quinta-feira, março 30, 2023

Grampos

Ele voltou – Deley de Oliveira, ex-assessor especial do prefeito Neto e que estava afastado da vida política desde as eleições de outubro de 2022, reapareceu ao lado do deputado estadual Munir Neto. A dupla esteve na secretaria estadual das Cidades para acompanhar o processo de contratação da empresa que vai realizar os serviços de recuperação da pavimentação asfáltica e sinalização em várias ruas de Volta Redonda. Voltaram com a promessa do governo do estado de que ainda na primeira quinzena de março as obras sairão do papel. Amém.

Sem trégua – Agentes da GM voltaram a atacar as bancas da cidade do aço. Na quinta, 2, por volta das 14 horas, foi a vez da banca que vendia livros espíritas na Vila, que ficava perto da agência do Banco do Brasil. Motivo? Ninguém sabe. Aliás, a cerca de arquitetura hostil do prédio do Justino Mollica, também na mesma área, continua lá, intocável. Motivo? Ninguém sabe.

Desabafo (I) – Na sua entrevista semanal ao programa Dário de Paula, o prefeito Neto reconheceu que a cidade do aço – o seu governo – passa por um momento muito difícil, provocado pelas chuvas que castigam Volta Redonda quase diariamente. “Nossa cidade nunca passou por um momento tão delicado. Você coloca o asfalto na parte da manhã, e à noite chove. Joga tudo fora”, exemplificou. “O capim, você corta hoje e em cinco dias ele já está alto de novo e temos que capinar novamente”, continuou. “Hoje, eu tenho 200 pessoas nas ruas, vou colocar mais”, prometeu.

Desabafo (II) – Neto foi além. Deixou um recado, mesmo que indireto, para a sua equipe: “A população quer uma cidade iluminada, sem buraco, sem mato”. Ele tem razão. E que seus secretários reconheçam a situação.

Desabafo (III) – Neto também abordou a questão da falta de água, que ocorre praticamente em todos os bairros. “Quem está sem água não quer saber de desculpas. Temos que nos virar e resolver”, anunciou. “Não tem justificativa para falta de água nunca”, disparou. Só faltou dizer: “Que o PC pare de dar desculpas”. Para quem não sabe, PC é o engenheiro Paulo César, presidente do Saae-VR, que anunciou que a cidade poderá construir uma nova ETA no Aero Clube. Previsão para entrar em operação: 16 meses, depois que todo o processo licitatório sair da gaveta.

Beira-Rio – Neto também anunciou a Dário de Paula que dentro de 15 dias a prefeitura deverá realizar a licitação para a conclusão das obras da Beira-Rio, que estavam sendo feitas pelo Saae-VR. “Foi uma falha nossa não ter tapado aquele buraco daquela obra”, disse, sem dizer a qual buraco estava se referindo.

Animais – Neto, aproveitando a presença de Renan Cury ao lado de Dário de Paula, anunciou que no dia 5 de abril vai promover a concorrência da construção de um hospital veterinário, em parceria com o governo do Estado. Valor da obra: R$ 4 milhões. Também anunciou que vai construir um cemitério pet.

Segurança – No fim do programa, Neto fez média com o vereador Paulinho AP. “Ele nos procurou pedindo para ampliarmos o Proeis para a região do Laranjal, Monte Castelo, São João, Jardim Amália, Jardim Normândia, São Geraldo, Belvedere, 60, Jardim Esperança, Siderópolis, Jardim Tiradentes, Vila Rica e complexo Roma. Ideia superválida. Vamos ampliar o Proeis (Programa Estadual de Integração na Segurança) para essas áreas”, anunciou.

Vai vendo – Jornais cariocas dando conta que o barra-mansense Jackson Emerick, que substituiu José Roberto Gifford como presidente da Funarj, foi indicado pelo deputado federal Áureo Ribeiro, e não por Edson Albertassi, ex-deputado estadual, com quem Jackson trabalhou nos bons tempos da Alerj. Tem mais. Dão conta que o clima azedou entre os ex- aliados porque Jackson trabalhou nas eleições de outubro para Noel de Carvalho, e não para Betinho Albertassi, que concorreu a deputado estadual pelo União. O engraçado é que uma das notas enche a bola de Betinho, lembrando que o vereador-radialista de Volta Redonda ficou como suplente com 22.414 votos. Aí tem…

Sem emprego – Por falar em Edson Albertassi, o ex- deputado estadual continua em cima do muro e ainda não definiu se vai trabalhar ao lado do prefeito Neto ou não. Há até quem garanta que o ex- parlamentar teria umas quatro propostas de trabalho em cima da mesa. Uma delas envolve a sua antiga Casa.

Sem espaço – Motoristas que estacionavam ao redor do antigo Hortifruti, na Vila, estão fulos da vida porque perderam pelo menos umas 20 vagas de estacionamento por conta da obra de expansão do Sider Shopping. Não são contra o empreendimento. Muito pelo contrário. Estão reclamando da GM, que não atua no controle do trânsito nas ruas próximas. Na manhã de quinta, 2, uma das ruas foi fechada, o trânsito ficou congestionado e não apareceu um GM para pôr ordem na casa.

Sem água–Quem é da Morada da Colina não deve estar nada satisfeito com a direção do Saae-VR. O bairro é um dos mais afetados pelo desabastecimento de água na cidade do aço. Segundo um deles, os moradores ficaram três dias sem água só na semana passada, especialmente na Rua Tarlile Lustoza Braune. “Hoje é sábado (18) e estamos há três dias sem água)”, desabafou um deles ao aQui. “É normal pedirmos caminhão de água”, acrescentou. Parece sacanagem… Em tempo: na manhã de quinta, 2, o bairro voltou a ficar sem água.

Sem lazer (I) – O Sesi, no Aterrado, está provocando o maior ti-ti-ti entre os seus associados. É que a entidade não estaria mais permitindo o uso da área de lazer da entidade nos finais de semana. Agora, só podem usufruir das aulas de natação, ir à ginástica e frequentar a escola mantida pela entidade. Quem quiser usar a sauna ou a piscina, como lazer, tem que ir ao Sesi de Barra Mansa.

Sem lazer (II) – Segundo um dos associados, a unidade Sesi de Volta Redonda teria mudado de conceito. “Não funciona mais como um clube social, porque está potencializando a promoção da saúde na indústria”, justifica, indo além. Diz ter procurado explicações e ficou sabendo, entre outras, que os antigos associados do Sesi-VR estão sendo encaminhados para Barra Mansa, onde o espaço é maior, com campo, piscinas, saunas seca e a vapor etc. “E fica a apenas 8 km de distância do Sesi- Aterrado”, completou.

Dívida – O empresário Mauro Campos Pereira, o Maurinho, é leitor assíduo do aQui e vive comentando as matérias que são publicadas no jornal. A última foi da dívida que a prefeitura de Volta Redonda vai pagar para a CSN, na casa de R$ 40 milhões. “Será por que sóparaaCSN?A prefeitura com tantos precatórios de pessoas humildes, pobres, pequenos empresários, etc…”, pontuou, de forma irônica, é claro.

Vai vendo – Dois ex- vereadores de Volta Redonda estão praticamente fora das eleições de 2024. Um, para o Palácio 17 de Julho, outro, para a Casa Legislativa da cidade do aço. É que eles estão inelegíveis pelos próximos oito anos, conforme decisão da Justiça fluminense. Os dois entraram com embargos contra a decisão, mas quem já leu a sentença sabe que dificilmente eles conseguirão reverter a situação.

Cultura – Frederico Paschoeto Silva foi nomeado para o cargo de subsecretário de Cultura de Volta Redonda a partir de 1 de março. Entrou no lugar de Alan Teixeira de Amico.

Sangue – A quinta, 2, foi sangrenta em Volta Redonda. Dois homens e uma mulher foram encontrados mortos na RJ- 153, na altura do Santa Rita do Zarur. Detalhe: os três estavam amarrados com fita durex e amordaçados. Mais cedo, um homem de 39 anos foi executado na Rua Francisco Antônio Francisco, no Açude. A coisa tá feia!

Bronca – O vereador Rodrigo Nós do Povo (PL) soltou cobras e lagartos contra o Furban, comandado pelo ex- vereador Tigrão. Na quarta, 1o, gravou um vídeo na Rua da Figueira, no Nova Esperança, onde a chuva provocou um deslizamento de barranco. “Eu estive nesse lugar com os técnicos do Furban, mas, mais de um ano depois, nada foi feito. E aqui dentro da comunidade temos outras obras do órgão que não tinham necessidades. Peço que o prefeito Neto, que sempre nos atendeu, interceda junto ao Furban pra nos ajudar”, disparou.

Da série ‘perguntar não ofende’… – Em contato com a redação, um leitor questionou as constantes quedas de energia na Estação de Tratamento de Água no Belmonte, o que faz com que o fornecimento de água seja interrompido em Volta Redonda. “Por que o Saae não compra um gerador? Dinheiro não falta para comprar enfeite de Natal”, comparou.

UGB – Um tremendo bafafá está ocorrendo nos corredores do curso de Direito do UGB envolvendo alunos, professores e advogados.

Artigo anteriorBroncas d’aQui
Artigo seguinteVida Sem Drogas’
ARTIGOS RELACIONADOS

Grampos

Grampos

Grampos

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp