quarta-feira, dezembro 1, 2021
CasaGERALFuturos obesos

Futuros obesos

Os adolescentes do estado do Rio de Janeiro acompanhados pela atenção básica do SUS estão se alimentando mal. Dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), apontaram que, em 2017, 57% deles consumiram produtos industrializados regularmente, como macarrão instantâneo, salgadinho de pacote ou biscoito salgado. Além disso, 53% desses jovens ingeriram hambúrguer e/ou embutidos; e 49% biscoitos recheados, doces ou guloseimas. Os números servem como um alerta para a má alimentação por esta parcela da população.

 

Para o coordenador-substituto de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Eduardo Nilson, os jovens precisam se atentar mais à alimentação adequada. “Dados revelam que adolescentes com obesidade aos 19 anos têm 89% de chance de ser obeso aos 35 anos, por isso é necessário investir na promoção de uma alimentação adequada e saudável, especialmente na infância e na adolescência, tendo em vista a relação de práticas alimentares inadequadas com o aumento da obesidade na população”.

 

Quando se observa por sexo, os percentuais mostram que o consumo de industrializados, fast foods e alimentos doces recheados/guloseimas não se diferenciam muito, sendo um pouco maiores nos meninos do Rio de Janeiro. O primeiro grupo de alimento, por exemplo, é consumido por 59% delas, enquanto os adolescentes representam 60%. O consumo de alimentos do segundo grupo de alimentos é de 55% dos jovens do sexo masculino e 49% do feminino. Já os recheados são preferência de 46% deles e 47% delas.

 

O balanço de acompanhamento também trouxe dados por região, que mostram que 58% dos adolescentes do Sudeste consumiram produtos industrializados, como macarrão instantâneo, salgadinho de pacote ou biscoito salgado; 43% consumiram hambúrguer e/ou embutidos e 43% biscoitos recheados, doces ou guloseimas. A região Norte apresenta o menor percentual. Já o Sul do país é o que apresenta a maior quantidade de jovens consumindo hambúrguer e/ou embutidos; macarrão instantâneo, salgadinho de pacote ou biscoito salgado, com 54% e 59% respectivamente. Quando o assunto são biscoitos recheados ou guloseimas, a região Sul também está na frente (46%), mas empatada com os jovens nordestinos (46%).

 

Os maus hábitos à mesa têm refletido na saúde e no excesso de peso dos adolescentes. Números da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense) trouxeram que 7,8% dos adolescentes entre 13 e 17 anos estão obesos, sendo maior entre os meninos (8,3%) do que nas meninas (7,3%). O Sisvan revela que 8,2% dos adolescentes (10 a 19 anos) atendidos na Atenção Básica em 2017 são obesos.

Hábitos saudáveis 

O incentivo para uma alimentação saudável e a prática de atividades físicas é prioridade do governo Federal. Para apoiar a adoção de hábitos alimentares saudáveis, o Ministério da Saúde publicou em 2014 o Guia Alimentar para a População Brasileira que traz as diretrizes nacionais e as recomendações sobre alimentação adequada e saudável. Dentre elas, a regra de ouro que facilita a aplicação das recomendações – “Prefira sempre alimentos in natura ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados”.

 

Para proteger trabalhadores (as) do Ministério da Saúde e de outros órgãos, a pasta publicou uma Portaria proibindo venda, promoção, publicidade ou propaganda de alimentos industrializados ultraprocessados com excesso de açúcar, gordura e sódio e prontos para o consumo dentro das dependências do Ministério. O órgão também participou da assinatura da portaria de Diretrizes de Promoção da Alimentação Adequada e Saudável no Serviço Público Federal. Sugerida pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, a diretriz orienta formas da alimentação adequada e saudável nos ambientes de trabalho do serviço público federal. Além disso, constrói uma campanha pela adoção de hábitos saudáveis chamada Saúde Brasil.

 

O Ministério da Saúde também adotou internacionalmente metas para frear o crescimento do excesso de peso e obesidade no país. Durante o Encontro Regional para Enfrentamento da Obesidade Infantil, realizado em março de 2017 em Brasília, o país assumiu como compromisso deter o crescimento da obesidade na população adulta até 2019, por meio de políticas intersetoriais de saúde e segurança alimentar e nutricional; reduzir o consumo regular de refrigerante e suco artificial em pelo menos 30% na população adulta, até 2019; e ampliar em no mínimo de 17,8% o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente até 2019.  Outras iniciativas que buscam proteger indivíduos e coletividades apoiam-se na prevenção de danos e riscos ocasionados por ambientes desfavorecedores de uma prática alimentar saudável.  

 

 Destacam-se as ações realizadas no ambiente escolar, como o Programa Saúde na Escola que orienta a articulação no território entre os profissionais de saúde da Atenção Básica e os profissionais da escola para desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de doenças como obesidade, por exemplo, e a implementação de normas e regulamentações para cantinas de escolas públicas e privadas com objetivo de limitar a venda de alimentos não saudáveis, considerando que o ambiente em que crianças e adolescentes fazem suas escolhas alimentares precisa favorecer as opções saudáveis e protegê-los dos fatores que contribuem para as doenças relacionadas à alimentação.

 

As cantinas escolares que muitas vezes oferecem alimentos de baixo valor nutricional contribuem para escolhas não saudáveis pelas crianças e, é papel do estado priorizar o ambiente escolar como um dos espaços para o desenvolvimento de estratégias de Promoção da Alimentação Adequada e Saudável.

Por Victor Maciel, da Agência Saúde

Encarando as mudanças
Preocupado com o agravamento da saúde pública, o Ministério da Saúde tem buscado promover, principalmente nas escolas, o hábito da alimentação saudável e da prática de atividades físicas. Porém, essa medida cabe a toda a população – a mudança de hábitos pode significar ganho de qualidade de vida e longevidade para todos. Os males causados por doenças crônicas já são uma realidade na vida de muitos brasileiros, porém a adoção de algumas práticas pode facilitar o convívio com essas enfermidades.

Muitos só fazem mudanças na alimentação após descobrirem doenças relacionadas, porém a prevenção ainda é a melhor solução. Alguns pequenos hábitos podem ajudar na perda e manutenção de peso, além de facilitarem a ingestão de nutrientes essenciais, de acordo com Marcela Herculani, nutricionista da Nova Nutrii, essas medidas podem facilitar a reeducação alimentar:

Prefira sempre alimentos naturais: consumir mais frutas e verduras, e sempre que possível, preparar as refeições em casa – dessa forma é possível controlar a quantidade de óleo, sal, açúcar outros elementos que possam aumentar o valor calórico da refeição;
Pesquise frutas, verduras e legumes da época: devido à grande oferta desses alimentos são mais baratos e frescos;

Quando fizer refeições fora de casa, opte por buffets que ofereçam saladas e grelhados, porém tome cuidado ao temperá-los;

Troque o refrigerante por bebidas mais saudáveis como água de coco e sucos naturais;
Comer de 3 horas é essencial para manter o metabolismo acelerado e evitar comer em excesso na refeição seguinte, portanto faça pequenos lanches entre as refeições, como frutas in natura ou secas;

Crianças que recusam determinados alimentos ou tem falta de apetite podem precisar de suplementos nutricionais para complementar o aporte de nutrientes;
Inclua fibras no seu cardápio: esse nutriente facilita a digestão e aumenta a sensação de saciedade;

Não corte alimentos deliberadamente: todos os alimentos naturais oferecem algum tipo de nutriente importante, o que pode prejudica seu valor nutricional é a quantidade e/ou o modo de preparo: prefira assados, evite frituras.

Procure manter uma refeição equilibrada, com porções adequadas de cereais, hortaliças, leites e derivados, carne, açúcares e carboidratos.

Ler a tabela nutricional dos alimentos levando em consideração todos os nutrientes, não apenas a quantidade total de calorias. Além disso prestar atenção na porção, muitos caem na pegadinha e comem o pacote inteiro achando que tem poucas calorias, quando a quantidade calórica indicada corresponde à uma fração do alimento.
Pratique alguma atividade física: estudos apontam que 30 minutos de atividade física diárias já são suficientes para trazer benefícios à saúde;

Consulte um profissional nutricionista/endocrinologista para encontrar a dieta ideal para seu perfil;

Essas medidas são válidas para todos, obesos ou não – e ainda beneficiam pessoas que já convivem com doenças crônicas. Em casos específicos, uma dieta especializada pode ser desenvolvida por um profissional capacitado e trazer mais qualidade de vida ao paciente com problemas crônicos. Porém, no geral, essas dicas podem ajudar a adoção de uma rotina saudável que resulte na perda de peso e no ganho em saúde. Alimentar-se bem é alimentar-se com qualidade.

Nova Nutrii – A Novanutrii é uma empresa especializada em nutrição clínica com produtos voltados para o paciente domiciliar ou Home Care.
Saiba mais sobre a Nova Nutrii: www.nutrii.com.br

ARTIGOS RELACIONADOS

Boa ajuda

Boa parceria

Curtas

LEIA MAIS

Grampos

O roubo da identidade

Resistindo à violência

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp