Grampos

_DSC38941

Codese (I) – O prefeito Samuca participou na quarta, 28, da fundação e posse dos membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico Sustentável e Estratégico –  o Codese – ou, como dizem, o impopular MEP da Burguesia – formado por empresários ligados a entidades comerciais, como Aciap, CDL etc. Samuca até discursou no evento, já que vai ocupar o pomposo cargo de presidente de honra do órgão. “Me sinto honrado em ser o primeiro presidente de honra e em poder ajudar a planejar nossa cidade não apenas no hoje, mas também para daqui a vinte anos. Estamos plantando a semente”, discursou o prefeito.

 

O engraçado é que, enquanto Samuca discursava, todos prestavam atenção atentamente ao que falava o prefeito – pelo menos é o que mostra a foto, enviada pela assessoria de imprensa do Palácio 17 de Julho. O único que parecia não estar gostando do discurso de Samuca é, vejam só, Maurinho Campos Pereira, assessor especial do próprio prefeito. Como mostra a foto, Maurinho olhava para o prefeito com ar – com todo respeito – de deboche.

 

Codese (II) – Para quem não sabe, o MEP da Burguesia pretende “discutir e propor soluções estratégicas para um desenvolvimento econômico sustentável, através da elaboração e monitoramento de projetos de médio e longo prazo” em Volta Redonda. Ou seja, quer dar pitacos em tudo que Samuca pensar… 

 

Codese (III) – Além do prefeito, que é presidente de honra, o MEP da Burguesia terá como presidente-executivo o empresário Jerônimo dos Santos e 11 ‘conselheiros’. Maurinho será o secretário.   

 

Codese (IV) – O MEP da Burguesia também quer dar pitacos em tudo o que acontece em Volta Redonda, inclusive na vida dos vereadores. Recentemente, como o aQui mostrou, integrantes do Conselho quase chegaram às vias de fato com o vereador Mineirinho por este ter apresentado um projeto contra os interesses do grupo. Até o vice-prefeito Maycon Abrantes esculachou a ideia do parlamentar.   

 

Transnordestina – Em recente artigo publicado na Folha de São Paulo, Benjamin Steinbruch disse que “não há outro caminho para sair da recessão que não passe por obras financiadas e estimuladas pelo setor público”. Para o presidente da CSN, o discurso de austeridade e das reformas, defendido pelo governo de Michel Temer, precisa ser “abandonado” para dar lugar ao discurso de “crescimento, investimento e de desenvolvimento”.

Ainda no texto de Benjamin Steinbruch na Folha, o empresário defendeu a execução de obras em todas as frentes no país. “Estradas precisam e podem ser recapeadas; rodovias asfaltadas; ferrovias concluídas; obras de saneamento iniciadas; concessões públicas continuadas; escolas construídas; habitações financiadas”, escreveu.

Para Benjamin Steinbruch, os recursos para as obras que sugere poderiam vir tanto do setor público quanto do privado. “Não faz sentido, por exemplo, o BNDES estar guardando quase R$ 200 bilhões em caixa enquanto o país derrete na recessão”.

 

Drogas – A Polícia Civil incinerou na semana passada 30 toneladas de drogas nos fornos da CSN. Os entorpecentes foram apreendidos em operações das polícias Civil e Militar em todo o estado do Rio, de janeiro a junho deste ano.

 

Diretor – Na última eleição da Aciap-VR, o engenheiro Márcio Lins, ex-funcionário do primeiro escalão da CSN, comunicou que deixaria o cargo e indicou Ubiratã Teixeira de Lima, gerente geral da UPV, para ser o novo representante da empresa na diretoria da Associação Comercial. Como caiu nas graças do MEP da Burguesia, o engenheiro teria sido convidado a continuar como diretor pelo que ele, Márcio, representaria como cidadão e pelo seu histórico de serviços prestados para a cidade do aço. Para quem possa estranhar o fato de Márcio não ser empresário, um alerta: a entidade está cheia de diretores que não são empresários. Seriam profissionais liberais, com direito a voto.

 

NF – Tem empresário ligado a Samuca que anda dificultando ao máximo a emissão de Nota Fiscal dos produtos que vende em sua loja. É ilegal, feio e, pior, não ajuda em nada quando aparece nas fotos todo sorridente ao lado do prefeito do município. Assim, não ajuda a construir nada.

 

Tribuna – O vereador Carlinhos Santana (SD), de oposição a Samuca, ocupou a tribuna da Câmara na quinta, 29, para fazer um retrospecto dos seis primeiros meses de mandato do prefeito. Por ele, o governo ainda não fez nada de bom.

 

LGBT – A ONG Volta Redonda Sem Homofobia anunciando para domingo, 7, a 2ª edição da Feira Cultural LGBT+. Será no térreo da Biblioteca Municipal, na Vila, das 12 às 21 horas, com a realização de shows e performances artísticas de pessoas da região. O evento será gratuito e faz parte do calendário de atividades da 5º Parada do Orgulho LGBT+ de Volta Redonda. Ao to-do, serão montadas 15 tendas, além de tendas comerciais, com produtos dos mais variados segmentos – como moda, decoração e alimentação. A Feira também vai oferecer exposições, artesanato, testagem rápida de HIV/Aids e oficinas de saúde, maquiagem e customização.

 

zeca arquivo pessoal

Troca (I) – O leitor do aQui já sabia que o engenheiro Leonardo Vidal estava prestes a ser exonerado do cargo de diretor-presidente do Saae-VR. Não é para menos. Em seis meses no cargo só acumulou críticas. Da população, pela falta de água no verão. No Palácio, pelas lambanças que só desgastavam a imagem de Samuca Silva, como a de ir à Delegacia de Polícia levantar suspeitas sobre os funcionários da autarquia que, segundo ele, poderiam ter sabotado o fornecimento de água na cidade do aço.

 

Troca (II) – A saída de Vidal só chegou ao conhecimento dos demais voltarredondenses na manhã de segunda, 26, quando o executivo, já dispensado, não participou da reunião semanal que Samuca faz com sua equipe.

 

Troca (III) – Quem está respondendo pela autarquia interinamente é o engenheiro José Geraldo Mattea Salgado Santos, mais conhecido como Zeca (foto acima). Ele foi coordenador administrativo do Saae de Barra Mansa no período de 2013 a 2016, e chegou a acumular a função com a de diretor interino. Detalhe: a saída de Vidal e a escolha de Zeca chegaram a ser comemorada na sede da autarquia. O ambiente, segundo uma fonte, mudou da água para o vinho.  

 

Onde? – Apesar de ter sido exonerado, e ter saído com a imagem ruim, Vidal deverá ser ‘aproveitado’ em outra área do governo Samuca. Há controvérsias.  

 

Recesso – A última sessão da Câmara de Volta Redonda antes do recesso legislativo aconteceu na quinta, 29. Durante o mês de julho só haverá sessões em casos extraordinários. O retorno dos parlamentares deve ocorrer em 1º de agosto.

 

Balanço – O presidente da Câmara de Volta Redonda, Sidney Dinho (PEN), vai conceder uma entrevista coletiva na segunda, 3, para fazer um balanço do primeiro semestre do Poder Legislativo.

 

Seminário – Ah, a Câmara de Volta Redonda vai gastar R$ 23 mil para bancar as despesas de viagem de cinco vereadores a São Paulo para que eles possam participar do 863º Curso de Capaci-tação de políticos municipais. O evento começou na quarta, 28, e vai até amanhã, domingo, 2 de julho. O ‘per capta’ cor-responde a R$ 4.595,00 e na volta todos terão que apresentar diploma ou certificado de conclusão do curso. Ainda bem, né?      

 

Marketing – O publicitário Guga Fleury voltou a frequentar Volta Redonda e pode ser visto diariamente no Palácio 17 de Julho. Para quem não sabe, ele foi o marqueteiro da campanha de Samuca e não era visto na cidade do aço há dois meses. Deve ter feito as pazes com quem brigou, não é mesmo?

 

No amor? (I) – Depois da confusão, desnecessária, por sinal, envolvendo a Ilha São João, a prefeitura de Volta Redonda já acertou a cessão do pavilhão da unidade para a realização de várias festas. Umas bem comerciais, onde os expositores só buscam lucros, como um feirão de carros, já realizado no último final de semana e outro a ser realizado em dezembro. Liberou ainda o espaço para duas exposições, até prova em contrário, sem fins lucrativos: em agosto – Exposição Panamericas – e setembro – Exposições Nacionais.

 

No amor? (II) – A Ilha São João também será cedida, em setembro, aos empresários ligados ao Metalsul, que vão promover uma feira para expandir seus negócios.

 

No amor? (III) – Fica a dúvida: a Ilha São João será cedida gratuitamente a todos os expositores? Em caso contrário, qual o valor do aluguel cobrado nos casos acima relatados?    

 

Comparando – No governo do ex-prefeito Neto, o aluguel da Ilha São João girava em torno de R 20 mil.

 

Saúde – O vereador Jari (PSB) passou muito mal durante a corrida Night L-run, disputada na noite de sexta, 24. Na metade do percurso, em uma das ruas do bairro Barreira Cravo, ele chegou a cair, dando sinais de que estaria enfartando. Felizmente, foi socorrido por maratonistas e levado para a UTI do Hospital Unimed, onde ficou internado por cinco dias. Nas redes sociais, o vereador contou que vai sair de licença para cuidar de sua Saúde por 30 dias. Faz bem!

 

Recesso – Sorte de Jari é que sua licença vai coincidir com o recesso da Câmara de Volta Redonda, podendo descansar em paz. Mas é ele quem avisa: seu gabinete funcionará normalmente para atendimento ao público e seu celular ficará com um plantonista. “Agradecemos a todos pelo carinho e orações…”, postou.

 

Piso (I) – Na segunda, 26, a Comissão de Trabalho, Legislação e Seguridade Social da Alerj começou a discutir a questão do piso salarial regional para 2018. A discussão vai até dezembro, sendo que a primeira audiência pública será realizada em agosto. Fica a sugestão: que os empresários de Volta Redonda e região procurem os deputados Edson Albertassi, Gotardo, Ana Paula Rechuan e todos aqueles que foram bem votados nas eleições de 2014 para arrancar deles o compromisso de lutar pela implantação de um ‘piso do interior’. Afinal, o salário imposto pelos parlamentares para quem mora na capital e nas cidades da Baixada não pode ser igual ao de Volta Redonda, Barra Mansa etc.

 

Piso (II) – O ex-prefeito Gotardo, por exemplo, já tentou incluir o piso do interior no ano passado. Mas, infelizmente, os demais não quiseram nem discutir o assunto nas comissões da Assembleia. Deveriam.

 

Piso (III) – A proposta de Gotardo bem que poderia, por exemplo, servir de meta ao MEP da Burguesia e, por que não, ao próprio MEP. Afinal, os empresários do interior não podem ser penalizados pela ‘caneta do governo’ que empurra ‘goela abaixo’ índices de reajustes incompatíveis com a realidade da região. E os ‘líderes populares’ sabem que a cada aumento imposto a corda arrebenta em cima do ‘lado mais fraco’.

 

Piso (IV) – No ano passado, Pezão obrigou os empresários a reajustar os salários em …. Detalhe: o governo do Estado não seguiu a tabela e nem pagou os salários em dia. Até o 13º de 2016 está atrasado.

 

Uma boa (I) – Na manhã de segunda, 26, o ex-prefeito Neto esteve participando de uma entrevista na Rádio 88, no programa Fato Popular, e deu a boa notícia a Betinho Albertassi: a construção do novo shopping de Volta Redonda, localizado na Rodovia dos Metalúrgico, será retomada em julho. Com a possibilidade de ser entregue em julho de 2018.

 

Uma boa (II) – Neto, hoje na equipe do governador Pezão, também abordou a questão da Rodovia do Contorno. E confirmou a informação divulgada pelo aQui (grampos da semana passada) de que a obra será retomada e deverá ser inaugurada em novembro. Detalhe: os serviços só serão retomados porque o DER deverá receber recursos do Cide (tributo federal) para poder quitar uma dívida do governo Pezão para com a Aciona. O pagamento deve ocorrer já no próximo dia 12 para que a construtora retome os trabalhos em agosto e entregue a rodovia, concluída depois de duas décadas, em novembro deste ano.       

 

Oi – Um dos leitores do aQui esteve na redação na tarde de segunda, 19, para mostrar como os consumidores estão sendo lesados, sem ter a quem recorrer. Neste caso, estava com uma conta de um telefone fixo da Oi, que tinha acabado de receber na sua residência, localizada no Aterrado, bairro central de Volta Redonda. A conta estava vencida desde o dia 11, ou seja, lhe foi entregue pelos Correios com oito dias de atraso.  De quem é a culpa: dos Correios ou da Oi? Apostamos que é das duas empresas.

 

samuca_cor

Chique – O prefeito de Volta Redonda adotou uma tática simples para não confundir quem lê o ‘Volta Redonda Em Destaque’, órgão oficial do município. Ou quem ainda não sabe o seu nome de batismo. Para assinar leis e decretos, entre outros, passou a usar tanto o nome de guerra – Samuca Silva – quanto seu nome verdadeiro, Elderson Ferreira da Silva.  

 

Indefinição – Recentemente, em release, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Joselito Magalhães, anunciou que a próxima Rua de Compras – evento criado pelos verdes para os consumidores anteciparem suas compras de forma festiva em algum ponto da cidade do aço – seria realizada no próximo dia 16 de julho, na Vila. Mas é provável que isso não ocorra e que a Rua de Compras da Vila se realize na véspera do Dia dos Pais, em 13 de agosto. O evento deverá ser integrado com a Feira Livre. Os feirantes, inclusive. foram chamados na terça, 27, no Palácio 17 de Julho, para discutir os detalhes da Rua de Feira e Compras.

 

Analisando – Os vereadores de Volta Redonda aprovaram, por unanimidade, um projeto apresentado por Edson Quinto (PR), que pode gerar dor de cabeça para o Samuca. É o que obriga a prefeitura a comunicar a Câmara a abertura de qualquer licitação – inclusive enviando cópia do edital.

 

Por pouco – O vereador Neném (PSB) pediu que fosse arquivado o processo contra Paulinho do Raio-X (PMDB) por quebra de decoro parlamentar. É que Paulinho acusou Neném de ‘tomar leitinho’ nas secretarias durante o governo Neto (PMDB). Depois do quiproquó, os dois fizeram as pazes após pedido de desculpas do parlamentar peemedebista.

 

Tarifas (I) – O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), que não passa de um órgão opinativo, e agora envolvido em escândalos, anda exigindo que os 92 municípios fluminenses promovam a desoneração dos impostos, como PIS e Cofins, na folha de pagamento, para reduzir o preço das passagens dos ônibus urbanos. Foi o bastante para que o Ministério Público Estadual orientasse os prefeitos, que não levaram em consideração a desoneração, para “promover uma revisão do cálculo das tarifas de transporte público”.

 

Tarifas (II) – O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região (Sindpass), Paulo Afonso de Paiva Arantes, não perdeu tempo e garante que o problema não afeta o Sul Fluminense. Segundo ele, as desonerações foram aplicadas por todos os prefeitos da base de atuação do Sindpass. “Os prefeitos da nossa região promoveram a redução das tarifas de modo que tais decretos ocorreram exatamente à época dos grandes movimentos populares, entre 2013 e 2014, levando o governo Dilma Rousseff a realizar as respectivas desonerações e que tiveram aplicações imediatas”, explicou Paulo Afonso.

 

Tarifas (III) – Ainda de acordo com o presidente do Sindpass, o TCE pode até dar a orientação, mas ela, insiste Paulo Afonso, somente irá afetar as cidades onde essa desoneração não foi feita, o que não é o caso da base do Sul do Estado. “Temos sempre a preocupação de cumprir, rigorosa e imediatamente, todas as exigências da legislação vigente. Portanto, já fizemos a nossa parte”, concluiu Paulo Afonso.

 

Dívida – A CSN está tentando alongar os passivos que tem com o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal com vencimentos em 2017 e 2018. A dívida soma R$ 4,9 bilhões. A questão é ainda pior quando o assunto são os débitos que vencem em 2019 e 2020, em torno de R$ 15 bilhões. Só pra lembrar: Paulo Cafarelli, atual presidente do Banco do Brasil, foi diretor executivo da CSN. Quem sabe, né?

 

Fiscalização – A prometida fiscalização na Feira Livre da Vila, que seria realizada amanhã, foi cancelada. Ficou para uma nova data, ainda a ser divulgada.

 

Justiça (I) – Depois reclamam quando dizem que a Justiça brasileira é incoerente. Mas, vejam só: por determinação judicial, o deputado Celso Jacob (PMDB-RJ) conseguiu autorização para trabalhar durante o dia como parlamentar, votar projetos de leis, participar de reuniões de comissões temáticas e ajudar a decidir a vida dos brasileiros elaborando a legislação para todos os segmentos sociais e, à noite, voltar para o presídio da Papuda, em Brasília, onde está preso desde o dia 6 de junho.

 

Podemos! – Prova de que está prestes a deixar o ninho verde é que Samuca Silva estará hoje, sábado, 1º, em Brasília, onde vai se encontrar com os diretores do  Podemos! – ex-PTN – para discutir sua filiação à legenda. Para mudar de partido, Samuca deve até receber um convite para participar da Executiva Nacional do Podemos!.

 

Troca (I) – Antes de pegar um voo para Brasília, Samuca deixou tudo alinhavado para, quando voltar, anunciar mais algumas mudanças. O secretário de Administração, Carlos Rosa, por exemplo, irá assumir a Controladoria Geral do Município (CGM). Para seu lugar, irá Carlos Bahia, que estava no Banco da Cidadania.

 

Troca (II) – Samuca só não definiu, por enquanto, dois nomes: o do novo secretário de Meio Ambiente e do novo Coordenador Municipal da Juventude. Como o aQui antecipou, Juliano Costa de Sá, que está à frente da coordenadoria, será exonerado do cargo.

 

Convite – Para surpresa de todos, quem foi convidado por Samuca para integrar seu governo, foi o ex-vice-prefeito Nel-sinho Gonçalves, filho do ex-deputado estadual Nelson Gonçalves (PSD). Até o fechamento dessa edição, entretanto, Nel-sinho ainda mantinha suspense sobre o convite, que pode ser para o Banco da Cidadania. Detalhe: Nelson e Nelsinho pediram votos, no segundo turno das eleições do ano passado, para Paulo Baltazar.

 

Caixões – Após o aQui divulgar, com exclusividade, que só haveria caixões – urnas mortuárias – para mais 15 dias na Funerária Municipal, a prefeitura de Volta Redonda fez a licitação para a compra de mil caixões na segunda, 26. A expectativa de Samuca era que os caixões começassem a chegar ontem, sexta, 30. Amém!

 

Taxa – É bom que os voltarredondenses tomem todo cuidado antes de quitar a famigerada taxa dos bombeiros de 2017. É que muitos andam recebendo dois boletos a pagar e um deles seria falso. O verdadeiro, segundo corre nas redes sociais, teria o número do banco (237-2 do Bradesco) e estaria em branco em cima do código de barras. O falso, quase idêntico, não consta número de nenhum banco – começa por 000 e chega a alertar que o documento não é compensável, devendo ser pago exclusivamente no Bradesco. O aQui tentou contato com a direção do Corpo de Bombeiros para esclarecer o caso, mas até o fechamento desta edição, nenhuma resposta tinha sido dada. Resumindo: não paguem o que deve ser falso.

 

 

Deixe uma resposta