general Laerte de Souza Santos, e o prefeito Rodrigo Drable participaram da solenidade.

 

Aterro (I) – Mais uma polêmica a mexer com os brios dos políticos barraman-senses é a questão da criação ou não de um aterro sanitário para resíduos sólidos classe 1. No próximo dia 16, às 18 horas, a Câmara de Barra Mansa promove uma audiência pública para discutir o abacaxi.

 

Aterro (II) – Cinco entidades de Barra Mansa (Aciap, CDL, Sicomércio, OAB e Firjan) enviaram ofício ao Inea, se posicionando contrários à implantação de um aterro para resíduos perigosos no Centro de Tratamento de Resíduos que funciona no bairro KM4. Os ofícios ainda solicitaram a convocação de nova audiência pública para debater o assunto com a sociedade civil e órgãos públicos.

Deixe uma resposta